Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Muito além da dor física e emocional: nem toda psoríase é igual

Há um tipo mais grave e raro dessa condição que afeta a pele. Médica explica como ele se manifesta e compartilha boas novas no tratamento

Por Esther Palitot, dermatologista*
6 mar 2022, 11h38

Manter as lesões de pele sob controle para evitar olhares discriminatórios, às vezes até de repulsa, e resgatar a qualidade de vida: esse é o principal objetivo das pessoas que convivem com a psoríase. E é comum os pacientes experimentarem diversas terapias até encontrar uma opção que reduza a atividade e os sintomas da doença.

O que pouca gente sabe é que existem tipos de psoríase, e um deles, mais raro, causa muito mais do que dores físicas e emocionais. Estou falando da psoríase pustulosa generalizada (PPG).

Desconhecida até mesmo entre médicos e pacientes, a doença atinge nove em cada milhão de brasileiros. Os avanços na pesquisa científica demonstram que, em múltiplos aspectos, a PPG é distinta da psoríase vulgar, a versão mais prevalente e caracterizada pelo aparecimento de placas vermelhas e com descamação na pele.

Na PPG, a pele fica avermelhada e ocorre uma erupção generalizada de pequenas bolhas de pus, chamadas de pústulas. Dor e queimação são queixas frequentes.

Continua após a publicidade

+ Leia também: De cortes a queimaduras: inovações à flor da pele

Além disso, o paciente pode apresentar febre, cansaço e calafrios. É um quadro mais grave do que o da psoríase em placas e pode levar à morte se não tratada adequadamente.

Hoje existem vários tratamentos disponíveis para a psoríase no Brasil. Há cremes e pomadas, medicamentos de uso oral e mesmo remédios biológicos injetáveis oferecidos pelo SUS.

Continua após a publicidade

Mas e para a PPG? A grande novidade, estudada nos últimos anos, é justamente uma medicação específica para essa condição.

No final de 2021, os resultados de um estudo clínico para o tratamento da psoríase pustulosa generalizada foram publicados no prestigiado The New England Journal of Medicine, passando a representar uma esperança para os pacientes que vivem com a doença.

+ Leia também: O que o skincare realmente faz por você

O trabalho constatou que o espesolimabe, um anticorpo monoclonal injetável, melhora significativamente os sinais e os sintomas dos pacientes durante a crise de PPG.

Esse novo tratamento demonstrou-se eficaz e rápido no controle da doença em pacientes adultos com crises moderadas e graves. Não só reduziu a quantidade de pústulas, como permitiu que algumas pessoas recuperassem a normalidade da pele.

Entre os desfechos alcançados, 54% dos voluntários não apresentavam pústulas visíveis após uma semana da infusão de dose única do espesolimabe, em comparação com 6% dos que receberam o placebo.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

É preciso ter em mente que as pessoas com PPG muitas vezes necessitam de internação hospitalar e podem ter complicações potencialmente fatais.

Daí a importância de um tratamento efetivo e rápido. As terapias disponíveis hoje no país são adaptadas daquelas usadas na psoríase comum. Nem sempre são eficazes, costumam ter ação mais lenta e apresentam efeitos colaterais nesse outro contexto.

Continua após a publicidade

Conhecer melhor os mecanismos imunológicos envolvidos nessa doença rara tem permitido desenvolver soluções específicas como o espesolimabe e outras medicações, com um impacto significativo na vida dos pacientes: resolução mais rápida das crises, melhor controle dos sintomas, prevenção de complicações e ganho no bem-estar geral.

Essas pesquisas nos colocam de frente para o que deve ser um divisor de águas na PPG. Em breve, os pacientes poderão contar com um tratamento capaz de resolver as lesões, aliviar a dor e devolver a qualidade de vida.

* Esther Palitot é dermatologista, professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e coordenadora do Centro de Pesquisa, Apoio e Tratamento de Psoríase do Estado da Paraíba

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.