Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cartilha contra as fake news na infância

Na era das notícias falsas, entidade cria manual digital e gratuito para tirar dúvidas dos pais sobre a saúde dos filhos

Por Maria Tereza Santos Atualizado em 9 ago 2019, 12h38 - Publicado em 4 ago 2019, 10h15

Para fortalecer o combate às chamadas fake news, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou, com apoio da farmacêutica Pfizer, um manual digital que esclarece as dúvidas mais recorrentes dos pais sobre o bem-estar infantil. O guia, que imita o formato de um grupo de família em um aplicativo de mensagens, foi criado a partir de perguntas coletadas nas páginas oficiais da campanha online Mais Que um Palpite.

No grupo, além dos familiares, estão um pediatra, que fala sobre vacinas, imunidade, alimentação e cuidados de rotina, e o personagem “Palpitinho”,
que representa quem espalha notícias suspeitas e achismos. Para o pediatra Renato Kfouri, presidente do Departamento de Imunizações da SBP, é importante que os médicos se adaptem à era das mídias sociais.

“A velocidade das informações é uma realidade e, hoje, as famílias as buscam nas redes”, observa. Só que nem sempre as dicas passadas nesse
espaço são confiáveis, o que pode ameaçar a integridade da criança.

Alguns exemplos de confusões que são desfeitas na cartilha

“As vacinas podem causar as doenças que tentam combater”
Feitas com partes mortas de micro-organismos, elas treinam o corpo para se defender. “Eventuais sintomas são apenas coincidência”, afirma Kfouri.

“A partir do primeiro ano de vida, o leite da mãe deixa de sustentar a criança”
Não existe leite fraco: ele se adapta de acordo com as necessidades do bebê. Se o pequeno estiver chorando muito, é mais provável que
seja por cólica ou sono.

“Não há problema em consumir açúcar na infância”
Ele afeta o desenvolvimento da microbiota e aumenta o risco de obesidade e cáries. “Por isso, a recomendação é zero açúcar até os 2 anos”,
orienta o pediatra.

“Crianças não podem fazer musculação
Esqueça a história de que ela atrapalha o crescimento. “Estudos mostram que há benefícios. Com orientação, dá para praticar antes da
puberdade”, aponta Kfouri.

“Tudo bem se o bebê dormir de bruços”
A melhor posição é de barriga para cima, sem cobertor, almofadas ou brinquedos no berço. O risco de morte súbita cai em até 70%.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês