Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Câncer colorretal: três escolhas à mesa reduziriam o risco em 86%

Pesquisadores destrincharam a dieta mediterrânea para descobrir quais de seus itens protegeriam contra esse tumor

Por Vand Vieira
Atualizado em 14 fev 2020, 18h26 - Publicado em 5 jul 2017, 13h10

Já faz algum tempo que a dieta mediterrânea caiu no gosto de nutricionistas e outros profissionais de saúde. E foi graças a resultados expressivos na prevenção de várias doenças que cientistas do Centro Médico Tel-Aviv, em Israel, decidiram investigar a fundo o aclamado cardápio contra o câncer colorretal. O objetivo? Identificar os componentes que mais afastariam esse mal. A conclusão? Priorizar peixes e frutas e abolir refrigerantes e afins são as práticas que mais merecem destaque nesse contexto.

Para o estudo, 808 pessoas entre 40 a 70 anos foram recrutadas. Os voluntários passaram por uma análise que envolveu, por exemplo, uma avaliação de altura e peso, colonoscopias e um questionário sobre a frequência com que abocanhavam determinados alimentos. A adesão à dieta mediterrânea foi julgada com base no consumo isolado de frutas, verduras, sementes, oleaginosas, grãos, peixes e aves. A pouca ingestão de carne vermelha, álcool e bebidas açucaradas artificialmente também foi incluída como critério.

Ao comparar as informações de quem apresentou pólipos colorretais — protuberâncias nessa região do intestino que, às vezes, podem originar um tumor — com as dos que nunca tiveram o problema (alguns deles, integrantes de um grupo de controle), os experts notaram uma clara relação entre o que chega ao prato e a chance de passar longe do câncer colorretal. Isso porque a primeira turma consumia menos de dois itens da dieta mediterrânea (1,9) com regularidade. É bem pouco.

Já entre os demais, a média foi de 4,5 alimentos. Detalhe: o hábito de comer peixes e frutas sempre que possível e tomar pouco ou nenhum refrigerante representou uma proteção 86% maior contra esses tumores, o melhor dos cenários observados.

Continua após a publicidade

De modo geral, incluir pelo menos dois ou três elementos da dieta mediterrânea no dia a dia seria suficiente para reduzir o risco em cerca de 50%. Mas, claro, quanto mais itens, melhor.

Os responsáveis pelo trabalho pretendem agora repetir a experiência para saber se pessoas altamente propensas a um câncer colorretal ou que já receberam esse diagnóstico também são beneficiadas ao apostar na dieta mediterrânea. É esperar para ver.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.