Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Boa Pergunta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Dúvidas sobre saúde enviadas pelos leitores e leitoras são respondidas com o apoio de profissionais da área.
Continua após publicidade

Passar protetor solar causa deficiência de vitamina D?

Impacto do uso de filtro solar na produção do hormônio é mínimo, segundo estudos. Saiba o que fazer em caso de déficit

Por Larissa Beani
16 jan 2024, 12h15

Com a chegada do verão, os cuidados com a pele devem ser reforçados. O uso diário de filtro solar é ainda mais imprescindível nessa época, quando os níveis de radiação ultravioleta (UV) chegam ao extremo e favorecem queimaduras, manchas, fotoenvelhecimento e câncer de pele. Tomar sol, por outro lado, é essencial à regulação do sono e do humor e à produção de vitamina D.

Essa substância é gerada pela exposição da pele aos raios UVB — que, por sua vez, são bloqueados pelo fator de proteção solar (FPS) dos filtros. Daí a pergunta: passar protetor solar pode diminuir a produção de vitamina D?

“Várias pesquisas apontam que, mesmo com o uso regular do produto, indivíduos conseguem manter sua produção de vitamina D normal”, afirma Aparecida Machado de Moraes, coordenadora do Departamento de Oncologia Cutânea da Sociedade Brasileira Dermatologia (SBD).

Segundo estudos recentes desenvolvidos pela própria entidade e outras instituições ao redor do mundo, o impacto do filtro solar nos níveis de vitamina D é mínimo.

Mesmo que o produto bloqueie a maior parte da radiação UVB, protegendo-nos de seus prejuízos à pele, ainda conseguimos absorver o necessário à produção de vitamina D. Isso ocorre por que a incidência de raios solares no Brasil é extremamente alta.

Continua após a publicidade

Sendo um país tropical, os índices de radiação UV por aqui frequentemente superam o nível considerado tolerável. Os valores são acompanhados diariamente pela Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

+ Leia também: Por que você não deve se bronzear com sol no verão?

“Muitas pessoas já ouviram a recomendação de tomar sol sem protetor por 15 ou 20 minutos por dia. Isso faz sentido em regiões próximas aos polos do planeta, onde a incidência é baixa — aqui, não”, esclarece Caio Lamunier, dermatologista do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).

A deficiência de vitamina D pode estar associada à falta de exposição solar e a problemas de conversão e absorção do composto pelo corpo.

Continua após a publicidade

“Em todo caso, se necessário, é possível fazer a suplementação da vitamina com o devido acompanhamento médico — sem jamais descuidar da pele“, assegura o endocrinologista Francisco Bandeira, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

+ Leia também: Nem muito nem pouco: o papel da vitamina D

O que é a vitamina D

A vitamina D é um hormônio do grupo dos secosteroides (que são derivados de esteroides). Sua produção começa na pele, após exposição aos raios UVB, e passa por outros processos de ativação no fígado e nos rins. Quando está pronta, é usada por células de várias partes do corpo.

Seu principal papel é auxiliar a absorção de cálcio, por isso a vitamina D é muito importante para prevenir perdas e fraturas ósseas, como osteoporose e raquitismo.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Europeus traçam novo limite mínimo para vitamina D. Isso vale aqui?

Deficiência e excesso de vitamina D

De acordo com consenso da SBEM e da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica (SBPC), o ideal é que a população saudável abaixo dos 60 anos tenha níveis de vitamina D superiores à 20 ng/mL.

Já para alguns grupos de risco, é recomendado manter valores mais altos, entre 30 e 60 ng/mL. Estão incluídos nessa categoria:

  • Idosos
  • Gestantes e lactantes
  • Pacientes com problemas ósseos (raquitismo, osteoporose, osteomalácia, fraturas etc)
  • Pessoas com hiperparatiroidismo
  • Portadores de doenças inflamatórias e autoimunes
  • Aqueles com doença renal crônica
  • Síndromes de má-absorção, em que o organismo não aproveita adequadamente certas substâncias

Agora, se a deficiência de vitamina D traz um monte de problemas, o excesso também é perigoso.

Continua após a publicidade

“Os riscos da vitamina D fazem uma curva em U: tanto a falta quanto o exagero são capazes de prejudicar a nossa saúde”, afirma o endocrinologista Francisco Bandeira.

Segundo o especialista, registros acima dos 100 ng/mL estão associados a uma maior probabilidade de aumento da mobilidade óssea, que pode desencadear perdas nessas estruturas — assim como a deficiência.

“A intoxicação por vitamina D também leva à insuficiência renal aguda, porque os níveis de cálcio sobem no sangue e se acumulam nos rins. A chamada hipercalcemia leva o indivíduo a precisar recorrer a tratamentos como a hemodiálise“, explica Bandeira.

Ao contrário do que alegam alguns profissionais, não há comprovação de que doses altas de vitamina D ajudem no tratamento de quaisquer doenças.

Continua após a publicidade

+ Leia também: O mito da carência de vitamina D

Como suplementar vitamina D

A suplementação de vitamina D deve ser feita com indicação médica, quando o nível do hormônio está abaixo do indicado para o seu grupo.

É essencial que a reposição seja feita de forma oral, por comprimidos. “Versões injetáveis são clandestinas. Logo, não há regulação sobre sua qualidade. Além disso, não são biodisponíveis, ou seja, nosso corpo não absorve a vitamina nessa forma”, alerta Bandeira.

A vitamina D também está presente em certos alimentos, principalmente em peixes gordos, mas a alimentação não consegue suprir sozinha a necessidade de consumo para tratar a deficiência.

Para ficar atento, aos níveis da vitamina, é necessário realizar exame de sangue. Mas nem todo mundo precisa fazer isso — converse com um médico.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.