Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Projeto de lei quer proibir celulares nas escolas

Precisamos pesar os benefícios da tecnologia e a necessidade de um ambiente propício ao aprendizado e ao desenvolvimento socioemocional

Por Marina Helou, deputada estadual, e Paulo Nardy Telles, pediatra*
Atualizado em 1 jul 2024, 15h17 - Publicado em 1 jul 2024, 15h13

O acesso ilimitado a telas, sem incentivo ao uso pedagógico, gera impactos prejudiciais já comprovados na literatura em crianças e adolescentes.

Se nós, adultos, sofremos com a dependência e checamos o celular para ver se chegou alguma notificação diversas vezes ao longo do dia – imagine a dificuldade de controlar o impulso e o impacto desse comportamento nas crianças e adolescentes, que têm o cérebro em formação e estão um uma fase extremamente importante no desenvolvimento cognitivo.

É comum perceber que os mais jovens estão mais distraídos, fechados e, pior, viciados nos aparelhos eletrônicos. Infelizmente, todos estes problemas refletem, e muito, no aprendizado e socialização no período escolar.

Com acesso livre ao celular, crianças e adolescentes são sugados pelo mundo digital e cada vez socializam menos no mundo real. Ficam mais ansiosos e prestam menos atenção no conteúdo acadêmico, nos professores e profissionais da educação.

Além disso, é um desafio lidar com esta questão nas escolas, quando não se tem uma regulamentação, enquanto política pública, estabelecida. É também um dilema no dia a dia de mães e demais cuidadores, que acabam tendo nas telas uma ferramenta de auxílio para darem conta do trabalho, criação dos filhos e afazeres. São muitas as questões envolvidas, incluindo sociais e econômicas.

+ Leia também: Uso de telas e desenvolvimento infantil: uma abordagem intencional

Continua após a publicidade

Os aparelhos eletrônicos foram inseridos de forma abrupta e sem planejamento na sociedade e precisamos reconhecer e enfrentar as consequências. Movimentos de pais e mães têm surgido com objetivo de discutir e conscientizar sobre o efeito das telas em seus filhos.

Em abril desde ano, trouxemos essa discussão para a Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, por meio do Projeto de Lei nº 293/2024 que propõe a proibição do uso de celulares e outros dispositivos eletrônicos pelos alunos nas unidades escolares da rede pública e privada do estado de São Paulo.

O objetivo é criar um ambiente mais propício ao aprendizado, permitindo o uso de aparelhos para finalidades exclusivamente pedagógicas ou para alunos com necessidades específicas de saúde. A proposta é encontrar um equilíbrio entre os benefícios da tecnologia e a necessidade de resgatar a escola como local fundamental ao desenvolvimento acadêmico, social e emocional.

Diversos estudos já comprovam os prejuízos causados pelo uso excessivo de telas. No que tange ao direito à educação, o relatório de monitoramento global da educação de 2023 da Unesco mostrou que um maior tempo de tela estava associado a uma piora do bem-estar; menos curiosidade, autodisciplina e estabilidade emocional; maior ansiedade e diagnósticos de depressão.

Além disso, a presença de celulares pode reduzir a capacidade cognitiva dos estudantes, resultando em menor retenção de informações e notas mais baixas.

Continua após a publicidade

O PL nº 293/2024 é um convite à construção conjunta de um futuro mais promissor para o estado de São Paulo. Ao abrir espaço para um debate amplo, que envolva toda a comunidade, podemos encontrar soluções criativas e eficazes para lidar com os desafios da era digital na educação.

O objetivo principal é garantir que todos os alunos tenham acesso a um ensino de qualidade, utilizando a tecnologia com consciência, como ferramenta para o desenvolvimento de todo o seu potencial.

*Marina Helou é mãe do Martin e da Lara e deputada estadual em seu segundo mandato pela Rede Sustentabilidade; Paulo Nardy Telles é pediatra, formado na Faculdade de Medicina do ABC

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.