Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Vape: precisamos conter este mal

Dia Mundial sem Tabaco reacende debates sobre o consumo o produto mundo afora, em especial entre os jovens

Por Luiz Augusto Maltoni, cirurgião oncológico*
31 Maio 2023, 17h40

Este ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem como tema para o Dia Mundial sem Tabaco o mote “Cultive alimentos, não tabaco”. A campanha foca na cadeia produtiva do tabaco.

Mas além desse ponto, é importante falarmos de outra ameaça ao avanço que o país obteve no combate ao fumo: a venda indiscriminada de outras formas de consumo de tabaco, como os dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs).

A comercialização deles é proibida em nosso país. Mesmo assim, o artefato virou moda entre os jovens, a despeito dos recentes casos de problemas pulmonares graves, que levam a internações, cirurgias e até a morte.

Isso sem mencionar as queimaduras e lesões causadas pela explosão do dispositivo, que permite ao usuário adicionar o líquido que preenche o vape livremente.

Continua após a publicidade

Esse líquido contém não apenas nicotina, mas também outras substâncias, que podem elevar os riscos de infarto, asma, pneumonia e diversos tipos de câncer.

Opção mais saudável?

A indústria do tabaco ‘embalou’ o produto com sabores e aromas diversos para atrair o consumidor.

Ao antigo discurso de que o cigarro eletrônico seria uma saída para quem quisesse parar de fumar, foi adicionada recentemente até a ilusão de um “vape vitaminado”, com o intuito de parecer saudável.

Continua após a publicidade

Uma pesquisa recente do Covitel/Ministério da Saúde revelou que um a cada cinco jovens de 18 a 24 anos usa cigarros eletrônicos.

Isso gera grande preocupação dos órgãos de saúde, porque quem começa a fumar quando jovem tem maior probabilidade de desenvolver dependência à nicotina e problemas para se livrar do tabagismo no futuro.

+ Leia também: A nova geração de fumantes

Continua após a publicidade

Danos do vape ao meio ambiente

Além do prejuízo direto à saúde humana, o cigarro eletrônico também prejudica o meio ambiente, visto que os líquidos usados nos vaporizadores contêm quantidades significativas de substâncias tóxicas.

Os resíduos de cigarro eletrônico não são biodegradáveis e os cartuchos ou dispositivos descartáveis se decompõem em produtos químicos que poluem ainda mais nossas águas.

Perigo para os jovens

Embora o Brasil tenha adotado todas as medidas estabelecidas pela OMS para o Controle do Tabaco, uma pesquisa recente do Inca apontou um preocupante cenário.

Continua após a publicidade

Nove em cada dez menores, com idades entre 13 e 17 anos, conseguem comprar cigarros em estabelecimentos comerciais autorizados (padaria, cafeteria, mercados, bancas de jornal), apesar de a venda ser proibida para essa faixa etária.

Vale lembrar que a epidemia de tabaco é a principal causa de morte e doença no mundo.

São mais de 8 milhões de óbitos por ano, sendo que 1,2 milhão deles são de não fumantes. Ou seja, pessoas que, sem optar, ficaram expostas ao fumo de forma passiva.

Continua após a publicidade

O Brasil já conseguiu reduzir em mais de 50% o número de fumantes de cigarro tradicional. Por isso, não podemos deixar que essas novas formas de fumar reaqueçam esse mercado.

É preciso rigor contra a explosão do vape entre os adolescentes, ampliando a fiscalização e combatendo o comércio ilegal destes dispositivos, que são facilmente encontrados na internet e em outros pontos de venda.

*Luiz Augusto Maltoni é cirurgião oncológico e diretor executivo da Fundação do Câncer

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.