Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Futuro do Diabetes

Por Blog
Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista, pesquisador da USP de Ribeirão Preto e criador do Endodebate e do Diacordis. Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do diabetes
Continua após publicidade

Você tem pré-diabetes? Não se engane com esse nome

Nosso colunista tira as principais dúvidas sobre a condição, que exige tantos cuidados quanto o diabetes em si

Por Dr. Carlos Eduardo Barra Couri
Atualizado em 21 fev 2020, 16h54 - Publicado em 30 Maio 2018, 18h33

Todos sabemos quanto o diabetes deve ser bravamente prevenido e tratado. Sabemos também dos riscos que o aumento da glicose no sangue pode trazer no longo prazo. Mas uma doença melindrosa e silenciosa tem aumentado (e muito!) a sua prevalência nos últimos anos no Brasil. Esse problema já ultrapassou o próprio diabetes. Estamos falando do pré-diabetes.

A Federação Internacional de Diabetes estima que havia 14,6 milhões de brasileiros com pré-diabetes diante de 12,5 milhões de diabéticos em idade adulta no ano de 2017. Sim, o número de pré-diabéticos superou o de pessoas com diabetes em nosso país.

Para saber se você tem pré-diabetes ou diabetes, dê uma olhada na figura abaixo.

Figura pré-diabetes
O esquema mostra os limites dos principais exames para apontar os quadros de diabetes e pré-diabetes. A faixa amarela é a do pré-diabetes. (Carlos E. B. Couri/SAÚDE é Vital)

Muita gente se engana ao pensar que o pré-diabetes é uma espécie de pré-doença. Pelos estudos que temos a respeito, podemos dizer que definitivamente a condição é uma doença pra valer, que implica diversos riscos à saúde.

Pesquisas realizadas há mais de uma década apontam que a mortalidade cardiovascular dos pré-diabéticos é superior à da população em geral. Recentemente, observou-se que, a exemplo do diabetes, o quadro está associado a maior comprometimento dos rins, dos olhos e dos nervos. Sem contar que um indivíduo com pré-diabetes tem um risco bem mais elevado de se tornar diabético propriamente dito.

Tem gente que acha que, para o diabetes trazer malefícios, os níveis de glicose no sangue precisam estar nas alturas. Mas cabe destacar que mesmo pequenas elevações de glicose podem fazer grandes estragos ao longo do tempo. É um recado que se aplica bastante ao pré-diabetes.

A boa notícia é que o pré-diabetes não é uma sentença de uma vida mais curta ou com menos qualidade. Um estilo de vida saudável — com alimentação balanceada, atividade física, boas noites de sono… — é a chave para prevenir não só a condição como para evitar que ela evolua para o diabetes em si. Em alguns casos, o uso de medicamentos também pode ser considerado como estratégia coadjuvante.

Outro conselho: você sabe como estão seus níveis de glicose? Para flagrar o pré-diabetes é preciso investigá-lo. Portanto, não deixe de fazer os exames periódicos!

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.