Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Algas no prato: elas são fontes de fibras e ainda têm ação antioxidante

O ingrediente já está presente na dieta do brasileiro, mas poucos conhecem sua importância para a saúde

Por Priscila Carvalho, da Agência Einstein* 6 jan 2022, 17h23

Presentes nos sushis, pokes e outros pratos associados à culinária oriental, as algas ganharam espaço também na cozinha brasileira. Gelatinas e smoothies, por exemplo, podem contar com o ingrediente extra e os benefícios incluem maior proteção à pele e ao sistema imunológico, de acordo com Marcella Garcez, nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Segundo a especialista, as algas são fonte de fibras e possuem ação antioxidante – capazes de proteger as células contra os efeitos dos radicais livres produzidos pelo organismo, e que são responsáveis pelo envelhecimento precoce e o desenvolvimento de algumas doenças.

Além disso, o alimento também atua no processo digestivo e mesmo na prevenção de doenças metabólicas.

Quanto comer?

Garcez explica que não há uma recomendação diária para o consumo das algas. No Japão, porém, elas representam 10% da dieta da população, segundo a especialista.

“Por aqui, elas podem ser consideradas mais uma fonte vegetal com propriedades e benefícios específicos”, ressalta.

Algas nutritivas

Os nutrientes encontrados nas algas são vários, e os principais são:

Vitaminas do complexo B: responsáveis pela manutenção de diferentes sistemas, como o circulatório, nervoso e imunológico.
Vitamina C: cuida da síntese do colágeno e é também antioxidante.
Betacaroteno: pigmento natural e, quando ingerimos, é convertido em vitamina A, que cuida da visão, tecidos epiteliais e a imunidade.
Ômega-3: gordura poli-insaturada, com ação na concentração, reflexos e memória.
Ômega-6: encontrado também nos óleos de girassol e canola, auxilia no desenvolvimento celular.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Tipos consumidos na cozinha brasileira e onde encontrar

Nori: bem comum no preparo de temakis e outros pratos da culinária oriental, ela é rica em iodo (importante para tireoide) e possui uma boa quantidade de proteínas e fibras.

Ágar-ágar: é usada para fazer gelatinas, geleias e balas de goma. É rica em fibras, polifenóis e carotenoides.

Chlorella: é uma microalga, mais usada em smoothies, vitaminas e shots. É rica em minerais, proteínas e vitaminas como ferro, biotina e zinco. Conhecida por ser um dos alimentos com grande quantidade de clorofila, com ação antioxidante.

Spirulina: é uma cianobactéria com proteína de alta biodisponibilidade, que apresenta um excelente efeito antioxidante e anti-inflamatório por ter na composição vitaminas e minerais, como vitamina K e A, cobre, manganês, magnésio e ferro.

“O efeito é ainda melhor quando consumimos a spirulina junto com a chlorela”, explica Ana Luisa Duque Vieira, nutricionista da Pineapple Medicina Integrativa.

“Para quem não gosta do sabor, uma alternativa é utilizar em cápsulas ou em pó misturadas a outros alimentos”, complementa.

*Este texto foi  publicado originalmente pela Agência Einstein.

Continua após a publicidade

Publicidade