Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cigarro é relacionado a 30% das mortes por câncer nos Estados Unidos

Tabaco está por trás de alguns dos tumores mais prevalentes no mundo. E o impacto social e econômico relacionado a essas doenças poderia ser evitado

Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein*
12 set 2022, 16h47

Do total de mortes por câncer, quase um terço – 30% – está relacionado ao cigarro, revela um estudo que acaba de ser divulgado pela Sociedade Americana do Câncer. Os autores chegaram a esse número após analisar dados de 123 mil mortes por tumores em 2019 nos Estados Unidos. 

Além disso, os pesquisadores constataram uma perda de mais de 2 milhões de anos de vida pela queda na expectativa de vida dos pacientes estudados. A perda precoce de pessoas em idade ativa, ou a incapacidade delas, gera um impacto econômico de 21 bilhões de dólares por ano.  

“O dado não nos surpreende, porque a gente sabe que o cigarro é o principal fator de risco para os tumores mais prevalentes”, diz a pneumologista Luiza Helena Degani Costa, do Hospital Israelita Albert Einstein.  

A pesquisa aponta o impacto do tabagismo na sociedade, com um alto custo emocional, social e econômico. Para isso, os pesquisadores avaliaram as mortes por tumores sabidamente associados ao cigarro: cavidade oral, faringe, esôfago, estômago, cólon, fígado, pâncreas, pulmão, bexiga e leucemia mieloide aguda, entre outros.  

Compartilhe essa matéria via:

Embora o tabagismo venha caindo de forma geral, ainda há mais de 1 bilhão de fumantes no mundo. O cigarro é responsável por mais de 7 milhões de mortes a cada ano no planeta, segundo dados de um outro estudo recente publicado no periódico The Lancet, que mapeou o impacto do tabagismo em mais de 200 países ao longo de quase 30 anos. 

Nesse cenário, o Brasil ostenta números mais positivos, como aponta Luiza: “Isso porque seguimos todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde em termos de educação da população, proibição de consumo”.  

+Leia também: Cigarro continua vilão em casos de impotência, câncer e outros males

Graças a essas medidas, a taxa de fumantes brasileiros despencou cerca de 70% nas últimas três décadas e é praticamente a metade do índice nos Estados Unidos, onde a queda foi de 30% no mesmo período. Lá, em torno de 15% das mulheres e 20% dos homens fumam. Aqui, esses números estão por volta de 7% e 11%, respectivamente. 

Continua após a publicidade

Cigarro eletrônico

O cigarro ainda mata 160 mil brasileiros todos os anos, e o impacto econômico anual chega a 57 bilhões de reais. “E agora vemos o crescimento do consumo do cigarro eletrônico”, lamenta Luiza.   

De fato, embora seja proibido desde 2009, o uso no país vem crescendo de forma significativa. “Sabe-se que ele também vicia e está relacionado a doenças como asma e DPOC”, diz a especialista. “Além de manter a campanha contra o cigarro tradicional, precisamos acender o alerta também contra os eletrônicos”, enfatiza Luiza.

Do contrário, não conseguiremos reduzir essas mortes no futuro – e pior, poderíamos regredir no enfrentamento ao tabagismo.

*Este conteúdo é da Agência Einstein

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.