Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A jornada do paciente com câncer de pulmão

O tumor que mais mata no Brasil apresenta vários desafios, desde o diagnóstico até o tratamento. Saiba mais sobre essas etapas

Por Maria Tereza Santos
Atualizado em 15 mar 2021, 12h58 - Publicado em 3 dez 2020, 18h18

O câncer de pulmão é o tumor mais incidente e que provoca mais mortes no mundo. No Brasil, ele só perde para o de pele não-melanoma em número de casos, mas também é o mais mortal, segundo informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

O que agrava a situação é que ele normalmente só é diagnosticado quando já está em fase avançada. De acordo com o Radar do Câncer, levantamento encomendado pelo Instituto Oncoguia, 86,2% dos pacientes tiveram o tumor detectado nos estágios III e IV em 2016.

As dificuldades para realizar o diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento foram temas discutido por vários especialistas no 3º Fórum de Câncer de Pulmão, evento online organizado pelo Oncoguia.

A seguir, saiba mais sobre cada etapa, desde o aparecimento dos sintomas até o início do tratamento.

Quais os sintomas do câncer de pulmão

Os sinais clássicos desse tumor podem se manifestar juntos ou isoladamente. São eles:

● Rouquidão sem melhora
● Tosse persistente seca ou acompanhada de escarro ou de hemoptise (escarro com sangue)
● Falta de ar
● Dor torácica ou nas costelas
● Pneumonias de repetição
Fadiga crônica
● Falta de apetite e emagrecimento

Continua após a publicidade

A dificuldade: quando os sintomas aparecem, a doença já se encontra avançada. “Por isso dizemos que ela é silenciosa em seu início”, informa o oncologista clínico Fernando Moura, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e membro do comitê científico do Oncoguia.

Como é feito o diagnóstico

Independentemente do estágio do câncer, é necessária a ação em conjunto de várias especialidades médicas para detectá-lo. “Em geral, após os médicos suspeitarem da doença, seja por uma evidência clínica durante uma consulta ou por um exame de imagem alterado, é preciso fazer uma biópsia”, informa Moura.

A biópsia pode ser guiada por uma tomografia, que irá orientar o percurso da agulha até a lesão suspeita, por broncoscopia — uma espécie de “endoscopia” das vias aéreas — ou por cirurgia.

Em seguida, o material coletado é analisado por um médico patologista. Essa verificação é chamada de exame anatomopatológico e acontece em laboratório. É a única forma de confirmar o diagnóstico.

“Quando o teste de imagem é muito suspeito para malignidade, às vezes o cirurgião torácico indica a cirurgia imediata, dispensando a realização de uma biópsia”, acrescenta o oncologista.

Continua após a publicidade

As pessoas com a doença em fase metastática (o termo significa que ela se espalhou para outros órgãos) também têm que fazer o exame molecular com o material da biópsia.

“Ele avalia mutações, rearranjos de genes, entre outros, bem como a expressão de uma proteína denominada PD-L1”, explica o profissional. Dessa forma, é possível definir o tipo do tratamento e o medicamento que será utilizado com mais precisão.

A dificuldade: o problema começa pela demora em fechar o diagnóstico. Uma pesquisa do Oncoguia, de 2019, mostrou que 39% dos 202 respondentes precisaram consultar dois especialistas e 37%, mais de três.

“No âmbito do Sistema Único de Saúde, o SUS, há dificuldades de acesso fora dos grandes centros aos profissionais especializados, a exemplo de cirurgiões torácicos, patologistas focados em câncer de pulmão, pneumologistas e radio-oncologistas”, pontua a psico-oncologista Luciana Holtz, presidente do Oncoguia. Além disso, o teste molecular não está disponível na rede pública.

A escolha do tratamento

Moura conta que, para definir a terapia, os tumores de pulmão são classificados em três grupos: inicial, localmente avançado e metastático.

Continua após a publicidade

Os tumores iniciais em geral são tratados com cirurgia. Dependendo de tamanho, fragilidade e comprometimento dos gânglios linfáticos, também é necessário recorrer à quimio ou à radioterapia pós-operatória.

Já os localmente avançados podem ser cuidados com duas abordagens. Uma é a quimioterapia pré-operatória seguida de cirurgia. A outra é uma combinação de radio e quimioterapia associada à imunoterapia durante um ano. “A decisão entre uma ou outra estratégia depende de condições do paciente”, relata o especialista.

Por fim, para os metastáticos, quando há mutação ou rearranjo de genes detectados no exame molecular, recomenda-se terapia-alvo, que mira em moléculas específicas do câncer – em geral são utilizados comprimidos.

A dificuldade: as limitações atingem os três grupos. No caso dos tumores iniciais, o problema mora na falta de vagas para fazer a cirurgia no SUS. “E há concentração desse serviço nos grandes centros urbanos, limitando o acesso nas áreas remotas do país”, lamenta Moura. Para os localmente avançados, a adversidade é a falta de cobertura da imunoterapia pela rede pública.

E, em relação aos metastáticos, a situação é ainda pior. Primeiro porque nem todas as mutações têm tratamento. “Além disso, tanto o SUS como a saúde suplementar não cobrem todos os que são conhecidos”, complementa o expert.

Continua após a publicidade

Em algumas mutações, a imunoterapia consegue substituir a terapia-alvo — de forma isolada ou associada à quimio. Porém, voltamos ao problema inicial da indisponibilidade na rede pública.

“Com isso, há uma desproporção inaceitável entre o que é coberto pelos planos de saúde e pela rede pública. E essas limitações impactam no tempo de sobrevivência”, comenta Luciana.

As pessoas atendidas na rede pública sofrem ainda com o eventual descumprimento da Lei dos 60 dias — ela define um prazo de até 60 dias, contados a partir do diagnóstico, para que o tratamento seja iniciado. Em 2019, 27% dos pacientes iniciaram a terapia após esse período.

O que é necessário para diminuir a mortalidade

Uma das medidas defendidas pelos especialistas no Fórum é a criação de um programa nacional de rastreamento, como existe hoje para os cânceres de próstata e mama.

A ideia é que se recomende a realização de tomografias de tórax de baixa intensidade de dose para a população considerada de alto risco (fumantes e ex-fumantes com idade entre 55 e 75 anos).

Continua após a publicidade

“Essa estratégia, que requer alta eficiência administrativa e adesão dos indivíduos, reduz a mortalidade por câncer de pulmão, de acordo com vários estudos”, aponta a psico-oncologista.

Um deles saiu no The New England Journal of Medicine. A pesquisa foi feita com 13 195 homens e 2 594 mulheres de 50 a 74 anos. Eles se dividiram em dois grupos: um passou avaliações durante uma década, sendo que se submeteu a tomografias no primeiro, terceiro e quinto ano. O outro não foi examinado.

No fim da análise, os cientistas constataram que, entre os homens, o grupo rastreado teve uma taxa de mortalidade por tumor de pulmão 24% menor. Nas mulheres, houve redução, mas não tão significativa.

Outros pontos também são importantes para diminuir os óbitos, como melhorar o protocolo de registro de casos. No Fórum, Moura explicou que a notificação obrigatória só começou em junho de 2018 no Brasil.

“Em um cenário onde temos um diagnóstico já tardio, muitos casos nem são notificados. Isso nos impede de entender a realidade, isto é, qual a fotografia do momento no nosso país”, explica Moura. “A partir de dados mais precisos, teremos capacidade de planejar melhor os programas de rastreamento, prevenção e tratamento”, completa.

Por último, mas não menos importante, deve-se continuar prevenindo e combatendo o tabagismo — principal causa do câncer de pulmão. Apesar de as taxas terem diminuído nos últimos anos, a popularidade de cigarros eletrônicos e vapers preocupa os profissionais da saúde.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.