Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Relações Simplificadas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Como anda sua saúde mental? O psicólogo e psicanalista Francisco Nogueira, membro efetivo do Departamento Formação em Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae e cocriador da consultoria Relações Simplificadas, reflete sobre as questões da mente humana para lidarmos melhor com os desafios do mundo de hoje
Continua após publicidade

A crise da masculinidade

Psicólogo analisa como culto à virilidade prejudica a saúde mental e emocional dos homens e aponta caminhos para mudar o cenário a níveis pessoais e sociais

Por Francisco Nogueira
Atualizado em 24 jan 2024, 08h51 - Publicado em 23 jan 2024, 18h10

Existe um projeto de homem, de masculinidade, ainda muito corrente na sociedade, que ousaria afirmar que deu errado. Mas, quando reflito sobre o horror da situação que vemos no mundo atual (crises econômica e climática, a volta do fascismo, guerras e por aí vai), cada vez mais vejo que esse cenário caminhou, em seu “desenvolvimento rumo ao fracasso”, junto com o desenvolvimento deste projeto de masculinidade que chamamos, hoje, de tóxica.

Projeto que hoje produz, nos homens, um risco de cometer suicídio quatro vezes maior do que as mulheres. Seis em cada dez homens afirmam enfrentar algum nível de sofrimento emocional.

Além disso, os homens são vítimas de 83% dos casos de homicídios e compõem 95% da população prisional no Brasil.

+ Leia também: Pesquisa mostra onde os homens pisam na bola com a saúde

A masculinidade de hoje é uma construção social que afasta os homens do autocuidado e dos temas da saúde mental e emocional. 

Continua após a publicidade

Nos Estados Unidos, 80% dos homens sofrem de “alexitimia”, segundo estimativa da Associação Norte Americana de Psicologia.

Ou seja, quatro em cada cinco homens daquele país sofrem de uma condição caracterizada, entre outras coisas, pela dificuldade em identificar e expressar os próprios sentimentos. 

Durante a pandemia, tive a honra de coordenar um serviço de acolhimento psicológico voluntário que realizou mais de 8 500 escutas de pessoas pelo Brasil ao longo de 18 meses de funcionamento.

Os resultados da Experiência de Escuta mostram que os homens acima dos 35 anos foram os que menos procuraram o serviço, com a ocupação de apenas 10,9% dos horários oferecidos. 

Continua após a publicidade

As mulheres, por outro lado, representaram 72% da procura. Diante dos números, é impossível não nos perguntarmos: por que os homens buscam muito menos ajuda?

A saúde mental masculina ainda é um tabu em muitos lugares e grupos. 

+ Leia também: Depressão e suicídio ainda são tabus para os homens e jovens no Brasil

Esse projeto de masculinidade não foi construído do dia para a noite. Há muitos séculos ele vem associando aos homens a ideia de poder, virilidade, agressividade e domínio

Continua após a publicidade

Nesse processo, as questões humanas que tocam o universo masculino e envolvem afetividade, saúde, relacionamentos e bem-estar foram associadas à fraqueza e acabaram embotadas.

Segundo esse projeto de masculinidade, para ser homem é preciso saber sofrer sozinho e calado, o que me parece uma péssima ideia.

São conhecidos pela psicanálise, sobretudo a partir dos estudos de Sándor Ferenczi, os casos em que aquele que sofre uma violência cria, como mecanismo psíquico de defesa, uma forma de identificação com o agressor. 

Identificada, a vítima encontra uma saída para a sua sobrevivência: transforma-se, ela própria, em perpetuadora da mesma violência que sofreu.

Continua após a publicidade

Essa armadilha inconsciente é capaz de aprisionar gerações e gerações, que repetem seus traumas até que eles possam ser ressignificados.

+ Leia também: O homem envelhece. Mas será que ele anda se cuidando?

Alcançar a ressignificação passa tanto pelo autoconhecimento, pelo preparo e pelo letramento emocional. Mas tão importante quanto isso é questionarmos posições que assumimos como dadas quando, na verdade, foram construídas. 

Quando as mulheres questionam a masculinidade, elas ajudam os homens a se perceberem ocupando um lugar que lhes foi delegado. Um lugar insustentável e, por isso, produtor e reprodutor de sofrimento. 

Continua após a publicidade

Não se trata de naturalizar a violência masculina, nem tentar justificá-la. A masculinidade tóxica é um legado traumático, que afasta os homens do cuidado com a própria saúde mental e que precisa ser curado. 

Espero viver o suficiente para ver um mundo capaz de olhar para o passado compreendendo que a masculinidade de hoje se encerra como um dos grandes traumas do mundo contemporâneo. 

Há esperança. Observamos, nos últimos anos, um crescente número de grupos de homens que se dispõem a pensar o que significa ser um homem. 

+ Leia também: Atenção, homens: ir ao médico precisa virar hábito

Esses grupos se reúnem não para reafirmar a masculinidade tóxica, mas para se livrarem dela e estabelecerem uma relação com a vida de mais identidade e cuidado. 

Se você é homem e essas questões te provocam a pensar, busque um desses grupos. Compartilho aqui o link de uma iniciativa que pode te ajudar a iniciar este percurso: Memoh.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.