Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Fim das Dietas Por Blog Antonio Lancha Jr, professor titular com mestrado, doutorado e livre docência em Nutrição pela USP e autor do livro O Fim das Dietas (Ed. Abril), indica como emagrecer sem cair em promessas furadas.

Cabeça de gordo: isso existe?

Especialista analisa a veracidade dessa conhecida expressão, considerando o impacto da ansiedade no ganho de peso

Por Antonio Herbert Lancha Jr. 4 Maio 2018, 17h33

Na semana passada, quando eu voltava da Universidade de São Paulo (USP) de metrô para casa, ouvi duas mulheres conversando. Uma disse: “Eu tenho cabeça de gordo. Mal acabo de comer e já estou pensando na próxima refeição”.

Confesso que me interessei pelo bate-papo. Ou melhor, pelo vaivém dos assuntos. De um momento para o outro, o tema migrou da comida para a resposta que daria à mãe por causa de uma briga que tiveram. Aí voltou para a vontade de comer e, num instante, caiu em uma questão de trabalho com o chefe. Sim, eu bisbilhotei um pouquinho – mas repare como a conversa sempre abordava preocupações futuras.

Aqui começamos a entender como nós confundimos a sensação de fome com a ansiedade. Aliás, a região no cérebro que identifica a necessidade de ingerir alimentos é muito próxima da que processa a ansiedade.

Assim, é fácil interpretarmos a ansiedade como fome e vice-versa. E ambas essas sensações têm a ver com preocupações futuras (“eu precisarei comer” ou “terei que resolver os problemas com minha mãe e meu chefe”).

Para entender melhor, a ansiedade apareceu pra valer quando deixamos de nos preocupar apenas com o alimento que ingeriríamos naquele dia. Foi quando o ser humano aprendeu a cultivar alimentos agrícolas, em vez de caçar animais e coletar frutas que surgiam por aí.

Antes, o nômade vivia cada dia como se fosse o último. Ele não se preocupava muito com o futuro, porque precisava caçar quase todo dia. Já a plantação de vegetais e a criação de animais em cativeiro exige planejamento. Ou seja, demanda pensar no futuro e até tentar viver nele.

Claro que ninguém consegue “viver no futuro”, porém sempre tentamos fazer isso. Está aí um grande motivo de ansiedade, que é confundida com fome.

Continua após a publicidade

Voltando para minhas colegas de metrô, a tal “cabeça de gordo” descrita por elas nada mais é do que um exercício constante da mente humana. A gente simplesmente adora vagar por hipóteses futuras, como nossos ancestrais agricultores. Em outras palavras, não existe “cabeça de gordo”, e sim uma “cabeça moderna”.

A boa notícia para quem quer melhorar sua alimentação é a de que podemos treinar nossa mente a se concentrar no presente. Isso funciona como um jogador de futebol que treina constantemente a bater faltas para marcar seus gols. Darei algumas dicas focadas na alimentação:

1) Compre os alimentos do jantar, por exemplo, em um horário perto jantar. Assim, você pode escolher itens mais frescos e pensar no cardápio. Só não vá ao mercado com muita fome, se possível.

2) Se for comer em algum restaurante, experimente um lugar diferente. Evite a monotonia e as mesmas refeições. Com frequência nos mantemos presos a opções mais conhecidas, o que nos faz perder a oportunidade de conhecer novos sabores e aromas.

3) Arrisque-se na cozinha, tente preparar algo diferente, misture temperos e ingredientes… Gastar tempo na preparação acentua nossas percepções olfativas e de paladar, intimamente ligados à sensação de saciedade.

4) Quando perceber sua mente vagando para o futuro, gentilmente traga ela para o momento presente. Lembre-se: a mente humana gosta de tentar viver o futuro, mas isso não é possível – e pode engordar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)