Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

O que a guerra na Ucrânia tem a dizer sobre a mente e a natureza humana

Partindo de uma correspondência entre Freud e Einstein sobre as guerras, psicólogo reflete sobre os instintos por trás delas e suas repercussões emocionais

Por Francisco Nogueira, psicólogo*
Atualizado em 8 abr 2022, 10h38 - Publicado em 4 mar 2022, 16h18

Em 1931, o físico Albert Einstein escreve uma carta ao psicanalista Sigmund Freud a pedido da Liga das Nações. O cientista quer saber do médico se seria possível a humanidade se livrar das guerras. Na época, o mundo havia acabado de superar os horrores da Primeira Guerra Mundial e da pandemia da gripe espanhola.

Parcela considerável da opinião pública acreditava no esforço civilizatório pela paz. No entanto, uma nova guerra estouraria em menos de uma década da correspondência.

Não seria exagero supor que muita gente se faça o mesmo tipo de pergunta hoje em dia, diante da invasão russa na Ucrânia. Ainda mais se considerarmos as semelhanças entre esses dois momentos históricos.

A resposta de Freud a Einstein tornou-se um texto de enorme interesse para a psicanálise e para a humanidade, especialmente em períodos de grande tensão como o que estamos vivendo.

Continua após a publicidade

“Por que a guerra?” (clique aqui para comprar): foi como se chamou a carta escrita pelo pai da psicanálise ao homem que revolucionou a física. Nela, Freud se debruça sobre os segredos do funcionamento do nosso aparelho psíquico.

+ Leia também: Como Freud ajuda a entender nossa relação com a morte e a pandemia

Suas notícias e reflexões, entretanto, não eram otimistas. Na carta, Freud lembra que nosso instinto agressivo, herdado das nossas origens junto às feras, é algo inerente e necessário para a sobrevivência dos seres humanos. Sempre haverá a possibilidade de recorrermos à violência como uma resposta a determinada situação.

Continua após a publicidade

O desenvolvimento da cultura, nos conta Freud, permitiu o deslocamento do poder, que deixou o campo da violência e adentrou o campo do direito. Quando isso acontece, o poder deixa de estar na mão do mais forte e passa a pertencer à coletividade, que estabelece códigos para evitar que o mais forte volte a se tornar um tirano.

Mas o desenvolvimento da cultura não foi suficiente para eliminar do ser humano seu lado violento. O fortalecimento dos nossos instintos amorosos foi a grande conquista evolutiva da nossa espécie e, graças a eles, aprendemos a encontrar destinos e formatos adequados para lidar com a violência.

O avanço civilizatório pressupõe a capacidade de resolvermos nossas diferenças através de ideias e diálogos, não da força bruta. Mas esse avanço não é definitivo. A guerra, nesse sentido, é a expressão de uma regressão psíquica, civilizatória, ética e, também, estética.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Em sua carta, Freud faz um alerta importante ao lembrar que a cultura, ou a civilização, não representa a natureza humana. E a guerra na Ucrânia é mais um reflexo do descuido com que o nosso tempo trata das questões fundamentais para nós.

Em um momento marcado pelo esgotamento emocional que a pandemia de Covid-19 provocou na população mundial, o conflito na Europa nos remete a tantas outras guerras que vivemos, muito mais perto de nós. Os conflitos nas periferias brasileiras, onde sobretudo os negros são mortos diariamente; o genocídio dos grupos indígenas; o flagelo da fome, do desemprego e da fila do osso.

Continua após a publicidade

Tudo isso não nos deixa esquecer que em nosso próprio país a vida também tem sido violentamente posta em segundo plano.

Como indivíduos, todos nós temos razões para sermos pacifistas. Sejam biológicas, pois nosso corpo não foi feito para suportar a brutalidade da guerra, sejam psicológicas, pois ainda que sobreviva o corpo, a mente padecerá.

Não é porque a presença dos nossos instintos agressivos não foi eliminada pela evolução cultural que temos desculpas para fazermos a guerra. Pelo contrário, é justamente porque temos uma tendência à agressividade que devemos ser pacifistas e repudiar toda e qualquer guerra.

Continua após a publicidade

É porque podemos ser violentos que precisamos, todos os dias, reafirmar os princípios da vida, da cultura e da civilização.

* Francisco Nogueira é psicólogo e psicanalista e membro do Departamento de Formação em Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae, em São Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.