Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Homens: vocês precisam se proteger mais durante o sexo

As mulheres não são as únicas responsáveis por evitar DSTs e gestações indesejadas. Mas estudo indica que os brasileiros ainda não dão bola para isso

Por Pâmela Carbonari (da Superinteressante) Atualizado em 14 set 2020, 16h30 - Publicado em 29 set 2017, 15h45

A Organização Mundial da Saúde estima que metade das gestações no mundo não são planejadas. Já um levantamento do Ministério da Saúde mostra que 40 mil novos casos de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) são detectados por ano no país. Mas, afinal, de quem é a responsabilidade de pensar na prevenção na hora H?

Muitas vezes atribuída às mulheres, a pergunta deveria ser respondida em uníssono: por todo mundo que for sexualmente ativo. No entanto, no Brasil ainda falta um pouco para chegarmos à resposta unânime: 72% dos homens entre 15 e 25 anos considera que é responsabilidade do casal e 10% acha que é obrigação feminina.

Mesmo acreditando na “divisão de tarefas”, 38% dos homens não apoiaria sua parceira se ela decidisse parar de tomar a pílula anticoncepcional. Só 39% deles vê o preservativo masculino como principal forma contraceptiva.

Os dados vêm de um estudo do Departamento de Ginecologia da UNIFESP, em parceria com a Bayer, realizado com 2 mil homens jovens de dez capitais brasileiras. O  intuito era entender o papel de homens e mulheres no planejamento familiar e na prevenção de DST.

Uma das principais surpresas da pesquisa foi o efeito “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Apesar de 72% dos marmanjos acreditar que a contracepção deve ser uma responsabilidade do casal e 34% dos entrevistados elencar que contrair uma DST é a coisa que mais os preocupa no sexo, a maioria não se protege.

Continua após a publicidade

Em números, 73% dos entrevistados já transaram sem proteção e apenas um terço afirma usar preservativo em todas as relações. Destaques negativos: 94% dos voluntários de Belém revelaram já ter feito sexo sem proteção e apenas 4% dos de Porto Alegre e Curitiba transam com camisinha em todas as relações.

Falta de preservativo?

Fazer sexo desprotegido não é apenas consequência da falta de camisinha por perto. Veja: 60% dos homens disseram que costumam carregar um preservativo consigo.

Quando perguntados sobre os motivos de terem transado sem proteção, 16% responderam que não queriam cortar o clima, 11% “simplesmente esqueceram” da necessidade de proteção, 10% decidiram arriscar, 9% fizeram sexo desprotegido porque estavam bêbados ou sob efeito de drogas e outros 9% contaram que a garota não quis ou não se importou em transar sem proteção.

“A quantidade de jovens brasileiros sexualmente ativos que já fizeram sexo desprotegido reforça a necessidade de ampliar o acesso a informações essenciais sobre sexo e contracepção. A mulher é que mais arca com as consequências de uma gravidez indesejada, e gestação não empodera ninguém, escraviza. Empoderar a mulher é usar camisinha”, afirmou Albertina Duarte Takiuti, ginecologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, durante a divulgação da pesquisa.

Este conteúdo foi publicado originalmente pela Superinteressante.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês