Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pessoas com osteoporose podem (e devem) fazer exercícios

O medo de se machucar e provocar um problema ainda pior paralisa muita gente com a doença, mas a atividade física tem efeito protetor

Por Ingrid Luisa
29 mar 2023, 13h32

A osteoporose, condição marcada pela perda progressiva de massa óssea, afeta ao redor de 10 milhões de brasileiros, principalmente mulheres.

O avançar da idade e a predisposição genética estão por trás da doença, que deixa as pessoas mais sujeitas a fraturas.

Devido a essa vulnerabilidade, não é incomum ver gente com medo de treinar ou se isentar dos exercícios para prevenir pioras.

Mas, como atesta um novo consenso médico internacional, divulgado pelo British Journal of Sports Medicine, a atividade física deve ser encorajada pelo seu papel protetor aos ossos.

Continua após a publicidade

“Todas as pessoas com osteoporose podem se beneficiar dela. Existem poucas evidências de que o exercício esteja associado a danos, e os benefícios, em geral, superam os riscos”, crava o documento.

O guia detalha que a prática correta de modalidades aeróbicas e resistidas reduz o risco de queda e fratura, otimiza a resistência óssea e melhora a postura — um combo especialmente bem-vindo a quem foi diagnosticado com o problema.

A diretriz ainda pontua que o exercício é importante não só no tratamento mas também na prevenção da osteoporose.

Continua após a publicidade

+Leia Também: Por que a osteoporose atinge mais as mulheres?

O que saber antes de treinar

Incluir exercícios na agenda é vital — mas há detalhes a respeitar

  • Faça exercícios de fortalecimento
    De duas a três vezes por semana! Ter músculos fortes ajuda a resguardar os ossos e a evitar as temidas quedas.
  • Ganhe fôlego e equilíbrio
    Nos dias não dedicados à musculação, opte por atividades que trabalhem o condicionamento ou o equilíbrio.
  • Evite o que exige demais da coluna
    Nada de tentar tocar os dedos dos pés, fazer flexões ou pegar objetos pesados sem dobrar os joelhos e os quadris.
  • Peça orientação se já houve fratura
    Acompanhamento profissional é bom sempre. Nesse caso, carga leve e exercícios de menor impacto são fundamentais.
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.