Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Prato de Criança Mariana Del Bosco é nutricionista expert em alimentação infantil e mãe da Alice e da Isabel. Por aqui ela traz as lições da ciência e da experiência (de casa e do consultório) para a criançada comer melhor

Beterraba é rica em ferro? Mitos e verdades sobre alimentos e anemia

Algumas ideias soam verdadeiras mas não têm respaldo científico. Colunista explica essa história a partir do caso da beterraba, que não é fonte de ferro

Por Mariana Del Bosco Atualizado em 9 jun 2021, 20h16 - Publicado em 9 jun 2021, 18h51

Muitos alimentos ou preparações são considerados vilões e outros tantos, mocinhos. Essa dicotomia é interessante e acaba rendendo algumas histórias que ficam na boca do povo. O hábito alimentar é tão influenciado pela cultura que alguns mitos da nutrição, de tanto que são reproduzidos, são tidos como verdade.

Quer fazer um teste? Se comentar por aí que precisa aumentar o consumo de ferro para prevenir ou tratar uma anemia, aposto que receberá dicas para incluir no cardápio fígado, feijões, folhas verdes, frutas cítricas… e beterraba!

Mas a beterraba, que é tão famosa pelo seu suposto teor de ferro, na verdade apresenta uma quantidade muito pequena desse mineral.

Para efeito de comparação, 100 gramas de carne têm, em média, 3 gramas de ferro. Já 100 gramas de feijão contêm 1,3 grama de ferro. E a mesma porção de beterraba possui apenas 0,2 grama de ferro.

Ao pensamos no aporte de ferro, é preciso considerar também a sua biodisponibilidade, ou seja, a capacidade de ser absorvido e aproveitado pelo organismo. O ferro de origem animal, conhecido por ferro heme (que vem de hemácia, a célula vermelha do sangue), é mais bem absorvido pelo organismo do que o ferro não-heme, que é encontrado nos alimentos de origem vegetal.

Continua após a publicidade
  • Os nutrientes da dieta combinam-se e interagem entre si, de forma que podem ajudar ou atrapalhar uns aos outros. Com relação ao ferro não-heme, sabemos que a vitamina C otimiza seu aproveitamento. Na prática, a dica de incluir frutas cítricas na refeição é realmente eficaz para prevenir e combater a anemia.

    A mais famosa dupla brasileira, arroz e feijão, também é capaz de melhorar o aproveitamento do ferro não-heme. O arroz é fonte de cisteína, um aminoácido que, por meio de reações químicas, deixa mais disponível o ferro do feijão para absorção.

    Por outro lado, algumas substâncias presentes em alimentos de origem vegetal, como os fitatos, os taninos e o ácido oxálico, possuem efeitos inibidores sobre o ferro não-heme. São fatores antinutricionais que dificultam a absorção do mineral. E a beterraba, além de ter pouco ferro, ainda apresenta oxalato, que pode atrapalhar a captação da substância pelo corpo.

    No Brasil, é comum o hábito de cozinhar o feijão com beterraba, na intenção de aumentar o aporte de ferro. Para avaliar a eficácia dessa prática, pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica de Goiás avaliaram o teor de ferro do feijão cozido com e sem a beterraba.

    Ao contrário da crença popular, o acréscimo da beterraba levou a uma tendência de diminuição do ferro, ao se comparar com a preparação pura. Curioso, né? Esse achado não visa desestimular o consumo da beterraba, que é um ótimo alimento, mas nos faz pensar que a variedade da dieta é o caminho mais eficaz para obter todos os nutrientes de que o corpo precisa.

    Fica a dica também para que não usemos nenhuma tática de esconder alimentos nas preparações das crianças mais seletivas. A confiança mútua é uma das estratégias para dividirmos as responsabilidades quando precisamos ampliar o repertório alimentar. Mas isso é assunto pra outra coluna.

    Continua após a publicidade
    Publicidade