Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

É burnout ou boreout? O que está por trás de uma crise no trabalho?

O esgotamento ligado ao trabalho é diferente do tédio permanente diante do emprego. Entenda as diferenças e o que precisa mudar para preveni-los

Por Primo Paganini, psiquiatra* 3 mar 2022, 10h55

O ambiente profissional nem sempre é um mar de rosas. Muitas vezes, é um local de estresse, desmotivação e cobranças, podendo afetar não só o desempenho dos colaboradores mas também gerar problemas de saúde mental.

Por essa razão, desde 1º de janeiro deste ano, a síndrome de burnout passou a ser considerada uma condição ocupacional e foi incluída na Classificação Internacional de Doenças (CID) pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Agora, um funcionário que for diagnosticado com isso tem os mesmos direitos trabalhistas e previdenciários assegurados àqueles com as demais enfermidades relacionadas ao emprego.

A combinação tóxica da pandemia com excesso de trabalho e ausência de pausas teve um efeito explosivo na cabeça dos brasileiros. Segundo levantamento da Associação Internacional de Gerenciamento de Estresse no Brasil (Isma-BR), o burnout já estaria afetando 30% dos profissionais ativos.

+ Leia também: Como ficar em paz com o trabalho

O burnout nada mais é que o esgotamento físico e mental desencadeado pelo trabalho. Está por trás de baixa autoestima, sensação de incompetência, irritabilidade, problemas de foco, concentração e memória, alterações de sono e humor, dores generalizadas e mudanças no apetite e até no sistema gastrointestinal. Tudo devido às atividades laborais.

Essa síndrome pode ser provocada pelo excesso de trabalho, por uma alta taxa de cobrança sem fornecimento de ferramentas e condições adequadas para que o colaborador desempenhe suas funções, por pressão psicológica e por ausência de reconhecimento pelo que foi realizado.

Para que isso não ocorra dentro de uma empresa, é preciso que os líderes enxerguem seus liderados de forma humanizada, estimulando o equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal, garantindo os meios para o dia a dia de trabalho e estimulando uma competitividade natural e uma comunicação transparente. Sem isso, não há um ambiente saudável.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:

Em casos de burnout, temos que acolher o funcionário e encaminhá-lo a um psicólogo e psiquiatra para avaliar a situação e propor um tratamento. Não se deve menosprezar seus potenciais prejuízos.

Mas e aquela falta de motivação relacionada ao trabalho? Não um esgotamento, mas um cenário de tédio, procrastinação recorrente e infelicidade no emprego… Aí temos o que se chama de boreout.

Embora não seja do mesmo nível do burnout, essa situação também pode ter impactos na saúde e no desenvolvimento profissional. O colaborador não se sente estimulado, vive na zona de conforto, não é desafiado a crescer e, claro, não recebe o reconhecimento da sua entrega. É sempre mais do mesmo.

Nessas circunstâncias, o líder, em conjunto com a empresa, deve pensar em um plano de ação que instigue o funcionário a utilizar sua criatividade e iniciativa na rotina laboral, contribuir para o seu autodesenvolvimento e se atualizar profissionalmente.

Para evitar que a companhia sofra tanto com o boreout como com o burnout, é fundamental inserir uma cultura organizacional que esteja atenta e disposta a cuidar da saúde mental dos colaboradores. Prevenir casos assim depende de todas as partes envolvidas no trabalho.

* Primo Paganini é diretor de psiquiatria da eCare

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês