Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Trombose venosa é bem mais comum em quem vê TV demais

O excesso de horas em frente à televisão foi associado a casos de tromboembolismo, que causa de inchaço nas pernas à perigosa embolia pulmonar

Por Theo Ruprecht
Atualizado em 23 dez 2020, 13h05 - Publicado em 21 mar 2018, 16h55

Não são só as longas viagens de carro ou avião que promovem a formação de trombos (coágulos) nas veias. Segundo um estudo das universidades de Minnesota, Vermont e da Carolina do Norte (todas nos Estados Unidos), passar muito tempo vendo televisão quase dobra o risco do chamado tromboembolismo venoso, que pode deflagrar dor e inchaço na perna – ou uma embolia pulmonar, que pode até matar.

Os pesquisadores começaram identificando a quantidade de casos de tromboembolismo venoso entre 15 158 pessoas de 45 a 64 anos. Foram, no total, 691 episódios ao longo do experimento.

A partir daí, esses dados foram cruzados com as repostas de um questionário que, entre outras coisas, perguntava sobre a assiduidade com a qual os participantes viam televisão. Eles poderiam responder “nunca ou raramente”, “às vezes”, “frequentemente” ou “muito frequentemente”.

Pois bem: em comparação com quem quase nunca ligava o televisor, os mais aficionados pela telinha apresentaram uma probabilidade 71% maior de sofrer com trombose nas veias. É uma diferença considerável.

“Infelizmente, o estudo não permite traçar um limite máximo de TV por dia, porque não avaliou a quantidade exata de horas que as pessoas ficavam no sofá”, diz o angiologista Breno Caiafa, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV-RJ). “Mas ele alerta para a necessidade de não passarmos longos períodos imóveis em quaisquer situações do dia a dia”, completa.

Continua após a publicidade

Ou seja – e como você já deve imaginar –, não é que a televisão de alguma forma emite ondas maléficas para as veias. Longe disso. O que ela faz é nos deixar hipnotizados, sem mexer as pernas por horas a fio. E a imobilidade é um grande fator de risco para a trombose.

“O ideal é dar uma caminhadinha pelo menos a cada hora”, sugere Caiafa. “Mas, se a pessoa estiver no cinema, por exemplo, pode ao menos mexer os dedos dos pés, contrair a panturrilha e mudar a posição das pernas de tempos em tempos”, completa.

O que a trombose venosa causa

Quando o trombo se forma dentro de uma veia, ela provoca uma inflamação na região e dificulta a passagem de sangue. Com isso, surgem inchaço, vermelhidão, dor…

Continua após a publicidade

“Geralmente, esses sintomas são mais comuns nas pernas e atingem um só lado do corpo”, ensina Caiafa. A obstrução de uma veia também pode estar por trás das varizes – e vice-versa.

Entretanto, é comum que o tromboembolismo sequer apresente sinais claros. “Muitas vezes, a primeira manifestação do problema é a embolia pulmonar, que é quando o trombo se desprende e vai parar nos pulmões”, diz Caiafa. Cerca de 30% das pessoas com trombose desenvolvem esse quadro, que chega a ameaçar a vida.

Daí porque é tão importante prevenir o problema. Como? Além de mexer as pernas, beba bastante água, pare de fumar, emagreça… No fim, uma boa conversa com um médico dá conta do recado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.