Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

O Brasil está pronto para a explosão de casos de câncer de próstata?

Especialista revela medidas, tanto pensando em diagnóstico como em tratamento e prevenção, que o país deve considerar para lidar com esse tumor

Por Daniel Herchenhorn, oncologista da Oncologia D’Or*
16 Maio 2024, 14h08

Num intervalo de 20 anos, o número de câncer de próstata pode mais do que dobrar. Se, em 2020, 1,4 milhão de pessoas foram diagnosticadas com a doença, em 2040 serão 2,9 milhões. A projeção é da comissão criada pela prestigiada revista científica britânica The Lancet, que reuniu 40 especialistas de várias regiões do mundo para estudar esse tumor.

Segundo a comissão, o aumento de casos deve ocorrer principalmente em países emergentes, sendo resultado do envelhecimento da população e da melhoria do diagnóstico. Mesmo campanhas educativas, que incentivem a população a adotar hábitos saudáveis para reduzir os fatores de risco da doença, não serão capazes de deter o crescimento.

A única maneira de mitigar os danos causados por esse aumento brutal, de acordo com a comissão, é a criação de um sistema eficaz para que os indivíduos sejam diagnosticados o mais cedo possível.

+ Leia também: Câncer de próstata: a sabedoria de quando não entrar na guerra

Em outubro, o Ministério da Saúde anunciou que pretende concentrar esforços na realização do diagnóstico precoce em homens com sintomas, mas não fará o rastreamento populacional desse tipo de câncer. Esse procedimento consiste na aplicação sistemática de exames em pessoas assintomáticas a fim de identificar a enfermidade em estágio inicial.

Embora haja controvérsia sobre o rastreamento, a política de realização do diagnóstico precoce depois do surgimento dos sintomas gera duas situações complicadas. Na primeira, os sintomas aparecem quando a doença já está muito extensa. Na segunda, os sintomas se confundem com outros, como os característicos do crescimento da próstata, a hiperplasia prostática, o que dificulta o diagnóstico.

Dados levantados por pesquisadores brasileiros revelam que, nos últimos 15 anos, o Sistema Único de Saúde (SUS) tratou um pouco mais de 700 mil homens, sob o custo aproximado de R$ 5 bilhões. Um em cada cinco brasileiros chegou à rede pública com a doença avançada e outros 20%, com câncer em estágio 3 – quando o tumor não está localizado apenas na próstata.

Continua após a publicidade

O tempo médio de vida dos pacientes com doença avançada foi inferior a 28 meses.

+ Leia também: Exames de imagem podem ajudar a rastrear o câncer de próstata

Esses especialistas também fizeram uma revisão dos custos do tratamento no SUS em pacientes com doença avançada e constataram que apenas 10% fizeram a orquiectomia, uma cirurgia segura e de baixo custo, realizada com anestesia peridural. Os outros 90% foram tratados com medicamentos chamados de bloqueadores hormonais.

Continua após a publicidade

Se todos os pacientes tivessem sido tratados com a cirurgia em lugar de medicamentos, o SUS teria economizado, em dez anos, cerca de 350 milhões de dólares, acreditam os pesquisadores.

Soma-se a isso o fato de que os fármacos oferecidos pelo SUS são considerados defasados. A rede pública não possui remédios novos, que ajudam a aumentar as taxas de sobrevivência, a reduzir os eventos adversos e a melhorar a qualidade de vida.

O Brasil é um país heterogêneo, onde várias regiões carecem de estruturas complexas e profissionais de saúde para o tratamento do câncer. Por exemplo, o Censo Radioterapia, publicado em 2019 pelo Ministério da Saúde, revelou não só uma carência, como também uma concentração inadequada de máquinas, a maioria nas cidades do Sul e Sudeste. Além disso, 1 a cada 3 equipamentos é considerado obsoleto.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Rastreio do câncer de próstata deve considerar diversidade do país

A Sociedade Brasileira de Radioterapia afirma ainda que a tabela de remuneração do SUS não é atualizada há mais de dez anos, desestimulando os empresários do setor a investir em equipamentos modernos.

Além disso, faltam patologistas em diversas regiões do país para realizar o diagnóstico. Também não há a disponibilidade de urologistas, o que dificulta as decisões sobre o rastreamento em massa da população.

Continua após a publicidade

Como 1 em cada 8 homens vai ter câncer de próstata durante a vida, nenhum sistema de saúde consegue ter estruturas, equipamentos e profissionais de saúde para lidar com essa população.

Por isso, é importante encontrarmos um modelo que amplie o acesso à saúde e trate o paciente como um todo. Precisamos criar um esquema de direcionamento desses pacientes e ampliar o acesso à cirurgia, radioterapia e medicamentos atualizados para tratar o câncer, e também de outras doenças.

*Daniel Herchenhorn é oncologista clínico da Oncologia D’Or, professor da Universidade da Califórnia, San Diego, nos Estados Unidos, diretor científico do Grupo Latino-Americano Cooperativo Genito-Urinário (LACOG-GU) e único brasileiro a participar da comissão sobre câncer de próstata da revista The Lancet.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.