Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nova vitamina D para suplementos tem ação mais rápida e eficaz

Recém-aprovada no Brasil, substância voltada à suplementação normaliza déficit da vitamina em três a quatro semanas

Por Diogo Sponchiato
Atualizado em 16 mar 2023, 16h46 - Publicado em 13 jul 2022, 10h05

A vitamina D encontrada nos suplementos atuais atende pelo nome colecalciferol e precisa passar por duas transformações dentro do corpo — uma no fígado, outra no rim — antes de prestar serviço à saúde óssea e à imunidade.

Mas uma nova versão da vitamina, o calcifediol, desenvolvida pela multinacional DSM e recém-aprovada pela agência regulatória brasileira, pula uma etapa e age bem mais rápido.

“Ela não precisa passar pelo primeiro processo de conversão no fígado, estando pronta para a fase de conversão final no rim”, conta Giovani Saggioro, VP de Health, Nutrition and Care da DSM para a América Latina.

“Enquanto são necessários de três a quatro meses de suplementação com a vitamina convencional para atingir níveis ótimos no organismo, com a utilização do calcifediol esse tempo é reduzido para três a quatro semanas”, compara.

A nova vitamina, batizada de ampli-D, vai integrar suplementos orais disponíveis a partir do segundo semestre no país. Segundo Giovani Saggioro, da DSM, os estudos apontam que ela tem ação três vezes mais rápida e eficaz que o tipo comumente empregado pela indústria.

Continua após a publicidade

Além disso, possui melhor absorção intestinal e maior potência, permitindo o uso de doses mais baixas para atingir as concentrações desejadas.

LEIA TAMBÉM: Suplementos alimentares: quando, por que e quem deve tomar?

As fontes da vitamina D

De exposição solar a suplementação, de onde vem a substância essencial para o corpo

Exposição ao sol: é o principal meio natural de obter a vitamina D. O indicado é se expor ao sol no início da manhã ou fim da tarde sem protetor.

Continua após a publicidade

Alimentação: ovos, peixes e carnes oferecem um pouco da vitamina, mas sozinhos não atendem à demanda do organismo.

Produtos fortificados: a indústria adiciona o nutriente a leites, iogurtes e extratos vegetais à base de soja, amêndoas, arroz e castanhas.

Suplementação: estima-se que 90% da população tenha déficit da vitamina. Os suplementos devem ser prescritos por um profissional.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.