Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Depressão na adolescência: precisamos falar mais sobre ela

Tédio constante, dificuldade de concentração, raiva de si próprio e perda de prazer nas atividades usuais são sinais de que o jovem precisa de ajuda

Por Karen Scavacini, psicóloga*
7 jan 2022, 10h50

A adolescência é um período de crise que leva ao crescimento, uma fase cheia de questionamentos, mudanças, emoções intensas, conquistas e dificuldades.

O cérebro só termina de se formar aos 21 anos e, até lá, ele colabora para que o jovem seja mais impulsivo, busque mais prazer imediato e não pense muito sobre as consequências das suas escolhas. Cada adolescente vai passar por essa etapa do seu jeito.

Segundo o relatório The State of the World’s Children 2021, do Unicef, 22% dos adolescentes brasileiros entrevistados recentemente disseram que, muitas vezes, se sentem deprimidos ou têm pouco interesse em fazer coisas.

Esse é um alerta, pois a depressão, além de sabotar a qualidade de vida, é um dos fatores que contribuem para o suicídio, que é atualmente a quarta causa de morte na faixa de 15 a 29 anos no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Compartilhe essa matéria via:

Infelizmente, vemos um aumento da depressão entre jovens. De acordo com a própria OMS, hoje ela é a nona maior causa de doença e incapacidade entre adolescentes. Só que de 10% a 20% deles não são diagnosticados nem tratados da forma adequada e pelo tempo necessário.

Continua após a publicidade

Adolescentes com depressão podem se sentir sozinhos e terem muitas dúvidas. Não sabem se vão ser levados a sério, se realmente necessitam de suporte, se estão doentes, se devem e como podem falar sobre isso…

O que vai definir se eles precisam de ajuda especializada é o impacto no dia a dia e a intensidade e a duração dos sintomas (por pelo menos duas semanas).

A pandemia veio para desafiar a saúde mental de jovens e aqueles que já estavam vulneráveis ou que possuíam algum transtorno mental foram ainda mais abalados.

+ Leia também: OMS classifica burnout como doença de trabalho

Entre os fatores de risco para a depressão nessa fase da vida, destaco: falta de compreensão do meio social; discriminação; carência de apoio; baixa autoestima; situações de violência e abuso (incluindo o cyberbullying); dificuldades de relacionamento e pertencimento ao grupo; uso de álcool e outras drogas; histórico familiar de transtornos mentais; e disfunções hormonais.

Continua após a publicidade

O tabu, o preconceito, o medo da necessidade de remédios (ou mesmo terapia) e a crença de que tudo não passa de algo normal naquela idade só impedem o jovem de buscar a ajuda de que precisa.

Por isso, temos que falar sobre depressão na adolescência e requalificar a conversa sobre saúde mental, construindo uma comunidade mais empática e acolhedora para todos, como propõe o Movimento Falar Inspira Vida, do qual faço parte desde 2020.

* Karen Scavacini é psicóloga, psicoterapeuta, doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP e CEO do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.