Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Menos açúcar pelo bem do fígado dos jovens

Estudo revela que adolescentes com gordura no órgão apresentam melhora ao reduzir o ingrediente na rotina

Por Maria Tereza Santos - Atualizado em 8 jul 2019, 16h16 - Publicado em 18 Maio 2019, 10h35

O ganho de peso tem gerado vários problemas que, antes, eram típicos de adultos, como a esteatose hepática não alcoólica — a gordura no fígado. Pois cientistas americanos recrutaram 40 meninos de 11 a 16 anos com o quadro para observar, em metade deles, qual o impacto de retirar do cardápio diário 3% de açúcar, incluindo aí o de bebidas e alimentos industrializados.

“Em excesso, o açúcar vai para o fígado, onde se transforma em gordura”, justifica a médica Gilda Porta, da Sociedade Brasileira de Pediatria. Em oito semanas, cortar o doce fez a gordura no órgão diminuir mais de 6%.

Gilda alerta que, se a alimentação não for ajustada, uma cirrose pode surgir no futuro. Melhor rever o menu da casa, né?

Como flagrar um fígado gordinho

A esteatose hepática não alcoólica nem sempre deixa rastros. Um jeito de desconfiar da situação é quando a criança tem uma dieta desequilibrada — cheia de refri, fast-food e guloseimas. Estar acima do peso é outro indicativo.

Continua após a publicidade

Segundo Gilda Porta, o diabetes tipo 1 também favorece o quadro. É preciso acompanhar.

Publicidade