Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Diminuir impostos para o cigarro é jogar no ralo conquistas históricas

Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia critica a criação, por parte do governo, de um grupo para discutir a redução de tributos sobre o cigarro

Por Oscar Dutra, cardiologista*
15 abr 2019, 14h16

O tabagismo é o maior risco controlável na prevenção de doenças cardiovasculares, que representam a principal causa de morte em nosso país – são 400 mil por ano. Quando comparamos fumantes aos que nunca fumaram, o primeiro grupo tem um risco duas a três vezes maior de sofrer AVC (popularmente conhecido como derrame), infarto e doença vascular periférica. O cigarro também eleva em 23 vezes a probabilidade de homens desenvolverem câncer. Já nas mulheres, o risco é 13 vezes superior. E por aí vai.

O número total de fumantes continua a aumentar, proporcionando um grande desafio para a saúde pública mundial. Essa calamidade levou a Organização Mundial da Saúde a elaborar um tratado internacional, do qual o Brasil é um dos signatários, juntamente com outros quase 200 países, visando definir estratégias para proteger a saúde e a vida. O tratado envolve, inclusive, a questão da industrialização e comercialização do cigarro.

Inúmeras iniciativas globais já reconheceram que a forma mais eficaz para diminuir o consumo de cigarro é elevar a taxação dos produtos com tabaco, principalmente em relação à população mais excluída socialmente, que muitas vezes não consegue alcançar a compreensão do risco que corre.

A segunda iniciativa, também de extrema importância, é o combate ao contrabando e comércio ilegal de cigarros, que não pode ser ignorada por nossas lideranças políticas. Mas isso não se combate diminuindo impostos sobre os maços.

Outras tantas pesquisas nacionais e internacionais demonstram, em resultados amplamente publicados e divulgados, que o aumento das taxas de impostos reduz o consumo de cigarros e eleva a expectativa de vida, com efeitos maiores nos países de baixa renda, como é o caso do Brasil.

Apesar de todo esse vasto conhecimento, o Ministério da Justiça promulgou uma portaria no mês passado (nº 263/2019) criando um grupo de estudos para analisar uma eventual redução dos tributos sobre os produtos do tabaco. A Sociedade Brasileira de Cardiologia, que há décadas promove campanhas de conscientização sobre os males do cigarro, não poderia ficar calada.

Continua após a publicidade

Enviamos um ofício aos ministérios da Justiça e da Saúde solicitando a imediata revogação da portaria, argumentando que ela representa um retrocesso para aqueles que verdadeiramente se preocupam com a saúde. Uma redução de impostos provocaria aumento de número de doentes e mortes decorrentes da facilitação da compra de produtos do tabaco, contrabandeados ou não.

O Brasil lidera o controle do tabagismo, com o terceiro maior declínio em prevalência de fumantes diários desde 1990: 57% para homens e 56% para mulheres. Isso tem sido atribuído à robusta política pública, na qual foram associados anúncios sobre os danos à saúde causados pelo tabaco, restrições ao consumo e aumento de impostos para esses produtos, entre outras medidas. Não podemos jogar pelo ralo essas conquistas.

*Oscar Dutra é cardiologista e presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.