Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Boca Livre

Esse é o blog de Patricia Julianelli, jornalista especialista em nutrição, esporte e qualidade de vida, além de apaixonada por comida e corrida de rua. Ela é autora do livro "Boca Livre - Comida e Boa Forma com Prazer e sem Neura" e apresentadora do quadro "Saúde em Movimento", da rádio CBN
Continua após publicidade

Adoçante ou açúcar: qual devo usar?

Minha resposta seria: qualquer um dos dois. Desde que pouco, bem pouco

Por Patricia Julianelli
26 dez 2023, 14h01

Ovo faz mal para o coração. Ovo é aliado da saúde. Leite é inflamatório. Leite é anti-inflamatório. Arroz branco é o vilão. Arroz é o melhor amigo do feijão. Fruta causa cirrose. Fruta é benção da natureza. Termogênicos aceleram o metabolismo. Termogênicos estão proibidos. Café com manteiga queima gordura. Café com manteiga só é ruim mesmo.

Na nutrição, se dermos atenção a estudos pouco conclusivos e à mídia caça-clique, é todo dia um plot twist diferente. Impossível não se sentir perdido.

Uma das reviravoltas mais recentes teve como alvo os adoçantes. No centro da polêmica, o aspartame, aquele que está no mercado desde os anos 1970, que aparece em tudo quanto é produto – refrigerante, iogurte, suco, sorvete, etc – e era considerado um dos mais testados e seguros do mercado.

Até que, em julho de 2023, a IARC, agência da OMS que pesquisa o câncer, classificou o aspartame como “possivelmente cancerígeno em humanos”. A própria IARC admitiu que, para chegar a essa conclusão, levou em conta três estudos com “evidência limitada”. Mas aí o estrago já havia sido feito…

+ Leia também: Terrorismo nutricional: não seja a próxima vítima!

Vamos aos fatos. Você chegou a ficar sabendo que, na mesma categoria do adoçante, a IARC havia incluído vegetais em conserva e chá verde? Pois é.

Aqui eu faço um adendo: no caso dos adoçantes, os estudos não conseguem estabelecer uma relação de causa e efeito.

Continua após a publicidade

E explico: quem disse que as pessoas que consumiam muito adoçante não consumiam também outros produtos nocivos? Quem disse que o aspartame em si aumenta o risco de tumores e não o fato de boa parte dos seus consumidores terem obesidade?

Meses antes da polêmica com o aspartame, outro alerta havia causado tumulto: “A OMS sugere que os adoçantes não sejam usados como forma de controlar o peso”. Mas, gente, quem achava que os adoçantes, isoladamente, seriam uma estratégia de emagrecimento?

Só que a OMS ainda sugeriu uma associação entre adoçantes e maior incidência de doenças do coração e diabetes tipo 2. De novo: quem disse que é o adoçante e não a obesidade que causa essa maior predisposição?

+ Leia também: A parcialidade nas notícias sobre a segurança do aspartame

De forma geral, os adoçantes são considerados seguros por profissionais e associações médicas. Com exceção do ciclamato – nesse, vale ficar especialmente de olho –, não somos capazes de ultrapassar as doses máximas estipuladas.

Dito tudo isso, ser seguro em relação ao câncer não significa que o adoçante não possa dar uma bela bagunçada no organismo.

Continua após a publicidade

Você sabia que os adoçantes – mesmos os naturais – são capazes de alterar nossa microbiota intestinal?

Aqui, falamos de trilhões de micro-organismos que habitam o trato intestinal. E são fundamentais para a digestão e a síntese de vitaminas, para o sistema imunológico e para a produção de serotonina, o neurotransmissor do bem-estar.

aspartame-cancerigeno-oms
Controvérsias envolvendo os adoçantes vira e mexe aparecem na mídia (Foto: Fabio Castelo/SAÚDE é Vital)

Para desempenhar bem todas essas funções, nossa microbiota depende do equilíbrio entre as “bactérias do bem e as do mal” que vivem por lá. E é justamente esse equilíbrio que os adoçantes ameaçam.

Vários estudos têm sinalizado isso, sendo o da revista Cell o mais notório. Publicada em agosto de 2022, a pesquisa “padrão ouro” contou com 120 voluntários e chegou a duas conclusões: stévia, sucralose, aspartame e sacrarina alteram nossa microbiota intestinal.

Sim, o natural e hypado Stévia. E ainda: sacarina e sucralose podem afetar também a sensibilidade à insulina.

Continua após a publicidade

Fica cada vez mais evidente que caloria zero não equivale a risco zero. Outros estudos, esses em animais, trazem associações entre adoçantes e infertilidade, ansiedade, problemas nos ovários, nos rins e até um comprometimento do sistema imunológico.

São estudos pouco conclusivos e com uma série de limitações. Mas, confesso, aqui nessa cabecinha já acende uma luz amarela. Às vezes, tenho a impressão de que os ratinhos de laboratório somos nós, e que só vamos entender os efeitos de certas substâncias no nosso corpo daqui a algumas décadas.

+ Leia também: O que explica o aumento da obesidade entre jovens no Brasil?

A essa altura do texto, você pode estar se perguntando: “Tá, mas afinal, qual deles é o menos pior: açúcar ou adoçante?” Minha resposta: não sabemos ainda. Na dúvida: evite ambos. Se for usar, use pouco.

Os efeitos do excesso de açúcar no corpo a gente já conhece. São muitos e podem ser devastadores. Os do adoçante, estamos começando a entender. Por isso, o ideal seria reduzir o consumo dos dois.

Para isso, não basta adoçar menos o café e o suco. Já ajuda, mas está longe de ser suficiente. Isso porque açúcar e adoçantes estão em centenas de produtos industrializados. E, no caso do adoçante, ainda existe uma pegadinha.

Continua após a publicidade

Sabe aquela lupinha que aparece na parte da frente das embalagens e que informa se o produto tem alto teor de açúcar, gordura ou sódio? Pois bem: a regra não vale para os adoçantes. O teor pode ser altíssimo, mas você só descobre ao ler com atenção a lista de ingredientes.

Não é preciso banir nenhum alimento da vida. Não abra mão do que te faz feliz, mas também não abra mão da informação.

Pesquise, questione, avalie e, então, decida. Só assim a gente sai do papel de cobaia e assume o protagonismo da saúde.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.