Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

O papel da medicina integrativa na saúde mental

Técnicas como acupuntura e aromaterapia podem ajudar a apaziguar as emoções e a enfrentar o estresse e a ansiedade, aponta médica

Por Ingrid Teixeira, médica* 27 jan 2022, 10h38

Durante a pandemia, vimos um aumento significativo de problemas relacionados à saúde mental no Brasil e lá fora.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em outubro de 2021, seu novo Atlas de Saúde Mental, sinalizando uma falha global em fornecer às pessoas os serviços de assistência psíquica e emocional de que necessitam, mesmo com a elevação do investimento nesse setor em diversos países.

Sabemos que a Covid-19 deixou as pessoas mais isoladas e amedrontadas. Por isso, além desta pandemia, observamos outra, formada por um número crescente de casos de ansiedade, depressão e déficit de atenção. O atlas da OMS mostra que há um longo caminho a percorrer para garantir que todos tenham acesso aos cuidados adequados à saúde mental.

O Janeiro Branco é o mês de conscientização sobre as questões do bem-estar emocional. E, coincidentemente, o dia 23 de janeiro é dedicado internacionalmente à medicina integrativa, que convoca práticas complementares para o tratamento de doenças, inclusive as psíquicas.

A ideia é que, aliados aos medicamentos e à psicoterapia, esses recursos deem suporte ao tratamento, elevando a qualidade de vida, minimizando efeitos colaterais dos remédios e permitindo até mesmo a redução ou suspensão das doses com o tempo se o médico julgar pertinente.

+ Leia também: A saúde mental dos idosos merece atenção

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Oxford, na Inglaterra, com mais de 60 mil pessoas, e publicado na conceituada revista médica The Lancet, evidencia que 20% dos pacientes diagnosticados com Covid-19 e sem nenhuma doença psiquiátrica previamente diagnosticada apresentaram quadros como ansiedade, depressão e insônia de 14 a 90 dias após a infecção.

Os pesquisadores também observaram que as pessoas que já tinham um transtorno psiquiátrico prévio tiveram 65% mais chances de adoecerem pelo coronavírus. Esses dados corroboram a ideia de que o bem-estar mental repercute na saúde física, e vice-versa. Assim, precisamos tratar tanto a mente como o corpo.

Buscar o alívio do estresse e da ansiedade é importante inclusive porque eles são gatilhos para o aparecimento ou piora de doenças físicas. Nosso cérebro nem sempre consegue distinguir a realidade da imaginação. Daí que pensamentos negativos estimulam o organismo a liberar substâncias que afetam os sistemas hormonal e imunológico.

Tem sido crescente a procura por práticas integrativas, sobretudo meditação, acupuntura e aromaterapia, para lidar com os dilemas e problemas emocionais.

Em um estudo americano realizado com mulheres, por exemplo, a acupuntura reduziu a ansiedade e a depressão logo nas primeiras sessões em 43% das voluntárias avaliadas e, oito semanas depois, mais da metade não relatava mais as doenças.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:

Sabemos que a acupuntura atua sobre o sistema nervoso, estimulando a produção de neurotransmissores e hormônios com função relaxante e analgésica, além de melhorar a circulação e a oxigenação dos tecidos.

O método também auxilia a diminuir os níveis de cortisol e adrenalina, reduzindo o estresse e a frequência cardíaca. É praticamente livre de efeitos colaterais, desde que seja feita por um profissional habilitado.

Outra modalidade que ganha destaque nesse contexto é a aromaterapia. Alguns tipos de óleo essencial, quando inalados, atingem em segundos a região do cérebro responsável pelo controle das emoções, o sistema límbico.

Diversos artigos reunidos na Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos retratam efeitos positivos como melhora da ansiedade, do sono, do humor e das dores.

+ Leia também: Óleos essenciais: o que um cheiro pode fazer por você

Um estudo alemão comparou o óleo essencial de lavanda ao lorazepam, medicamento de venda controlada, no tratamento da ansiedade generalizada e concluiu que ambas as abordagens foram equivalentes.

Outra pesquisa, essa do Irã, constatou que o óleo essencial de laranja aplacou a ansiedade em crianças. De forma geral, os óleos cítricos têm potencial para acalmar os ânimos e o estresse.

Existem outras práticas integrativas capazes de ajudar a recuperar o bem-estar. Ioga, meditação, homeopatia… O ideal é sempre procurar médicos e demais profissionais capacitados.

Então aproveite o início do ano para repensar sua rotina, olhar para si e, se for preciso, planejar mudanças. Afinal, o que você tem feito pela sua saúde mental?

* Ingrid Teixeira é médica, especialista em pediatria e medicina integrativa, com pós-graduação em medicina tradicional chinesa pela Universidade Federal Fluminense (UFF)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês