Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

O que é conviver com a psoríase desde os 12 anos

No dia de conscientização sobre essa doença que afeta a pele e abala a autoestima, uma mineira relata sua história de tratamento e superação

Por Caroline Barbosa de Almeida, arte-finalista*
29 out 2022, 09h22

Me lembro como se fosse hoje. Apareceram manchas que coçavam muito em algumas partes do meu corpo, como braços, pernas e couro cabeludo. Minha mãe me levou ao dermatologista e, com uma biópsia, veio a confirmação do diagnóstico de psoríase.

Tive sorte, pois muitas pessoas demoram bastante para ter o diagnóstico correto, seja por falta de informação ou confusão com outras doenças, seja pela falta de acesso a um especialista. Na época, eu não tinha convênio e fui atendida por um clínico geral do SUS. Levou tempo até eu ser encaminhada a uma consulta com um profissional especializado.

A dermatologista receitou um creme. Melhorei e, por isso, não retornamos mais às consultas. Com o tempo, os sintomas voltaram. Me senti frustrada, pois seguia o tratamento e, mesmo assim, não melhorava.

Minha saúde mental também foi impactada. Minha adolescência foi traumática. Me chamavam de “perebenta” e me olhavam com nojo. Eu ia para a escola, em pleno verão, de blusa com touca para tentar esconder as lesões. Tinha vergonha e medo.

Para quem não sabe, a psoríase é uma doença não contagiosa e causada por um desequilíbrio no sistema imune. Afeta principalmente adultos jovens, entre os 20 e os 40 anos, e os principais sintomas são prurido, ardor, dor, sensação de queimação e lesões na pele.

+ LEIA TAMBÉM: Livro convida brasileiras a conhecer melhor a própria pele

Apesar dos desafios, a vida seguiu. Aos 16 anos, comecei a namorar. E acredito que esse período tenha contribuído para as manchas diminuírem. Porém, quando o namoro chegou ao fim, a psoríase ressurgiu.

Continua após a publicidade

Aos 19, conheci outra pessoa e engravidei. No início, poucas lesões deram as caras. Com o tempo, o relacionamento ficou conturbado e, em meio ao estresse das discussões e brigas, as lesões voltaram com tudo e se espalharam. Quase não conseguia me movimentar de tanta dor.

Fui ao hospital com minha mãe, mas não havia estrutura para um atendimento adequado. Passaram vaselina em meu corpo, me enfaixaram e me entupiram de corticoides para conter a inflamação. Ainda assim, as dores e as lesões não diminuíam. A equipe médica nos aconselhou a deixar Cambuí (MG), onde morávamos, e procurar assistência em Pouso Alegre (MG), onde havia mais estrutura.

Eu, grávida, chorava de tanta dor. Chegando lá me levaram para um quarto isolado, pois minha pele estava sensível e sob risco de infecção. Eu queria morrer, mas pensava na minha filha. Nunca mais vou esquecer a dermatologista que me atendeu. Ela começou a me desintoxicar de todas as medicações que eu estava tomando e me receitou um remédio que ajudou a diminuir as dores, as cascas e as bolhas na pele.

Tive alta em 18 dias. Já conseguia ficar de pé sozinha e me movimentar sem dor. Comecei o tratamento e fui melhorando. Um mês depois, voltei ao hospital de Pouso Alegre. Desta vez para ganhar minha filha. E continuei com o tratamento receitado.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Em junho de 2021, contraí Covid-19 e as lesões voltaram. Quase fui internada novamente. A dermatologista me atendeu, receitou um medicamento imunobiológico, pois já conhecia o meu histórico de tratamentos. Fiz todos os exames e dali para frente sabia que teria uma vida normal.

Continua após a publicidade

Ao todo, foram quatro meses para as lesões do meu corpo sumirem. Fui à praia pela primeira vez sem vergonha de mostrar o corpo e pude tirar fotos de momentos que me faziam feliz. Desde então faço uso da medicação biológica.

Sou grata a minha mãe e a dermatologista. Hoje posso dizer que sou feliz, mesmo convivendo com a psoríase. Tento controlar o meu estado emocional, porque sei que ter a saúde mental em dia é fundamental para deixar a doença quietinha. Comemoro um ano de vida normal, ciente de que tenho psoríase, mas ela não me tem mais.

Compartilhe essa matéria via:

* Caroline Barbosa de Almeida é arte-finalista, mora em Cambuí (MG), tem 25 anos e diagnóstico de psoríase desde os 12

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.