Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Coisas de Homens

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Sexo, libido, ereção, prevenção de doenças… O bem-estar dos homens está na mira do urologista João Brunhara, diretor médico da Omens, plataforma que trata da saúde sexual masculina
Continua após publicidade

Quando é necessária uma biópsia de próstata?

O procedimento é fundamental na investigação do câncer de próstata e tem avançado muito

Por João Brunhara
20 Maio 2024, 16h10

A palavra biópsia assusta muita gente. Afinal, é um procedimento invasivo e, muitas vezes, indicado para investigar a possibilidade de câncer. Porém, uma análise mais cuidadosa mostra que a biópsia da próstata não é um bicho de sete cabeças.

De fato, na maioria das vezes em que se indica uma biópsia prostática, o intuito é avaliar uma suspeita de câncer de próstata. O primeiro gatilho para suscitar essa preocupação geralmente é uma alteração de um exame de sangue chamado PSA, mas pode ser também uma palpação suspeita no toque retal. 

O PSA é um exame que dosa a presença no sangue de uma proteína oriunda da próstata. Existem pelo menos três situações que causam aumentos do PSA: 

  • Crescimento benigno da próstata, chamado de hiperplasia prostática benigna
  • Prostatite (ou seja, uma infecção da próstata)
  • E ele, o câncer de próstata. 

Portanto, uma alteração simples do PSA não implica necessariamente a presença de uma doença grave. 

Atualmente, é de praxe prosseguir a investigação com uma ressonância magnética. O exame reforça ou relativiza a necessidade de uma biópsia, estimando a probabilidade de se encontrar um tumor. Além disso, a ressonância indica áreas suspeitas na próstata, o que ajuda a guiar e direcionar a biópsia com ênfase maior nessas regiões. 

Continua após a publicidade

A forma convencional é a biópsia por via transretal, ou seja, o aparelho é introduzido no ânus. Uma agulha guiada por um ultrassom em tempo real é usada para retirar fragmentos da próstata – e caso uma ressonância tenha sido feita, preconiza-se a fusão das imagens da ressonância com as do ultrassom para guiar o procedimento com mais precisão. 

E sim, esse procedimento é feito sob sedação. O paciente estará dormindo e não sentirá nada.

+Leia também: O Brasil está pronto para a explosão de casos de câncer de próstata? 

Mais recentemente, ganhou espaço a biópsia transperineal da próstata, ou seja, em vez de atravessar o ânus, a agulha é introduzida na região do períneo. Essa técnica traz a vantagem de um risco menor de infecções, além de poder ser mais precisa em algumas áreas da próstata. 

Continua após a publicidade

Por ser mais recente, a biópsia transperineal está restrita a grandes centros e é feita apenas por médicos especializados, porém é considerada a técnica padrão-ouro nesse contexto. 

E uma novidade ainda mais recente é um ultrassom de altíssima resolução, chamado microultrassom, para guiar o procedimento da biópsia. Ainda pouco disponível no Brasil, esse método tem uma precisão equiparável à da ressonância em detectar lesões suspeitas, o que pode, no futuro, eliminar a necessidade da ressonância e simplificar os passos na investigação. 

De qualquer maneira, após a biópsia, o paciente recebe alta para casa no mesmo dia. É comum apresentar sangue na urina e no esperma nos próximos dias, mas os sintomas tendem a regredir espontaneamente. Os avanços têm tornado a biópsia de próstata cada vez mais segura e mais precisa. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.