Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Higiene íntima sem tabu (para elas e para eles)

Manter a área genital em ótimas condições não é difícil, mas vários mitos e falta de informação complicam a tarefa para mulheres e homens. É hora de mudar

Por Thaís Manarini - Atualizado em 23 jan 2020, 13h29 - Publicado em 25 fev 2018, 10h27

Não se deixe enganar pelo mar de biquínis e sungas nas praias nem pelos corpos seminus no Carnaval. Por trás desse aparente desembaraço em relação ao próprio corpo, o brasileiro ainda convive com um monte de tabus quando o assunto envolve qualquer menção ao pênis e à vagina. Tem quem até fique corado só de ouvir (ou ler) essas palavras. Só que isso não traz impacto apenas na vida sexual do indivíduo. O buraco é mais embaixo: pode até interferir na qualidade de sua higiene íntima.

Antes que você imagine um cenário de horror dentro de calcinhas e cuecas, saiba que não falamos somente de uma limpeza precária – embora ela aconteça e preocupe, sim. Especialmente na ala feminina, é normal ver gente pecando também pelo excesso. “O que menos observamos por aí é o meio-termo”, brinca a ginecologista Beatriz dos Santos, do Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba.

Nem sempre o desconhecimento a respeito do que seria esse meio-termo é resultado de uma falta de acompanhamento médico. Afinal, muitos tabus estão dentro dos consultórios. “Tem profissional que não aborda o tema porque fica com medo de a paciente achar que estava suja durante o exame“, comenta a ginecologista Helena Giraldo, que atua no ambulatório de infecções genitais da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior paulista.

Para a médica, é preciso superar barreiras e preconceitos. “A mulher é muito ativa. Sai de casa cedo e passa o dia todo sem realizar a higiene adequada. Falta orientação”, ressalta. No momento da consulta, ela deve, sim, questionar mais.

O bate-papo sincero ajuda a mulherada a entender, em primeiro lugar, que a vagina não precisa exalar flores. “Existe uma cultura de que essa parte do corpo deve ser seca, sem pelos, rosa e isenta de corrimento e cheiro, exatamente o oposto do que uma vagina saudável e normal é”, afirma a médica Luiza Cadioli, do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, na capital paulista.

Com o início da menstruação, quando os hormônios estão em polvorosa, ocorre um aumento natural de secreções liberadas pelo canal vaginal. Além disso, crescem os pelos – e a região passa a ter mais suor. “Tudo isso faz surgir um odor característico ali”, aponta a ginecologista Mayara Karla Facundo, do Fleury Medicina e Saúde, em São Paulo.

Ter consciência dessas particularidades facilita a identificação do que realmente não é normal. De acordo com a especialista, uma mudança de cor no corrimento – de clarinha para um tom amarelo ou verde – e um cheiro intenso são sinais de que bactérias ruins podem estar fazendo a festa no pedaço.

Quem estiver na dúvida se o corrimento e o odor estão nos conformes, deve buscar um profissional. Nada de tentar afastar os micro-organismos do mal lavando a área íntima mil vezes ao dia ou passando inúmeros produtos. Isso é até perigoso: o excesso de limpeza pode causar um desequilíbrio na flora local. “Em resumo, as bactérias protetoras começam a sumir”, avisa Mayara. Para garantir essa camada de defesa, indica-se realizar a higienização de uma a três vezes ao dia.

Só não vá confundir alhos com bugalhos. “A higiene é sempre no compartimento externo, ou seja, na pele da vulva. Nunca na vagina, que é a parte interna”, ressalta Helena, da Unicamp. Ainda que proporcione sensação de frescor e limpeza, as duchas lá dentro ou a colocação do dedo no canal vaginal durante o banho são hábitos fortemente desaconselhados. É que eles também alteram o equilíbrio das bactérias residentes nesse espaço. Com isso, perde-se uma barreira de proteção fundamental – e o caminho fica livre para as infecções aparecerem.

Depilar ajuda ou atrapalha?

Essa decisão tem pouco a ver com higiene, na verdade. “O que se recomenda é aparar os pelos com certa frequência”, diz a ginecologista Andrezza Lopes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Quando eles estão curtos, a higienização da área é mais simples. Mas, atualmente, grande parte das mulheres não quer pelos lá embaixo.

Para a ginecologista Rose Luce Gomes do Amaral, membro da comissão de doenças infectocontagiosas da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), não há problema nisso. Só que alguns cuidados são cruciais, ainda mais se a depilação acontecer antes do sexo.

É que o procedimento provoca um processo inflamatório, e aquele orifício por onde sai o pelo fica aberto – daí sobe o risco de pegar doenças sexualmente transmissíveis. “O ideal é usar um sabonete antibacteriano para reduzir a carga de bactérias no local antes da depilação. E, depois, recorrer a produtos calmantes”, sugere Rose.

Continua após a publicidade

Antes e depois do sexo

O momento que antecede o rala e rola deixa muita gente meio insegura quanto às condições das partes baixas. Se houver o desejo de fazer sexo anal, mais um motivo de preocupação. Muitas moças chegam a recorrer a uma ducha lá atrás. Decisão que, para o coloproctologista Henrique Fillmann, está superequivocada. “O uso da ducha dentro do ânus é completamente desnecessário. Inclusive, há o perigo de traumatizar o canal anal”, frisa o médico, que é presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia.

Ao falar em sexo, a única atitude realmente indicada pelos médicos é a higienização após a transa. Coisa simples: com água e sabonete mesmo. Afinal, na área há a mistura de secreções – que pode dar abrigo a uma infecção -, além do lubrificante da camisinha. Mas não precisa sair correndo para o chuveiro, tá? E, se não estiver em casa, sem desespero. “Dá para utilizar o lenço umedecido”, avisa Rose, da Febrasgo. Atenção: nem nessa hora a ducha íntima é boa ideia.

Vamos falar da ducha

Parece saudável limpar a cavidade interna da vagina depois da menstruação ou do contato com o sêmen do parceiro. Mas só parece. “Esse procedimento retira a camada de bactérias benéficas presentes ali dentro, que são defensoras vaginais”, alerta a ginecologista Mayara, do Fleury.

Se a ducha é realizada de forma corriqueira, os micro-organismos amigos podem até ser substituídos por tipos perigosos. “Isso eleva a possibilidade de encarar uma vaginose bacteriana”, exemplifica a médica.

Os riscos não estão associados apenas àqueles kits próprios para as duchas higiênicas encontrados na farmácia. Introduzir a mangueirinha do chuveiro ou até mesmo o dedo no interior da vagina é uma atitude capaz de destrambelhar as bactérias da flora local.

Só com o aval do especialista

A ducha íntima traz benefícios em alguns casos, como na presença de alterações de pH que levam a desconfortos. Mas é o médico quem prescreve – e tem remédio envolvido.

E o sabonete íntimo?

As opiniões sobre ele são (bem) divergentes. Para o ginecologista Rubens Gonçalves Filho, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, a vulva – a área externa, onde se indica a limpeza – deve receber água. E só. “Os sabonetes íntimos são úteis em situações específicas”, avalia. A médica Luiza, do Coletivo Feminista, concorda.

Contudo, muitos profissionais acreditam que, sozinha, a água não remove sujeirinhas e excesso de gordura da região. O que se debate, aí, é o que utilizar: sabonete comum ou íntimo?

Segundo Andrezza, da UFMG, o principal atributo do produto voltado à vulva é que ele mantém o pH da área próximo do ideal – isto é, mais ácido. Rose dá outra razão para investir neles: a baixa penetração na pele, o que diminui a probabilidade de ressecamento.

Já na visão de Mayara, do Fleury, esses produtos não são obrigatórios no box. Está ok usar o neutro mesmo. “Não há estudo mostrando que o sabonete íntimo seja melhor”, acrescenta Fernando Gonçalves de Almeida, urologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Só fuja dos cheirosos e coloridos, mais alergênicos.

Lenços umedecidos

“Eles não precisam fazer parte da rotina”, adianta Beatriz dos Santos, do Hospital Marcelino Champagnat. Mas há situações em que os lenços umedecidos – com o mínimo de fragrância possível, por favor – têm sua serventia. Naqueles dias intermináveis, em que a mulher emenda um compromisso no outro, por exemplo, ter um lencinho na bolsa ajuda na retirada de resíduos acumulados na vulva.

Continua após a publicidade

Mesmo raciocínio vale para depois do sexo. No entanto, Rose, da Febrasgo, acha que esses produtos merecem até mais valor. “Como a qualidade do papel higiênico varia de acordo com cada lugar, o ideal seria lançar mão dos lenços após urinar ou evacuar”, sugere. Ora, um papel higiênico fininho tende a deixar restos nas partes íntimas, o que tem grande potencial de irritar a vulva.

Atenção à umidade

Fungos e bactérias adoram áreas úmidas e abafadas. Por isso, ao apelar para os lenços – que podem até ser aqueles de bebês -, lembre-se de esperar uns minutinhos antes de vestir a calcinha.

Desodorante íntimo… será que vale?

Se o sabonete e o lenço para a vulva geram debates e ponderações, o desodorante não inspira nenhum elogio. “Não recomendamos em hipótese alguma. Pode irritar a região”, declara Beatriz. Em caso de mau cheiro, a mulher tem que ser examinada.

Imagine se o odor é resultado da atividade de bactérias nocivas – passar o desodorante só atrasaria o diagnóstico e o tratamento. E a ginecologista reforça que cada vagina tem um cheiro próprio. Se ele anda incomodando, o conselho é solicitar a opinião de um especialista.

Mas a psiquiatra e sexóloga Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade do Hospital das Clínicas de São Paulo, convida as moças a se questionarem o seguinte: o cheiro é realmente desagradável? Ou a vontade de camuflar o odor tem o objetivo de agradar a terceiros? “Às vezes, as pessoas imaginam que vão se tornar mais interessantes por causa desses cuidados todos. E não é isso que faz a diferença”, analisa a expert em sexualidade.

Precisa hidratar?

A dermatologista Betina Stefanello, do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), confessa que nunca prescreveu cremes para a região íntima. “É um local naturalmente hidratado”, justifica. Mas, se o ginecologista julgar válido, a médica aconselha ir atrás de uma opção com menor potencial alergênico possível.

De acordo com Rose, da Febrasgo, existe, sim, a chance de a mulher deparar com encrencas por causa da falta de hidratação, como descamação na vulva. “Mas tem paciente que apresenta mais irritação justamente por estar hidratada”, pondera.

É a velha história: cada caso é um caso. Que tal conversar com o gineco? Ele pode auxiliar, se for necessário, na escolha do produto.

O creme certo

O grande problema de produtos cheirosos e coloridos demais é que carregam substâncias capazes de provocar alergias. “Há hidratantes direcionados para a região”, assegura a médica da Febrasgo.

Xi, desceu!

Durante o período menstrual, tem quem fique mais confortável com banhos extras. Sem crise. A ginecologista Mayara, do Fleury, informa que dá para lavar a vulva quanto quiser – mas, com sabonete, só duas vezes ao dia nessa fase. O crucial é não passar uma eternidade com o mesmo absorvente. “O sangue favorece o crescimento de bactérias e fungos”, justifica Helena.

Continua após a publicidade

Coloque um novo acessório a cada quatro horas, no máximo – independente do volume do fluxo. Se estiver fora de casa, a médica propõe recorrer a um lenço umedecido antes da troca. Usa coletor menstrual? Embora seja de silicone, um material que não serve de palco para a proliferação de micro-organismos, a ginecologista Aline Oliveira, do Coletivo Feminista, ressalta que é para seguir as dicas do fabricante a fim de evitar que fique sujo.

Protetores diários em xeque

Eles sempre recebem cartão vermelho por abafarem a área íntima. Mas, se a mulher tem mais secreção, por exemplo, o protetor traz bem-estar. É o médico quem decide sobre o uso.

Lavando a roupa suja

No mundo ideal, o bacana seria lavar as calcinhas em água corrente e com sabão neutro. Mas a loucura do dia a dia faz a gente jogar tudo na máquina. “Sem problemas. Mas, se der, separe as roupas íntimas das outras peças”, instrui Mayara.

Outro ensinamento da médica é evitar o amaciante. “Ele possui uma grande quantidade de substâncias alergênicas”, aponta. Feita a lavagem, a peça precisa secar bem, de preferência ao sol. E já que falamos de calcinha… A médica Beatriz dos Santos pede para privilegiar modelos de algodão. Esse é um tecido natural, que deixa a região íntima arejada.

O material menos popular entre os médicos é a lycra, que dificulta a respiração da pele. Para fechar com chave de ouro e garantir a circulação de ar, durma sem calcinha.

Embaixo do chuveiro

Quem lava a calcinha no banho não precisa abandonar o hábito. O perigoso é deixá-la no box depois – isso mantém a peça úmida, ótimo para bactérias e fungos. O certo é secar ao sol.

Ah, o verão chegou!

Piscina, mar, areia, água de coco… E infecções genitais. Não tem jeito: o clima quente é propenso para o surgimento de chateações lá embaixo. Afinal, as altas temperaturas aumentam o abafamento e o suor na área íntima. Sem falar que um comportamento bastante comum nessa época é ficar horas e horas com o biquíni molhado. Está aí uma bela combinação para um micro-organismo oportunista crescer e aparecer – como a Candida albicans, causadora da candidíase.

Há estimativas de que, pelo menos uma vez na vida, 75 a 85% das mulheres enfrentarão esse tormento. Para evitá-lo, obviamente que se incentiva trocar a roupa de banho o mais rápido que der. Mas os médicos têm noção de que esse é um sonho distante.

“Então, pelo menos procure tirar o excesso de sal da água do mar, que pode ser um fator irritativo”, orienta Mayara. E, como a vida no verão não é só praia e picolé, lembre-se de, na cidade, priorizar roupas leves – tudo para não deixar a vulva sofrendo com o calor. Sabe aquela calça jeans mais apertada? Melhor manter no armário.

E os rapazes?

Bem, o fato de eles não encontrarem tantos produtos para as intimidades no mercado não quer dizer que a higiene genital é menos importante. Longe disso. “Nas regiões em que esses cuidados são precários, há maior risco de câncer de pênis“, conta o urologista Fernando Gonçalves de Almeida, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). No Brasil, a doença se manifesta sobretudo nas regiões Norte e Nordeste.

Continua após a publicidade

Lá, esse tipo de câncer chega a disputar com o de próstata em incidência. “Só que esse tumor não responde bem à quimio nem à radioterapia”, informa Franz Campos, chefe da seção de urologia do Instituto Nacional de Câncer (Inca). “E, se acometer os gânglios da região da virilha, o primeiro ponto de metástase, a sobrevida é pequena. Ou seja, trata-se de um câncer mortal”, completa o especialista. Justamente por ser agressivo e não ter tratamento capaz de extingui-lo, a saída normalmente é a amputação. Triste, né?

Embora essa situação seja extrema, e resultado de uma higienização muito ruim, erros na limpeza da genitália podem trazer outras consequências. Um exemplo é a balanopostite, a tal da candidíase masculina. “É uma inflamação na área da glande, que deixa o órgão vermelho e irritado”, define o urologista Francisco Kanasiro, diretor da Sociedade Brasileira de Urologia – Regional São Paulo. A evolução do quadro costuma ser marcada por descamação e até feridas.

A encrenca é mais comum entre os homens com excesso de pele na região. Isso faz a temperatura ali subir e, junto com suor e secreções, forma-se o contexto perfeito para bactérias e fungos se multiplicarem. O urologista Celso Gromatzky, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, conta que outro fator traiçoeiro é o uso de uma família de remédios para o diabetes. É que eles estimulam uma maior excreção de açúcar pela urina. Daí já viu: se a higiene estiver capenga, além de moradia, os seres microscópicos têm alimento para se desenvolver. Eles só precisam de uma chance para causar estragos.

A ida ao banheiro

Recentemente, uma pesquisa do Ibope Inteligência, em parceria com a Worldwide Independent Network of Market Research, revelou que uma a cada três pessoas no mundo não lava a mão depois de usar o banheiro – o Brasil estava entre os 64 países analisados, só para constar.

Imagine você, então, qual a porcentagem de homens que passam água e sabão nas mãos antes de urinar. Isso mesmo: antes. Deve ser mínima, concorda? Pois esse é um comportamento considerado necessário pelos médicos. É só pensar em todas as coisas que fazemos antes de ir ao banheiro: pegamos em maçanetas, corrimões, barras de ônibus… “Entramos em contato com fungos, bactérias e outros germes. Ao tocar o pênis, é possível contaminá-lo”, alerta Almeida, da Unifesp.

Tem que lavar depois também

Limpar as mãos antes de urinar não é prerrogativa para, depois, sair em disparada do banheiro. Visite mais uma vez a pia – isso evita a transmissão de bactérias do genital para terceiros.

É só balançar?

Quantas mulheres já não confessaram invejar os homens pela aparente facilidade no momento do xixi? Eles não precisam sentar no vaso e, após urinar, basta chacoalhar o pênis e pronto. Mas esta última parte está incompleta, viu? Os marmanjos também deveriam secar a genitália antes de vestir a cueca. “Só balançar não adianta”, adverte o urologista Marco Nunes, do Centro Especializado em Urologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

Mesmo que estejamos considerando uma ou duas gotinhas de xixi, é o suficiente para deixar a área íntima mais úmida. “E a urina é meio de cultura para bactérias. Além disso, é rica em amônia, capaz de causar mau cheiro”, explica Nunes.

Dar essa secadinha é especialmente importante entre quem apresenta muita pele cobrindo a glande – a cabeça do pênis. “Agora, se na hora da micção o homem retrair o prepúcio, a pele que recobre a glande, não terá muito líquido parado ali”, observa Almeida. Caso esse processo de descobrir a cabeça do pênis esteja difícil, é bacana conversar com o urologista.

Como lavar o pênis

No banho, o segredo para reduzir a probabilidade de enfrentar infecções é, de novo, puxar a pele do prepúcio e expor a glande. Só dessa maneira se realiza uma ótima limpeza no pênis. “Utilize água com sabonete. Nada do outro mundo”, ensina Samuel Dekermacher, secretário-geral da Sociedade Brasileira de Urologia.

O principal objetivo é remover o esmegma, uma secreção esbranquiçada produzida por glândulas da glande. Além de mau cheiro, essa espécie de sebo torna a região favorável à proliferação de fungos e bactérias.

Continua após a publicidade

Não faz sentido os pais abordarem o tema muito cedo. “O esmegma começa a ser fabricado mesmo na puberdade”, esclarece Gromatzky. Então, nessa fase, a pauta higiene íntima merece ser trazida à tona de novo.

Tem que secar

O médico do Sírio-Libanês diz que vários homens falham nesse quesito. E não secar bem o pênis deixa o ambiente úmido, ideal para infecções e irritações. Se há muita pele, a atenção deve ser redobrada.

Depois do bem-bom

Os recados vão na mesma linha das recomendações para as mulheres. É prudente fazer a higiene – em todas as partes envolvidas no ato – após o sexo. “As secreções das duas pessoas se acumulam, criando condições para infecções”, relata Gromatzky.

Sem contar todas as substâncias presentes na camisinha. “Elas podem motivar irritações”, frisa Nunes, do Oswaldo Cruz. Não é que o indivíduo precise tomar um banhão – mas há que lavar a região. Tampouco é para sair correndo da cama ao fim da transa. Só não é legal virar para o lado e dormir.

Fora de casa, dá para tirar proveito de lenços umedecidos. E não custa reforçar: tais medidas não garantem proteção contra doenças sexualmente transmissíveis. Nenhuma higiene íntima dispensa o preservativo.

Pelos, vale tê-los? 

Para Nunes, se houver excesso, aparar os pelos ajuda a aliviar o calor local. Mas depilar é outra coisa, tá? Tirar o pelo eleva a possibilidade de inflamações. Quem decidir experimentar tem de ser cuidadoso.

A melhor cueca

Assim como os ginecologistas, os urologistas também ficariam contentes se os homens investissem mais em peças de algodão. Afinal, esse é o tecido conhecido por permitir que a pele respire. Já os panos sintéticos, como a famigerada lycra, e modelos justos não são tão bem vistos.

Por falar em ventilação, tem que deixar a cueca secar direito ao sair da máquina. Nada de vesti-la úmida! Se notar alguma irritação no pênis, vale abolir por um tempo produtos potencialmente alergênicos, como amaciantes – e dar um toque no doutor.

“Em casa, prefira roupas largas e confortáveis”, sugere Kanasiro, da SBU-SP. Especialmente no calor, a melhor pedida é manter a calça jeans no cabide. Quanto mais ventilada a área íntima, menos motivos para preocupação.

Sunga molhada

Continua após a publicidade

Para eles, passar um tempão com o acessório úmido também é sinônimo de maior risco de infecção fúngica – a candidíase. Portanto, na medida do possível, diminua o tempo com a sunga úmida.

Publicidade