Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

O compromisso diário em reduzir o risco de câncer

O Poder Público é importante, mas medidas individuais já reduzem bastante a probabilidade de sofrer com essa doença – especialmente em casos avançados

Por Gustavo Fernandes, oncologista*
9 fev 2024, 17h32

Como oncologista, sinto no consultório que o diagnóstico de câncer, embora intimidador, já não causa o mesmo pavor de antes. A palavra “câncer” é mais dita, e os tratamentos são discutidos por pacientes e famílias com um enorme apreço pela ciência, com a clara percepção de que estamos andando rápido em direção correta. 

Não estamos mais à deriva. Dito isto, é justo e necessário confirmar que a mortalidade proporcional por câncer reduziu expressivamente, e melhor, continua em queda. Entretanto, o número de casos novos continua crescendo expressivamente – e é aí que temos uma bela oportunidade. 

São múltiplos os fatores que levam uma pessoa ao câncer. Entre eles estão questões genéticas, ambientais, sociais e individuais. Boas escolhas realizadas todos os dias carregam a possibilidade de uma vida mais longa e saudável. 

Precisamos falar disso. Precisamos assumir as responsabilidades individuais, compreendendo que nossas escolhas podem reduzir em mais de 50% o risco de desenvolver câncer

Continua após a publicidade

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc) divulgou recentemente uma estimativa de mais de 35,3 milhões de novos casos de câncer em 2050, um aumento de 77% em relação à estimativa feita pela própria agência em 2022, que era de 20 milhões. 

A previsão para o Brasil é de 1,15 milhão de novos casos. A mesma Iarc, em outro estudo, aponta que 1,9 milhão de óbitos ocorreram em 2020 em função de tumores causados por quatro fatores evitáveis – infecções pelo HPV,  abuso do consumo de álcool, o tabagismo e obesidade.

O levantamento considera sete países, incluindo o Brasil, que representam mais da metade do número global de mortes causadas pelo câncer. 

Continua após a publicidade

+Leia também: A navegação de pacientes com câncer pode chegar ao SUS

Estudos epidemiológicos destacam que hábitos saudáveis, como uma dieta balanceada e a prática regular de exercícios físicos, também desempenham um papel fundamental na redução do risco de diversos tipos de câncer. 

A redução do consumo de carne vermelha e embutidos, por exemplo, está associada a uma diminuição do risco de câncer colorretal, enquanto a cessação do tabagismo não apenas afasta o câncer de pulmão, como o de boca, garganta e esôfago, entre outros.

Continua após a publicidade

Aliás, uma boa notícia: estudos têm demonstrado que, após parar de fumar, o risco de câncer diminui progressivamente ao longo do tempo, ressaltando a importância de programas de cessação do tabagismo e apoio contínuo para aqueles que desejam abandonar esse hábito nocivo. 

Exames periódicos como a colonoscopia e o Papanicolau são amplamente recomendados para a detecção precoce de lesões pré-cancerosas ou cânceres em estágios iniciais, aumentando assim as chances de tratamento bem-sucedido. A colonoscopia, por exemplo, é eficaz na identificação e remoção de pólipos no cólon, que podem se tornar cancerosos se não forem tratados.

No que diz respeito às vacinas, a imunização contra o HPV se mostra uma medida preventiva eficaz na redução do risco de cânceres relacionados a esse vírus, como o de colo do útero, vulva, vagina, ânus, pênis, boca e garganta. Estudos demonstraram uma diminuição significativa da incidência desses cânceres em populações vacinadas.

Continua após a publicidade

Não é novidade que existe uma correlação direta entre o consumo de álcool e o aumento do risco de diversos tipos de câncer, incluindo câncer de fígado, mama, esôfago, boca e garganta. Durante a pandemia, houve um aumento preocupante no consumo de álcool, o que pode contribuir para um aumento futuro nos casos de câncer. 

É crucial destacar que a responsabilidade individual desempenha um papel fundamental na prevenção do câncer. Ao adotar hábitos saudáveis, realizar exames preventivos e seguir as orientações médicas, os indivíduos podem reduzir significativamente o risco de câncer e contribuir para a promoção da saúde pública. 

Se entre as causas de câncer existem fatores que podemos controlar, é fundamental aproveitar essas oportunidades diárias em nossas vidas.  

Continua após a publicidade

*Gustavo Fernandes é oncologista e Diretor da Dasa Oncologia

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.