Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
foto de Maisa Kairalla Chegue Bem Por Blog Você pode (ou melhor, deve) se preparar para um envelhecimento saudável. A geriatra Maisa Kairalla, da Universidade Federal de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, ensina como

O medo da pandemia e seus efeitos na saúde

Mesmo com vacinas e novos remédios para Covid-19, tem gente que não consegue sair de casa e vive com receio do vírus. Entenda os riscos da coronofobia

Por Maisa Kairalla 28 abr 2022, 10h26

Em muitos lugares, as máscaras já não são mais obrigatórias. O comércio retomou suas atividades, a população está de volta às ruas e a vida parece, aos poucos, voltando a ser mais parecida com o que era antes.

Quando se instaurou, a pandemia do coronavírus trouxe mortes, sequelas e, sobretudo, medo. A insegurança e a ansiedade de não saber como seriam os próximos dias, o temor de ser contaminado, o receito de contaminar ou perder alguém próximo… Tudo isso passou a ser uma sensação diária.

E como esse combo emocional se reflete (ainda) em nossa saúde? Antes de mais nada, é importante compreendermos os mecanismos do que chamamos de medo. Como diria o filósofo francês Jean-Paul Sartre: “Todos os homens têm medo. Quem não tem medo não é normal, isso nada tem a ver com coragem”.

Existencialismo à parte, o fato é que o medo é uma reação natural, caracterizada por um estado de alerta ocasionado quando o indivíduo se sente ameaçado, física ou psicologicamente. Esse estado gera uma resposta fisiológica, provocando a liberação de substâncias como cortisol, adrenalina e noradrenalina.

Com isso, o indivíduo pode ficar ofegante, sentir palpitações, taquicardia, sudorese e até alterações gastrointestinais, como diarreia. Mas, infelizmente, não para por aí. Quando crônico, o medo leva a estresse, depressão, ansiedade e outros distúrbios psíquicos.

+ LEIA TAMBÉM: O que a guerra na Ucrânia tem a dizer sobre a natureza humana?

Podemos sentir medo das mais várias coisas. Há pessoas que têm medo de altura. Outras, de insetos. Tem até gente com nomofobia, o medo de ficar sem celular, e nosofobia, o medo de ficar doente.

Continua após a publicidade

Porém, desde 2020, uma nova fobia emergiu: a coronofobia. O medo do vírus e da pandemia fez com que muitas pessoas transformassem radicalmente suas vidas, passando a higienizar compras e superfícies diversas vezes, se isolando a ponto de deixar de procurar ajuda médica mesmo quando necessário e desenvolvendo sintomas de ordem física e psicológica.

Mesmo hoje, com menos restrições, imunização e até medicamentos aprovados para o combate da Covid-19, muitas pessoas não se sentem prontas para “voltar ao mundo real”, preferindo manter-se isoladas, consumindo apenas notícias sobre o vírus (muitas vezes fake news) e vislumbrando um futuro sombrio.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Veja, esse medo é legítimo. A pandemia foi um dos acontecimentos mais desafiadores e terríveis deste século. Mas precisamos seguir em frente. Contamos, atualmente, com armas que não tínhamos antes, como informação confiável sobre o vírus, vacinas e novos remédios.

Precisamos, agora, respirar fundo, identificar as sequelas que o medo causou em nossa sociedade e tratá-las. Diálogo e compaixão se fazem necessários neste momento. Lembre-se: sentir medo é normal, mas viver constantemente com medo, não.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês