Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Glicemia e hemoglobina glicada, os exames que flagram o diabetes

Conheça os valores de referência dos testes que acusam o excesso de açúcar em circulação

Por Chloé Pinheiro
Atualizado em 19 set 2019, 19h09 - Publicado em 14 nov 2017, 05h12

Os exames de glicemia e hemoglobina glicada medem a quantidade de glicose no sangue. E eles podem se gabar por serem os mais utilizados no diagnóstico e acompanhamento do diabetes. Que tal aproveitar o Dia Mundial do Diabetes para conhecer mais sobre ambos? Vamos lá:

Para que servem

O teste de glicemia detecta a hipo e a hiperglicemia, ou seja, quando há pouco ou muito açúcar em circulação. O segundo quadro denuncia o diabetes mesmo quando não há sintomas da doença.

Já a hemoglobina glicada também dosa a glicose, mas por meio da análise de uma porção do sangue que se liga a ela: a tal hemoglobina. Assim, consegue determinar o consumo médio de açúcar dos últimos 90 dias, que é o tempo de vida da molécula.

Como são feitos

É tudo muito simples. Na maioria das vezes, a glicemia é coletada após um jejum mínimo de oito horas (mas não pode passar de 14!). A hemoglobina glicada não precisa de jejum. Nos dois casos, uma pequena amostra de sangue é colhida e analisada no laboratório.

Agora,pacientes já diagnosticados com diabetes recorrem a medidores de glicemia no dia a dia – isso os ajuda a dosar a medicação ou a acertar o cardápio e a prática de atividade física. Via de regra, o indivíduo pica o próprio dedo e põe a gotinha de sangue em um medidor, que avisa na hora a taxa em questão. Hoje em dia, há equipamentos mais modernos, que dispensam as picadas.

Continua após a publicidade

Os resultados

A glicemia não deve passar de 100mg/dl em jejum de oito horas. Se a concentração estiver acima de 126 mg/dl, é bem provável que o diabetes já esteja instalado. A hemoglobina glicada é medida em porcentagem e tem os seguintes valores de referência:

No diagnóstico do diabetes:
Menor do que 5,7%: baixo risco de diabetes
Entre 5,7 e 6,4%: pré-diabetes
Maior ou igual a 6,5%: diagnóstico de diabetes (a ser confirmado com segunda dosagem)

No controle do diabetes:
Abaixo de 7%: sujeito a menos complicações vasculares
Maior que 7%: diabetes mal controlado

Periodicidade

A hemoglobina glicada é dosada, em geral, de três em três meses para o acompanhamento de portadores do diabetes – mas a frequência pode variar. A glicemia é pedida como parte do checkup anual a partir dos 40 anos ou antes, se a pessoa tiver histórico familiar de diabetes ou outros fatores de risco.

Continua após a publicidade

Cuidados e contraindicações

A administração de alguns medicamentos, como a insulina, pode ser suspensa antes da dosagem da glicemia. Se for o caso, ela deve ser administrada logo depois da coleta.

Fontes: Sociedade Brasileira de Diabetes e Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.