Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Diagnóstico de câncer acontece mais cedo em usuários de cigarro eletrônico

Detecção ocorre quase 20 anos antes do que nos fumantes convencionais. E dispositivo foi associado a tumores diferentes dos causados pelo cigarro comum

Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein*
Atualizado em 15 dez 2022, 18h05 - Publicado em 15 dez 2022, 18h03

O uso de cigarros eletrônicos aumenta as chances de câncer e, além disso, o diagnóstico da doença ocorre quase 20 anos antes do que nos fumantes convencionais. Isso é o que sugere um estudo retrospectivo conduzido por universidades americanas a partir de informações de 154 856 pacientes coletadas entre 2015 e 2018.

A pesquisa inédita, publicada no periódico “World Journal of Oncology“, cruzou dados sobre o histórico de câncer e de consumo do vape (nome em inglês utilizado para o dispositivo).

Com o cigarro eletrônico, o diagnóstico de câncer aconteceu em média aos 45 anos, contra 63 nos fumantes tradicionais. Os adeptos do novo modelo também apresentaram tumores diferentes dos que costumam ser associados ao tabaco: os mais comuns foram câncer cervical, leucemia, câncer de pele e de tiroide.

Por serem relativamente novos, os dados sobre o impacto na saúde do cigarro eletrônico a longo prazo ainda são limitados.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

“Mas já se sabe que não são inofensivos e que também podem causar doenças como asma e enfisema pulmonar, assim como o cigarro convencional”, diz a pneumologista Luiza Helena Degani Costa, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Continua após a publicidade

Além disso, o uso do dispositivo pode gerar lesões agudas no pulmão e também está associado a alterações nos vasos sanguíneos, o que aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

“Há tempos já sabemos que existem substâncias cancerígenas no vapor dos cigarros eletrônicos, substâncias que são inaladas pelo usuário. Embora esse estudo americano tenha uma série de limitações metodológicas, existe, portanto, um racional biológico para os resultados encontrados. Estamos só começando a conhecer a história natural da doença”.

+ Leia também: Por que procurar câncer de pulmão em pessoas sem sintomas?

Risco de retrocesso

Os cigarros eletrônicos foram anunciados como uma alternativa segura e ganharam popularidade, especialmente entre os mais jovens. Segundo os autores, este é o primeiro grande estudo populacional a apontar uma possível associação entre uso dos eletrônicos e câncer em humanos.

Nas últimas décadas, a comprovação de que o cigarro comum causa vários tipos de câncer levou a bem-sucedidas campanhas de conscientização e quedas nas taxas de tabagismo no mundo.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

No Brasil, medidas como educação da população, proibição do consumo e taxação reduziram drasticamente o número de fumantes nos últimos 30 anos – hoje apenas 11% dos homens e 7% das mulheres fumam.

“O consumo do vape vem aumentando e, sem conscientização, podemos colocar anos de combate ao tabagismo em risco”, alerta a especialista.

*Esse texto foi publicado originalmente pela Agência Einstein

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.