saudeLOGO Created with Sketch.

Trombose: 8 mitos e verdades sobre a doença

Ela pode ser desencadeada por fatores como o uso de anticoncepcionais e até viagens longas de avião. Tire suas dúvidas sobre o problema.

1. Varizes levam à trombose

Verdade. Mas isso não é uma regra. A variz é uma veia dilatada na qual o sangue circula mais lentamente, o que favorece a coagulação. E é quando um coágulo impede o fluxo sanguíneo que ocorre a trombose. “Nem todo paciente que tem varizes vai ter trombose, mas o risco é, sim, maior”, explica o angiologista Eduardo Fávero, do Hospital Souza Aguiar, do Rio de Janeiro.

2. Só idosos têm esse problema

Mito. A trombose venosa – aquela que acomete principalmente os membros inferiores – costuma aparecer em pessoas jovens, com idades entre 20 e 40 anos. “Elas estão mais expostas a fatores de risco como uso de anticoncepcionais, pouca atividade física, gravidez e trabalhar muito tempo sentado ou em pé”, diz o cirurgião vascular Francisco Osse, do Centro Endovascular de São Paulo.

3. Pílula + cigarro dão trombose

Verdade. Essa dupla é uma bomba-relógio, já que ambos elevam o risco do problema. O anticoncepcional, por ser composto de hormônios como estrogênio e progesterona, contribui não só para a formação de coágulos, mas também para que as paredes das veias fiquem mais dilatadas (o que abre portas para as varizes). Já o cigarro contém substâncias que são pró-coagulantes.

4. A gravidez é fator de risco para a trombose

Verdade. Há três motivos principais para isso. A elevação das taxas dos hormônios femininos e o fato de o organismo da gestante desencadear uma série de reações químicas com o intuito de evitar que o bebê seja encarado como um corpo estranho aumentam a coagulação.

Além disso, o barrigão comprime a veia cava, responsável por transportar o sangue que vem das pernas para o coração. Desse modo, a circulação fica mais lenta e o sangue se acumula nos membros inferiores.

Por tudo isso, os médicos aconselham o uso de meias de compressão (que estimulam o sangue a fluir normalmente) a partir do segundo ou terceiro trimestres da gravidez. Mas lembre-se: comece a usá-las somente depois de consultar um especialista.

5. Viajar de avião aumenta o risco da doença

Verdade. Essa associação é mais séria no caso de voos longos, já que a pessoa fica sentada por muito tempo. Com isso, os vasos das pernas – que dependem de movimentação para levar o sangue de volta ao coração – não conseguem cumprir seu objetivo. E quando o líquido sanguíneo não circula, a probabilidade de trombose é maior.

Mas não pense que isso ocorre apenas em viagens aéreas. Trabalhar por longos períodos sentada ou em pé, por exemplo, também atrapalha a circulação. Por isso, além de levantar para dar uma caminhada, vale ir a um médico e perguntar se você está apta para usar meias elásticas.

6. A trombose não apresenta sintomas

Depende. Se o vaso afetado for pequeno, de fato, o problema pode passar despercebido. Agora, se a veia for profunda, dificilmente a pessoa não vai notar que algo está errado. “Os principais sintomas são dor, inchaço e sensação de peso nas pernas”, diz Francisco Osse. Algumas pessoas notam alterações na coloração da área afetada, que pode ficar mais arroxeada ou avermelhada.

Veja também

7. Não existe tratamento

Mito. A terapia contra a trombose vai depender da localização da veia afetada, do tempo que ela está obstruída e da extensão do trombo. No caso de pacientes recém-diagnosticados, dá para tratar com medicações anticoagulantes.

Algumas pessoas, porém, não podem tomar esses remédios e, aí, recorre-se ao tratamento conservador. “Esperamos até que o próprio organismo reaja criando uma circulação em volta do local obstruído”, conta Francisco Osse. Em situações mais graves, a solução é a cirurgia, que vai desentupir os vasos danificados.

8. Não dá para prevenir trombose

Mito. Adotar hábitos saudáveis, que vão combater os fatores de risco, é o caminho para evitar a trombose. Isso inclui praticar atividade física, ter uma alimentação equilibrada e não fumar. Além disso, é fundamental conhecer o seu histórico familiar, isto é, saber se outras pessoas da sua família já tiveram trombose.

E, se você notar qualquer alteração nas veias das pernas, procure um médico – aqui vale a máxima de que quanto antes o tratamento começar, melhor.

Veja também