Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sequelas da Covid-19 podem interromper o tratamento contra o câncer

Segundo estudo, homens acima dos 65 anos, ex-tabagistas e com comorbidades são os maiores candidatos a sofrer com as consequências do vírus

Por Fabiana Schiavon 7 dez 2021, 19h02

Um estudo europeu, publicado no The Lancet Oncology, constatou que a presença de sequelas após a infecção pelo coronavírus é capaz de prejudicar o andamento do tratamento contra o câncer.

Entre aqueles pacientes que ficaram debilitados por causa das consequências de ação do vírus, 15% tiveram que interromper o tratamento, o que aumentou o risco de morte, e 38% passaram por adaptações em suas terapias.

A observação ocorreu em hospitais da Bélgica, França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido ao longo de um ano.

“Dos 2 634 pacientes avaliados, 15% tiveram sequelas, sendo que quase 50% sofreram de problemas respiratórios, e 41% sentiram fadiga. A chance de padecer das consequências da Covid foi maior em homens com mais de 65 anos, com histórico de tabagismo e comorbidades”, descreve Fernando Maluf, diretor do Serviço de Oncologia Clínica do Hospital BP Mirante de São Paulo e fundador do Instituto Vencer o Câncer.

+ LEIA TAMBÉM: Mortes por câncer devem subir no mundo por causa do coronavírus

A descoberta serve de alerta para que médicos busquem novas estratégias de tratamento da Covid-19 para pessoas com câncer.

“Esse é o primeiro estudo apontando que os infectados pelo coronavírus de forma mais grave precisam ter uma reabilitação respiratória [por meio da fisioterapia] extremamente precoce para reduzir o risco de sequelas”, exemplifica o oncologista.

O estudo não conseguiu avaliar se ocorreram menos sequelas entre indivíduos com câncer após a vacinação contra a Covid-19, porque ele foi encerrado em fevereiro deste ano, quando a imunização global ainda estava no início.

Continua após a publicidade

Quarentena também atrapalhou diagnóstico e prevenção

O isolamento necessário para conter a pandemia do coronavírus reduziu o acesso de pessoas com câncer aos seus tratamentos.

Ainda no ano passado, pesquisadores da University College London checaram dados de hospitais e descobriram uma redução de 76% nos encaminhamentos urgentes de pessoas com suspeita de ter um tumor. Houve também uma queda de 60% nos agendamentos de quimioterapia em comparação a um período anterior à disseminação do coronavírus.

Esse atraso no tratamento poderia levar, em um ano, a 6 270 mortes adicionais entre pacientes com novo diagnóstico de câncer na Inglaterra — um aumento de aproximadamente 20%. Ao incluir na conta as pessoas que já enfrentam um tumor, o número de óbitos adicionais saltaria para 17 915.

+ LEIA TAMBÉM: Covid-19: quem tem câncer deve tomar a vacina?

A prevenção também ficou de lado nesse período. Nos Estados Unidos, a empresa Epic, fabricante de registros médicos eletrônicos, notou que as consultas para exames de câncer de colo de útero, cólon e câncer de mama despencaram entre 86 e 94% em março — levando em conta os agendamentos ocorridos nos três anos anteriores ao primeiro caso de Covid-19 confirmado no país.

No Brasil, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) conduziu um levantamento com a participação de 30 ONGs associadas. Por meio de um comunicado enviado à imprensa, a entidade relatou que em 25 cidades — sendo 12 capitais —, as maiores queixas das pacientes foram cancelamento de consultas (32,3%) e de cirurgias (22,6%), além da falta de data disponível para exames de diagnóstico (16,1%).

No ápice da pandemia, em 2020, as sociedades brasileiras de Patologia e Cirurgia Oncológica calcularam que, entre março e maio, 50 mil diagnósticos deixaram de ser feitos no país. É uma cifra que pode ser ainda maior, se considerarmos a projeção do Instituto Nacional de Câncer (Inca) de 600 mil novos casos da doença por ano.

A situação preocupa os especialistas, que estão prevendo um aumento no número de mortes por câncer no mundo inteiro devido ao coronavírus.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)