Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Número de brasileiros com diabetes aumentou 31% nos últimos dois anos

No Dia Mundial do Diabetes, uma entidade divulga levantamento inédito sobre a doença feito em 138 países. E os dados do Brasil são especialmente negativos

Por Maria Tereza Santos 14 nov 2019, 11h59

Foi divulgado, em homenagem ao Dia Mundial do Diabetes (14 de novembro), a nona edição do Atlas de Diabetes. O documento, produzido a cada dois anos pela Federação Internacional de Diabetes (IDF, na sigla em inglês), mapeia a dimensão da doença em 138 países. Infelizmente, os resultados não são muito animadores, especialmente no Brasil.

“A principal informação que o Atlas traz é um crescimento importante da doença, principalmente aqui”, comenta o endocrinologista Laércio Joel Franco, professor da Universidade de São Paulo (USP) que participou do comitê organizador do levantamento.

A pesquisa calcula que, atualmente, 463 milhões de pessoas entre 20 e 79 anos no mundo possuem diabetes, 38 milhões a mais em comparação com 2017. O tipo 2 — versão muito associada a um estilo de vida não saudável — é responsável por quase 90% dos casos.

Nesse ritmo, a IDF calcula que, em 2030, serão 578 milhões de diabéticos no mundo e, em 2045, 700 milhões

Franco lembra que essas estimativas se baseiam em indivíduos já diagnosticados. No entanto, há muita gente por aí com essa encrenca e nem sabe — em outras palavras, os números reais podem ser maiores.

“A questão é que, sem diagnóstico, as pessoas não se cuidam. Futuramente, elas podem ter complicações graves”, alerta o endocrinologista. Para quem não sabe, o diabetes é caracterizado por níveis elevados de açúcar no sangue, e causa de infarto a amputações.

A situação no Brasil

Em relação ao último Atlas, nosso país teve um crescimento de 31% na população com diabetes. A título de comparação, no resto do mundo essa taxa ficou em 9%. Nesse quesito, perdemos apenas para China, Índia, Estados Unidos e Paquistão.

Continua após a publicidade

Atualmente, 11,4% dos adultos brasileiros sofrem com a glicemia alta. Franco conta que, nas últimas décadas, houve um aumento na incidência do problema nas nações de baixa e média renda, que estão se desenvolvendo agora. “Isso ocorre porque as pessoas estão vivendo mais, mudando os hábitos e engordando”, explica.

Já os países desenvolvidos passaram por esse fenômeno décadas atrás. “Na Europa, o diabetes está quase se estabilizando”, exemplifica Franco. Por outro lado, a América Central e a do Sul estão numa curva ascendente.

Outro ponto que chama a atenção está relacionado ao diabetes tipo 1. Hoje, o Brasil sedia a terceira maior população de crianças e adolescentes no mundo (95 800 jovens abaixo dos 20 anos) com essa versão da doença, marcada por um ataque do próprio sistema imunológico ao pâncreas. Estados Unidos e Índia ficaram em primeiro e segundo lugar, respectivamente.

Apesar do aumento, o especialista não acredita que haja maior risco de desenvolver essa modalidade de diabetes por aqui. “O que realmente preocupa é o fato de o tipo 2 estar surgindo nas idades mais baixas, em geral por excesso de peso. Isso é algo que pode ser evitado”, opina.

O Atlas também mostra que 24,2% do gasto com saúde pública no nosso país está relacionado à enfermidade. Aqui, cada diabético custa, em média, 3 117 dólares por ano. São aproximadamente 13 mil reais, no câmbio do dia 14 de novembro de 2019.

“É um problema que consome uma parcela considerável da renda pública. Se ele não for tratado direito, os portadores vão apresentar complicações e, com isso, buscarão mais o sistema de saúde”, analisa Franco.

Para controlar e mesmo prevenir o diabetes, é fundamental ajustar a alimentação, fazer exercício físico e adotar um estilo de vida mais saudável como um todo. “Essa é uma mensagem importante para a população. É uma doença silenciosa e os fatores de risco estão cada vez mais presentes em nosso meio”, conclui Franco.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês