Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Novo posicionamento explica o elo entre obesidade e câncer

O documento chama a atenção para a epidemia de excesso de peso registrada no Brasil

Por Ana Luísa Moraes
Atualizado em 14 fev 2020, 18h25 - Publicado em 4 ago 2017, 19h10

Em 2017, a previsão é que 600 mil novos casos de câncer sejam diagnosticados entre os brasileiros. Desses, aproximadamente 78 mil são atribuídos ao sobrepeso e à obesidade, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). A situação é tão séria que o Instituto Nacional de Câncer (Inca), decidiu aproveitar o Dia Nacional da Saúde para fazer uma declaração sobre o tema, que é tratado como prioridade em sua agenda.

Infelizmente, essa preocupação não é exagerada. No ano de 1970, em torno de 24% da população adulta do país apresentava excesso de peso corporal. Já em 2012, a taxa avançou para 56,9% das pessoas acima de 18 anos, o que corresponde a 82 milhões de indivíduos – é muita gente.

Curioso para saber de onde veio esse crescimento? O relatório coloca como principais culpados a prática insuficiente de atividade física e o elevado consumo de alimentos com alto teor de gordura saturada e trans, sal, e açúcar livre – ele é usado pela indústria nos alimentos e nas bebidas, adicionado pelo consumidores à preparação de receitas e está naturalmente em xaropes, mel e sucos.

 

 

Uma dieta baseada em comidas processadas e fast food aumenta o risco de pelo menos 13 tipos de tumores: de esôfago, estômago, pâncreas, vesícula biliar, fígado, intestino (cólon e reto), rins, mama, ovário, endométrio, meningioma, tireoide e mieloma múltiplo. A associação também é provável quando a doença se manifesta em próstata e mama (homens) e no linfoma difuso de grandes células B (o tipo mais comum de linfoma não Hodgkin).

Continua após a publicidade

Por fim, o Inca diz apoiar intervenções já recomendadas pela OMS para a diminuição do problema (ou para evitar que ele tome dimensões ainda maiores). Intensificar os impostos sobre bebidas açucaradas, restringir o oferecimento de alimentos não saudáveis nas escolas, regular a publicidade infantil e deixar as informações mais explícitas e compreensíveis nos rótulos são algumas das interferências sugeridas pelos órgãos. Resta saber quando (e se) elas serão aplicadas.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.