Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fermentação (cada vez mais) natural

O levain furou a bolha das padarias artesanais e chegou à indústria e à casa das pessoas. Botamos a mão na massa e apuramos se ele rende pães mais saudáveis

Por Cintia Oliveira 20 Maio 2022, 14h17

Quando se nota, através do pote de vidro, o surgimento das primeiras bolhas de ar na mistura de farinha de trigo e água iniciada dias antes, é sinal de que a fermentação natural já começou.

Leveduras e bactérias, as estrelas desse processo bioquímico, já estão a pleno vapor, multiplicando-se e alimentando-se dos açúcares da farinha, que são transformados em ácidos, álcool e gás carbônico, essenciais para dar sabor e fazer o pão crescer.

As cenas desse filme são cada vez mais vistas e dirigidas nos lares dos brasileiros — e nas padarias e na indústria alimentícia. Afinal, a fermentação natural renasceu feito um fenômeno pop nos últimos anos, conquistando pessoas que buscam receitas mais saborosas e saudáveis e querem botar a mão na massa.

“Nesse tipo de fermentação, ácidos como o lático e o acético, que marcam presença também em produtos como iogurte e vinagre, proporcionam propriedades sensoriais únicas ao pão”, explica o nutricionista Igor Ucella, doutor em ciência dos alimentos pela Universidade de São Paulo (USP).

Embora os astros microscópicos sumam de cena depois que o pão é assado, sua passagem deixa benefícios à saúde dos fãs. Durante o longo processo de fermentação natural, as leveduras e bactérias do levain, como o fermento é conhecido entre chefs e iniciados, digerem o glúten, a proteína presente na farinha de trigo que faz a receita vingar.

Isso facilita a vida do nosso aparelho digestivo e o equilíbrio dos níveis de açúcar no sangue. “Alguns estudos apontam que as massas fermentadas oferecem um índice glicêmico menor que o das tradicionais, ou seja, com elas diminui um pouco a velocidade de absorção dos carboidratos”, conta a nutricionista Maristela Strufaldi, mestre em ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Se o pão for à base de farinhas integrais, então, melhor ainda. “Além de vitaminas do complexo B, elas fornecem fibras, importantes para a saúde intestinal e, por sua relação com o resto do organismo, para a imunidade e o bem-estar mental”, justifica a profissional.

Segundo Ucella, a fermentação natural ainda tende a tornar proteínas menos alergênicas e degradar os chamados FODMAPs, compostos de certos vegetais que são mal absorvidos e podem causar desconfortos digestivos em algumas pessoas.

“Ao serem fermentadas pela microbiota intestinal, essas substâncias desencadeiam sintomas associados à síndrome do intestino irritável”, esclarece o nutricionista.

Outra vantagem dos pães feitos com levain é a maior resistência ao mofo. “Isso não representa um ganho nutricional direto, mas permite que o alimento tenha maior durabilidade sem a necessidade de aditivos, como os frequentemente utilizados pela indústria”, destaca Ucella.

Essa lista de diferenciais, somada a uma pegada sustentável e ao fator pandemia, fez com que o segmento da fermentação natural, que já vinha em ascensão, encorpasse de vez no Brasil — tanto é que, nas buscas no Google por receitas, “pão caseiro” foi o termo mais procurado em 2020.

Levain, fermento, massa madre…

O fermento natural atende por vários nomes pelo mundo. É conhecido como levain na França, massa madre na Espanha, sourdough nos Estados Unidos e levito madre na Itália.

Trata-se de um conjunto de micro-organismos que se alimentam dos açúcares da farinha e os transformam em gás carbônico, álcool e ácidos lático e acético.

Com essa mistura, o pão cresce, fica aerado e ganha sabores e aromas pronunciados. Ainda que a fermentação natural seja cada vez mais utilizada pelo mercado da panificação, a maioria dos pães vendidos em padarias e supermercados não é feita com ela — imperam os fermentos biológicos e químicos.

+ LEIA TAMBÉM: Hábito de fazer pão em casa se consagra após isolamento imposto pela Covid-19 

O natural é pop

De fato, a “pãodemia” fez muita gente conhecer o levain. “Junto às pessoas que descobriram o assunto, veio um contingente que já tinha noção do tema, mas que não havia encontrado tempo para começar a praticar”, nota o jornalista Luiz Américo Camargo, autor dos livros Pão Nosso e Direto ao Pão, ambos publicados pelo selo Panelinha, da editora Senac.

No auge da crise da Covid-19, ele criou um podcast, disponível em plataformas como o Spotify, em que compartilha receitas e macetes. “Fiz isso para tentar ajudar quem estava confinado em casa. Pensei muito nos solitários, que poderiam ouvir uma voz humana que os ajudasse na cozinha”, diz Camargo.

Embora a fermentação natural tenha ganhado destaque nestes últimos anos, principalmente pelas redes sociais — recheadas de fotos de belos pães acompanhadas das hashtags do movimento —, esse é o jeito mais antigo de fazer a massa.

E foi o único, diga-se, desde 4 mil anos antes de Cristo até meados do século 19, quando surgiu o fermento biológico comercial. Só que, até uma década atrás, Camargo lembra que o levain era encarado como uma “novidade” pelo grande público.

“Durante muito tempo, a fermentação natural no Brasil ficou restrita a um círculo pequeno de padarias, como a Basilicata e a São Domingos [ambas na capital paulista], que trabalham com esse método há mais de um século”, conta o jornalista.

A disseminação da cultura dos produtos artesanais, a preocupação com a origem dos ingredientes e a busca por uma alimentação balanceada impulsionaram o mercado de pães de fermentação natural. “A partir daí, criou-se uma oportunidade de expansão de negócios e a consolidação de um mercado. Ainda é um nicho, mas segue ampliando limites”, afirma o autor de Pão Nosso.

foto de fermentação natural com quadros de texto sobre tipos de fermento
Foto: GI/Getty Images

Na grande indústria

A expansão envolve os profissionais e a indústria da panificação, que estão de olho na tendência. “Hoje, nosso curso de fermentação natural é o mais procurado por padeiros e empresários”, revela o professor Fabio Bruno, do Instituto do Desenvolvimento de Panificação e Confeitaria (IDPC), que faz parte do Sindicato dos Industriais de Panificação e Confeitaria de São Paulo.

As padarias convencionais também já estão pegando carona no fenômeno. “Os donos dos estabelecimentos notaram que, apesar de o pão de fermentação natural demorar mais tempo para ficar pronto, com ele é possível lucrar até 200% a mais em comparação a um pão feito com fermento biológico”, diz Bruno.

A grande indústria tampouco fica de fora. A Wickbold, por exemplo, lançou uma linha de pães de fermentação natural em 2019 e ela é, atualmente, líder de vendas da marca. “Em uma de nossas pesquisas, percebemos que havia nos consumidores um desejo crescente por itens mais naturais, elaborados com menos ingredientes”, relata a gerente-executiva de marketing e P&D da Wickbold, Luciana Rangel do Carmo.

O produto leva 36 horas para ficar pronto, e um dos desafios a serem superados foi tentar reproduzir as características de um pão artesanal. “Sugerimos inclusive colocar nosso pão no forno por cinco minutos antes de consumir. A casca ficará crocante”, assegura Luciana.

Mas a fermentação natural não tem nada de novo para algumas empresas, caso da Bauducco. Ela é reconhecida por utilizar uma massa madre vinda da Itália com mais de 70 anos de história na produção de seus panetones e colombas. A fábrica, em Extrema, no sul de Minas, conta com um espaço chamado “berçário”, onde o fermento natural é mantido sob as condições ideais e alimentado todos os dias, o ano inteiro.

“O processo é muito similar ao artesanal. A diferença é que, na indústria, a gente consegue acompanhar melhor, fazendo controles de temperatura e de umidade mais precisos, além de análises físico-químicas constantes do fermento. Tudo para garantir sempre o padrão de qualidade”, afirma Juliana Corá, grouper de marketing da Bauducco.

Dois anos atrás, a companhia lançou sua linha de pães de fôrma com fermentação natural. “O produto vem evoluindo em termos de venda. Em 2021, houve um crescimento expressivo de 70%”, conta a executiva.

Atenta à demanda, uma ala da indústria tem desenvolvido tecnologias para acelerar o processo de fermentação natural. É o caso da belga Puratos, que, em meados dos anos 1990, desenvolveu um levain instantâneo e patenteado.

Continua após a publicidade

A matéria-prima promete um pão com os mesmos sabores e aromas dos artesanais, mas em bem menos tempo. “A fermentação natural é algo complexo e difícil de escalonar. Quando você tem uma solução como essa, que tem equilíbrio entre os ácidos lático e acético, fica mais fácil manter o sabor e o padrão do produto”, explica o padeiro alemão Johannes Roos, técnico-chefe do Centro de Inovação da marca B2B.

Com o objetivo de mapear o universo da fermentação natural no mundo inteiro, desde 2013 a empresa mantém a Biblioteca da Massa Madre, em Sankt Vith, na Bélgica. O espaço reúne 105 exemplares de levain, e quatro deles são brasileiros, mais precisamente das padarias Cepam, Basilicata, Benjamin e Brico Bread, todas de São Paulo.

Os fermentos passam por análises, e, até agora, foram identificados mais de 1 300 micro-organismos envolvidos. “É como se fosse uma biblioteca com os livros mais raros do mundo”, compara Roos. Dá até para fazer uma visita virtual pelo site.

De acordo com o diretor de marketing de panificação da Puratos, Rafael Fini, as perspectivas para o setor no Brasil são bem positivas. “Quando a gente analisa mercados mais maduros, como a Itália e a França, a fermentação natural já é uma realidade. A expectativa é que o mercado nacional siga nessa direção”, acredita.

Juliana, grouper da Bauducco, concorda e acrescenta: “Enxergamos um mercado muito promissor para a fermentação natural. No futuro, pretendemos levá-la para outras categorias de produtos”.

Na Puratos, fora o fermento natural de ação instantânea, o O-tentic, de uso mais consolidado no exterior, uma das apostas para o futuro é o desenvolvimento de um levain rico em fibras que promete benefícios à saúde intestinal.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Feito em casa

Quem também cresce é a turma que decide cultivar o levain na própria cozinha — e hoje existem cursos e redes que ajudam a ensinar as técnicas e a obter o básico para o preparo. Praticamente todas as receitas de pão podem ser elaboradas com fermento natural.

O primeiro passo é calcular a quantidade de levain na massa. Camargo costuma usar em torno de 30% do fermento para a quantidade de farinha de trigo. “Esse percentual permite uma boa evolução da massa num tempo razoável. Mas não existe verdade absoluta, vai variar conforme a receita”, diz o jornalista expert em panificação.

Além da proporção dos ingredientes, o tempo de fermentação influencia o resultado. Aliás, é aí que o fermento biológico e o levain se mostram diferentes. Enquanto a versão industrializada leva à produção de pães num piscar de olhos, o fermento natural necessita de no mínimo 12 horas para fazer efeito.

“A massa necessita de um longo período de maturação para que as enzimas presentes no trigo realizem o processo de quebra do glúten”, explica o professor Bruno, do IDPC. Aliás, vale ressaltar que o fermento biológico está longe de ser um vilão para o paladar e a saúde. Só tem que tomar cuidado com a quantidade.

“O máximo que se usa de fermento comercial é a proporção de 2% em relação à quantidade de farinha de trigo. E, com a fermentação mais longa, é possível desenvolver sabores e melhorar a digestibilidade do pão, mesmo com o fermento comercial”, esclarece Rogério Shimura, que comanda a escola de panificação Levain, na capital paulista.

Depois que o pão sai do forno, a vontade é cortar uma fatia e besuntá-la com uma camada generosa de manteiga. É uma delícia, mas convém exercer a moderação com esse tipo de acompanhamento. Maristela pede atenção sobretudo às fontes de gordura saturada, que estão na própria manteiga, nos queijos amarelos e nos frios.

Um par mais saudável para o pão é o azeite de oliva, que oferta gordura de boa qualidade. E, na família dos lácteos, cottage, ricota e minas frescal são opções mais equilibradas. “Se a pessoa não tem nenhum problema com o colesterol, dá para incluir queijos artesanais como o minas padrão e o canastra, desde que sem exagero”, diz a nutricionista.

Então, mão na massa, essa arte que, muito antes do produto final, já tem efeitos terapêuticos.

foto de pão artesanal cortado ao meio
Foto: GI/Getty Images

+ LEIA TAMBÉM: O fenômeno dos alimentos plant-based

O diário do levain

Você pode fazer o seu. Testamos uma receita fornecida pelo jornalista e expert em panificação Luiz Américo Camargo no livro Pão Nosso

1ª etapa (48 horas)
Bata um fruto como o abacaxi no liquidificador, coe e retire 60 ml do suco obtido. Misture com 50 g de farinha de trigo integral. Coloque a mistura em um pote de vidro esterilizado, coberto com um pano para que a mistura entre em contato com o ar. Mexa de duas a três vezes ao dia.

2ª etapa (48 horas)
Dois dias depois, a mistura do cereal com o fruto resulta em um aroma adocicado e surgem algumas bolhas. Adicione 30 g de farinha de trigo integral e 20 ml do sumo batido e coado do abacaxi. Misture de duas a três vezes ao dia e espere mais um tempo.

3ª etapa (24 horas)
As bolhas surgem com força total e deixam a mistura aerada. O aroma frutado sai de cena e entra o odor ácido. A mistura começa a dobrar de volume. Agora adicione 50 g de farinha integral com 30 ml de água filtrada e aguarde mais um dia.

4ª etapa (24 horas)
O aroma ácido já tomou conta do pedaço e o preparo segue dobrando de volume. É hora de dar adeus à metade da mistura e, no restante, juntar 75 g de farinha de trigo integral e 30 ml de água. O resultado vai ser uma bola ressecada e esquisita. É assim mesmo, e aguarde mais 24 horas.

5ª etapa (16 horas)
Separe 100 g da massa obtida, coloque 300 g de farinha e 200 ml de água e deixe descansar 5 minutos. Mexa com as mãos por 1 minuto. Transfira para um pote maior, cubra com plástico e espere de 4 a 8 horas. Quando dobrar de volume, misture e leve à geladeira por 8 horas.

6ª etapa (8 horas)
Retire a mistura da geladeira, separe somente 100 g dela e a alimente conforme a etapa anterior. Depois de 4 a 8 horas de descanso no ambiente, o fermento natural está pronto! Já pode utilizá-lo nas receitas de pães ou guardá-lo na geladeira para usar em outro momento.

Compartilhe essa matéria via:

Como manter seu fermento natural

Ele precisa ser cultivado. Aprenda a alimentar e conservar seu levain em casa

No momento do uso
O fermento natural deve ficar guardado na geladeira, e, ao utilizá–lo, retire só uma parte, misture com o dobro do peso de água e o triplo do peso de farinha. Deixe descansar por cerca de quatro horas no ambiente até o fermento aumentar de volume e ficar aerado.

Sob refrigeração
A geladeira é um local que pode oferecer contaminação cruzada. Por isso, vale deixar o levain em um pote plástico bem fechado e sempre higienizá-lo. Resquícios de fermento que ficam ressecados no recipiente
sempre devem ser retirados.

A alimentação
Uma vez por semana ou a cada dez dias, coloque água e farinha de trigo na mesma proporção mencionada no seu levain. Se esquecer na geladeira, ele pode ficar extremamente ácido e com uma camada escura. Mas dá para tirar a parte de cima e ressuscitar o fermento.

Nas receitas
Uma dica de Luiz Américo Camargo é calcular 30% de fermento natural para a quantidade de farinha de trigo utilizada. Mas essa medida pode variar conforme a receita. Lembre-se de sempre deixar a cozinha e os utensílios higienizados e se reinvente nos pães.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)