Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Guenta, Coração

Por Blog
Médicos, nutricionistas e outros profissionais da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) explicam as novas (e clássicas) medidas para resguardar o peito
Continua após publicidade

Por que mulheres desenvolvem doenças cardiovasculares mais tarde?

Por outro lado, diabetes, hipertensão, tabagismo e outros fatores de risco para o coração significam maior risco de complicações em relação aos homens

Por Lilia Nigro Maia, Salete Nacif e Nina Azevedo, cardiologistas*
Atualizado em 16 Maio 2024, 11h51 - Publicado em 14 Maio 2024, 17h00

O hormônio estrogênio – responsável pelas características físicas e órgãos sexuais femininos – atua a favor do organismo da mulher, retardando o tempo médio de desenvolvimento de doença arterial coronariana. De acordo com estudos nacionais e internacionais publicados, inclusive na Revista Científica da SOCESP – Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, nas mulheres, a doença cardiovascular (DCV)  ocorre de 10 a 15 anos mais tarde na comparação com homens. Para elas, o pico é entre os 55 e 70 anos. 

Porém, entre mulheres, uma série de fatores aumentam a probabilidade do surgimento de DCVs em relação aos homens: diabetes, hipertensão, tabagismo (que confere risco 25% maior sobre o sexo oposto), depressão, ansiedade e estresse mental agudo (mais comum nelas) são exemplos. 

E há fatores de risco específicos das mulheres, como:

  • Síndrome dos ovários policísticos
  • Menarca, menopausa e falência ovariana precoces
  • Complicações gestacionais
  • Eclampsia e pré-eclampsia
  • Histórico de câncer de mama e seus tratamentos 

Além disso, a própria anatomia coronariana feminina propicia incidência superior de doença arterial aterosclerótica e de óbitos nesta população. Isso acontece porque mulheres têm artérias coronárias menores e de menor calibre, o que contribui para obstruções. 

Devido ao estresse e aos níveis hormonais, elas também tendem a desenvolver erosões de placas coronarianas, ruptura, embolização distal, espasmo e dissecção coronariana espontânea mais frequentemente do que eles.

Diferenças comprovadas

Desde as últimas décadas, especialistas focam suas pesquisas nas diferenças das doenças cardiovasculares entre sexos, e não são só os fatores de risco que atuam de maneira distinta. 

Continua após a publicidade

A apresentação clínica das DCVs mostra particularidades: nos casos de infarto, mulheres podem ter sintomas inespecíficos iniciados dias ou até semanas antes do episódio cardiovascular, como fraqueza muscular em membros superiores, alterações de padrão do sono, ansiedade e fadiga. 

Tais manifestações atípicas chegam a retardar o diagnóstico e conferir pior prognóstico e mortalidade às pacientes.

O maior número de óbitos entre mulheres por causas cardiovasculares é comprovado. Dados do Global Burden of Diseases, de 2019, revelaram que as DCVs foram responsáveis por 34,6% de mortes femininas e por 31,4% das fatalidades masculinas no mundo.

Da mesma forma, outros estudos atestam que elas têm mais chance de acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca como primeiro evento cardiovascular, enquanto os homens apresentam doença arterial coronariana nessa circunstância.

Há muita evidência científica embasando a recomendação que tanto a prevenção quanto o tratamento das DCVs em mulheres sejam realizados de forma individualizada. Impossível padronizar esse atendimento diante de tantas diferenças entre os gêneros. 

Continua após a publicidade

Para incentivá-las a investir na saúde cardiovascular, em março, por ocasião do Dia Nacional de Conscientização das Doenças Cardiovasculares na Mulher (14/05), a SOCESP lançou uma campanha – em mídias sociais e em seu site – incluindo postagens com orientações preventivas, entrevistas e podcasts esclarecendo sobre o tema. A abordagem ainda ganhou edição completa na Revista Cientifica da SOCESP, no final do ano passado (saiba mais clicando aqui). 

A preocupação em alertar também os profissionais da especialidade para criar estratégias específicas voltadas ao controle das DCVs em mulheres estará na pauta para o próximo Congresso da SOCESP, que acontecerá entre os dias 30 de maio e 1° de junho. Uma mesa de debates discutirá a “Doença Cardiovascular (DCV) na Mulher: Pilares para Redução da Mortalidade”. 

São iniciativas cujo objetivo é conscientizar todos os envolvidos, chamando a atenção para a necessidade de um olhar exclusivo para o coração feminino.

*Lilia Nigro Maia, Salete Nacif e Nina Azevedo são cardiologistas e integrantes do SOCESP Mulher, da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.