Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Os adoçantes seriam o vilão da vez?

Especialista questiona interpretação dada após publicação de documento da OMS que deixa de indicar esses produtos para a perda de peso

Por Thiago Barros, nutricionista*
29 jun 2023, 18h14

Ovo, carne de porco e óleo de soja têm algo em comum: já foram considerados inimigos da nossa saúde e, depois, redimidos e recolocados em seu devido lugar, o de alimentos importantes e saudáveis dentro de um cardápio equilibrado.

Essa situação ocorre várias vezes pela compreensão equivocada de pesquisas científicas ou pelo que se tem chamado de pseudociência, aquela que se intitula ciência, mas não trabalha com evidências ou comprovações.

Pelo que percebo, o vilão da vez é, ou estão tentando fazer ser, o adoçante. Talvez isso aconteça para perdermos o foco das questões realmente importantes quando se fala de alimentação e nutrição.

O fato é que, até o momento, desconheço estudos científicos sérios, bem-feitos e confiáveis que concluam que os adoçantes são um risco à saúde. Ao contrário, todos indicam que ele é um eficaz substituto do açúcar na dieta de pessoas que querem perder ou controlar peso ou ainda precisam controlar os níveis de glicemia.

Uma recente publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), baseada na revisão de diversos estudos publicados anteriormente, gerou comoção ao ser interpretada como uma recomendação efetiva para as pessoas em geral pararem de consumir adoçantes.

Ao se analisar o apanhado de pesquisas com atenção, percebemos que não há nada de novo e, ao contrário do que se alardeou, o documento mostra que eles são seguros e podem ser uma estratégia complementar para redução de peso.

Continua após a publicidade

Além disso, os trabalhos que tentaram demonstrar alguma insegurança no uso do produto apresentavam baixo rigor científico. Assim como nunca se provou que adoçantes causam aumento de peso, celulite, problemas intestinais, aumento da fome ou da vontade comer doce, em seres humanos.

+ LEIA TAMBÉM: Novos estudos reforçam urgência de reduzir sal e açúcar

Nesse contexto, tampouco existem pesquisas que apontem que haja um adoçante melhor do que o outro. O que recomendo é utilizar aquele que mais lhe agrada o paladar, na mínima quantidade possível. Afinal, de doce já basta a vida.

O ponto é que, mesmo se consumidos em excesso, os adoçantes tendem a ficar dentro da margem de NOAEL (No adverse effect level).

Pelos estudos, a margem de segurança para a sucralose, por exemplo, é a de que um adulto poderia ingerir mais de 75 sachês por dia, diariamente, ao longo da vida. Nem isso representaria danos à saúde, embora saibamos que é praticamente impossível alguém realizá-lo de verdade.

Continua após a publicidade

Há pessoas que defendem que o ideal é simplesmente excluir o açúcar de nossa alimentação. Eu discordo por alguns motivos. Primeiro, porque nutrição é contexto. Ninguém come açúcar puro com a colher ou só açúcares… e há diversas estratégias simples de redução de danos num cardápio.

Segundo, do ponto de vista técnico, a mesma OMS, em sua diretriz mundial de ingestão de açúcares para crianças e adolescentes, diz que não há vantagem em reduzi-la a quase zero. Ou seja, a nutrição não precisa ser 8 ou 80.

Concluindo, reforço que o adoçante não é um vilão. Ao contrário, tem agido muito bem no apoio a tantas pessoas que buscam alternativas ao açúcar e aos profissionais de nutrição para formular dietas e recomendações que consigam ter a devida adesão na vida real.

Compartilhe essa matéria via:

* Thiago Barros é nutricionista, especialista em nutrição aplicada ao exercício físico pela USP e mestre em ciências pela Unifesp

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.