Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Atenção, homens: ir ao médico precisa virar hábito

Eles vivem cerca de sete anos a menos do que as mulheres. O fato de não procurarem o médico para cuidar da saúde é um dos motivos por trás dessa diferença

Por Antonio Carlos Pompeo, urologista*
Atualizado em 15 jul 2021, 10h50 - Publicado em 15 jul 2021, 10h46

Quando os meninos são crianças, frequentemente ouvem dos pais frases como “homem de verdade não chora”, “se apanhar, precisa revidar à altura” e muitas outras que os estimulam a não demonstrar emoções e fragilidades. Esse pensamento os acompanha até a vida adulta, quando pedir ajuda diante de questões ligadas à saúde física e/ou mental é encarado como sinal de vulnerabilidade.

As mulheres, por outro lado, desenvolveram o hábito do zelo pela saúde há muito tempo. Para ter ideia, o chamado “preventivo” existe desde 1943 – trata-se do exame para o diagnóstico precoce do câncer de colo de útero. Para elas, mais do que um hábito, cuidar-se é uma tradição que passa de mãe para filha – e engloba outros exames, como aqueles para a detecção do câncer de mama.

No caso do câncer de próstata – a segunda causa de morte por tumores no sexo masculino –, um dos principais exames que facilitam a descoberta da doença só surgiu em 1994. Falo da dosagem de PSA no sangue, que, juntamente com o exame de toque retal, permite o diagnóstico precoce do quadro.

Só que, entre os homens, há uma falta de tradição em relação à busca por esses procedimentos. Ela se soma um pouco com o medo e uma falsa percepção de imunidade às doenças. É como se eles acreditassem numa espécie de mito do “super-homem”.

Esse mito afeta diretamente a vida desses indivíduos em diversos aspectos. Uma consequência desse descuido é que, segundo dados do IBGE, as mulheres vivem cerca de sete anos a mais que eles.

Segundo o Sistema de Informação Ambulatorial (SIA), de 2016 a 2020, até houve um aumento da procura do médico pelo homem de 49,9% – o salto foi de 425 milhões de atendimentos para 637 milhões.

Mas os dados do Programa Nacional de Saúde (PNS) de 2019 não são tão animadores. Eles mostram que 76,2% da população brasileira foi ao médico, sendo que a proporção maior de pacientes é de mulheres. Entre elas, 82,3% marcaram uma consulta, enquanto esse número ficou em 69,4% entre os homens.

Continua após a publicidade

Vivendo no escuro

Esses dados são preocupantes, uma vez que o menor acesso à saúde pode ocultar doenças silenciosas, deixando-as sem tratamento. Além disso, não ir a um consultório médico impede a obtenção de informação de qualidade sobre prevenção, principalmente das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), e também a respeito de planejamento familiar.

Uma prova disso é que, em pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) com adolescentes masculinos, descobrimos que 44% deles não usaram preservativo na primeira relação sexual e 35% não usam ou usam raramente a camisinha. Como se não bastasse, 38,57% dos meninos revelaram não saber sequer colocar o preservativo.

O ciclo de desinformação se desenrola pela vida adulta, contribuindo para que doenças facilmente evitáveis ainda ocorram com frequência. É o caso do câncer de pênis, que pode ser prevenido com medidas simples, a exemplo de higienização correta e utilização de preservativos.

Porém, entre 2019 e 2020, tivemos 6 174 diagnósticos da doença – e nada menos do que 1 092 desses pacientes precisaram amputar o órgão, já que buscaram tratamento em estágio avançado. Trata-se de uma condição que dá sinais claros de que algo não vai bem.

Se mesmo com sintomas há relutância em procurar ajuda médica, o problema é ainda maior quando o inimigo é silencioso. Os outros cânceres urológicos, como os de próstata, rim e bexiga, são inicialmente assintomáticos. Quando provocam algum tipo de manifestação, já estão em estágio avançado. Aí, o tratamento é mais difícil.

Continua após a publicidade

Pensando nessa realidade, a SBU tem realizado diversos movimentos em prol da saúde do homem, como as campanhas Novembro Azul, que aborda o câncer de próstata; #VemProUro, que estimula a ida de adolescentes masculinos ao médico; Dezembro Vermelho, com foco nas ISTs; Trato feito e Urinar Assim é Normal?, que tratam da incontinência urinária; entre várias outras ações.

Mais recentemente, a SBU também assinou um acordo de cooperação técnica com o Ministério da Saúde para desenvolvimento de estratégias para questões urológicas, como tumores de pênis, testículo, próstata e bexiga, além de hiperplasia benigna da próstata, fimose, queixas urinárias, disfunção erétil, vasectomia e atualizações sobre ISTs.

Também serão criados meios para identificar alterações em pacientes com epispádia e hipospádia (quando a saída da urina não está na cabeça do pênis, e sim em outro lugar do órgão), bem como orientar e apoiar aqueles que possuem sonda e fazem uso de fraldas geriátricas adultas.

Neste Dia do Homem, 15 de julho, é muito importante levantarmos essa discussão e mudarmos a cultura de que os homens não se cuidam. Visitar o médico para avaliações periódicas de saúde – mesmo que não haja nenhum sintoma incomodando – é fundamental para a criação de melhores condições de vida e ganhos em termos de longevidade.

*Antonio Carlos Pompeo é urologista e presidente da Sociedade Brasileira de Urologia

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.