Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Doença renal crônica: silenciosa, ela pode dar sinais só em fase avançada

Quadro faz o rim perder todas as suas funções, ameaçando a vida do paciente. Médica fala da importância da prevenção e do diagnóstico precoce

Por Tereza Bellincanta Fakhouri, nefrologista*
Atualizado em 9 ago 2022, 10h48 - Publicado em 10 mar 2022, 11h37

Uma doença silenciosa, que pode apresentar sintomas somente nas fases mais avançadas. A progressão é sorrateira e faz com que o rim perca todas as suas funções, levando o paciente a um quadro de coma. Assim é a doença renal crônica (DRC), uma enfermidade que já afeta uma em cada dez pessoas no mundo e, segundo perspectivas assustadoras, deve se tornar a quinta principal causa de morte até 2040.

Tanto que nos últimos três anos, a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, um dos principais hubs de saúde de excelência do país, registrou mais de 7 mil diagnósticos relacionados a problemas renais, uma média de quase 2 500 ao ano. O dado reforça a importância de se falar sobre o tema, especialmente quando verificamos que nove em cada 10 adultos com essa doença não sabem do diagnóstico.

Não à toa, no Dia Mundial do Rim – data que foi criada em 2006 pela International Society of Nephrology (ISN) – o tema da campanha é “Saúde dos rins para todos: educando sobre a saúde renal”.

No Brasil, a organização da empreitada fica a cargo da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) e tem o objetivo de alertar a população sobre os riscos da doença e a importância da prevenção e de um estilo de vida mais saudável, além de estimular os profissionais da saúde que atuam na atenção primária a aprimorarem o conhecimento e as práticas de enfrentamento da doença.

+ Leia também: Alimentação faz diferença no tratamento da doença renal crônica

A doença renal crônica em detalhes

Em resumo, ela é caracterizada pela perda da capacidade dos rins em exercerem suas funções – como filtrar e eliminar substâncias nocivas, produzidas como resíduos durante o funcionamento do organismo. Os rins ainda são responsáveis por eliminar o excesso de água e realizar o controle ácido-básico, essenciais para que as reações químicas ocorram normalmente no corpo.

Quando o órgão para de funcionar, precisa ser substituído por meio de um transplante. Na impossibilidade de se realizar o procedimento, o indivíduo muitas vezes necessita de máquinas que façam a função do órgão de maneira parcial – assim como na hemodiálise ou na diálise peritoneal.

Estamos falando de uma doença que ainda não tem cura. No entanto, quando ela é descoberta cedo, torna-se possível retardar a sua progressão. Para o diagnóstico precoce, é fundamental realizar exames periódicos. Não espere por sintomas. É que eles demoram a se manifestar – geralmente, isso acontece quando o órgão já está de 85 a 90% comprometido.

Pequenos sinais de alerta até podem ser percebidos no dia a dia, como dores lombares e ao urinar, pressão alta, inchaços pelo corpo e urina com espuma ou com presença de sangue. Tudo isso precisa ser investigado por um nefrologista. Reforço: a melhor estratégia para o controle da doença renal crônica é a prevenção.

Continua após a publicidade

Vale ressaltar que ela tem forte relação com outras doenças crônicas, como diabetes, hipertensão arterial sistêmica e obesidade. Então, seu controle também se baseia no tratamento adequado desses quadros.

O paciente que sofre com essa enfermidade apresenta ainda risco elevado de doenças cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral/encefálico. Quando diagnosticada, o nefrologista fará o controle com medicamentos e ajustes na dieta do paciente.

Diante da complexidade e importância de se falar muito sobre esse tema, uma pergunta se faz pertinente: e você, já fez seus exames neste ano?

*Tereza Bellincanta Fakhouri, nefrologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.