Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Avanços no monitoramento de doenças cardíacas no tratamento do câncer

Ciência evolui para descobrir maneiras de proteger o coração de quem sobreviveu a tumores ou está passando por terapias

Por Flávio Cure, cardiologista*
7 jul 2024, 08h00

Como a mortalidade por câncer tem diminuído graças ao avanço de novas terapias, as doenças cardiovasculares emergiram como uma preocupação pós-neoplasia.

Os sobreviventes dos tumores têm um risco de morte de 2 a 5 vezes maior devido a doenças cardiovasculares do que a população em geral, uma ameaça aos ganhos alcançados na sobrevivência ao câncer.

Em resposta às crescentes preocupações nesse sentido, o campo da cardio-oncologia evoluiu. Nele, especialistas tanto em oncologia como em medicina cardiovascular trabalham para melhorar a detecção, monitorização e tratamento de doenças cardíacas em cada fase dos cuidados ao câncer.

Essa área tem crescido rapidamente para atender à necessidade urgente de melhorar a saúde cardiovascular dos pacientes que passaram por quimioterapia ou radioterapia.

A quimioterapia ataca o tumor, mas também outros órgãos do corpo, como o coração, podendo causar hipertensão, arritmias e insuficiência cardíaca. Já a radioterapia no tórax no tratamento do câncer de mama, pulmão e linfoma pode causar danos ao músculo cardíaco.

Nem todos passarão por algo do tipo, mas alguns fatores aumentam esse risco. São eles: pessoas com doenças cardíacas pré-existentes, maiores de 65 anos e menores de 18 anos e mulheres após a menopausa. Outros fatores mutáveis também aumentam esse risco como o sedentarismo, o tabagismo e a obesidade.

Continua após a publicidade

+  Leia também: Precisamos falar sobre o coração de quem se trata de um câncer

O monitoramento rigoroso para cardiotoxicidade durante a quimioterapia é crucial para o diagnóstico precoce e orientação terapêutica. Atualmente, o monitoramento baseia-se na realização de exames de imagens e na medição sequencial de biomarcadores como troponina e peptídeos natriuréticos.

No entanto, esses biomarcadores convencionais são indicadores não específicos. A exploração de novos biomarcadores mais específicos, com um claro vínculo com o mecanismo da cardiotoxicidade, promete mais especificidade e sensibilidade na detecção precoce da cardiotoxicidade induzida por antraciclinas, a droga mais frequente a causar problemas cardíacos e a mais utilizada e eficaz no tratamento do câncer de mama, leucemia e linfoma.

Neste cenário, os miRNAs (microRNAs), pequenas sequências de RNA de fita simples e não codificantes envolvidas na regulação epigenética, que atuam “traduzindo” mensagens do código genético às células, têm emergido como novos candidatos a biomarcadores.

Os miRNAs circulantes exibem resistência à degradação e alguns deles podem mostrar um vínculo patomecânico direto com a cardiotoxicidade.

Continua após a publicidade

Os projetos são promissores, mas ainda estão em fase de validação clínica. Enquanto as novidades não chegam, manter contato não apenas com o oncologista, mas também com o cardiologista durante o tratamento do câncer é uma medida preventiva cada vez mais importante.

Flávio Cure é cardiologista clínico e especialista em cardio-oncologia, coordenador do Centro de Estudos do Hospital CopaStar, responsável pelo serviço de Cardio-oncologia da Rede D’Or e membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.