saudeLOGO Created with Sketch.

O que se esconde por trás da flora vaginal

A região só recebe atenção quando alguma disfunção dá as caras. Mas cuidados diários são essenciais para mantê-la equilibrada e capaz de proteger todo o aparelho genital


Um batalhão de soldados estrategicamente posicionados e organizados para barrar qualquer invasor que possa provocar problemas. Assim é a flora vaginal. Nesse caso, o exército é formado por micro-organismos que devem estar em perfeito equilíbrio entre si para conseguir manter a vagina, a vulva e os órgãos próximos delas – a bexiga, o útero e as trompas – a salvo da ação de inimigos que, diante de qualquer descuido, causam diversos males. Alguns desencadeiam sintomas leves: coceira e ardência, por exemplo. Outros, no entanto, podem levar a cenários mais graves, como infertilidade e aborto. 
 
A principal arma dessa tropa é a acidez. “Ela cria um ambiente desfavorável para a entrada, a sobrevivência e a proliferação de micróbios que possam originar alguma doença”, explica a ginecologista Carolina Carvalho, da Universidade Federal de São Paulo. Essa característica protetora é garantida pelos chamados bacilos de Döderlein. “Eles vivem na parede da vagina e se alimentam da glicose armazenada nas células, transformando-a em ácido láctico, o que faz com que sejam considerados lactobacilos”, conta o ginecologista e obstetra Eduardo Zlotnik, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. “Além disso, a sua presença gera uma competição com os micro-organismos nocivos, fazendo com que haja menos comida para eles”, acrescenta Carolina. 
 

Equilíbrio é fundamental

Ter uma vida saudável é o primeiro passo para preservar o equilíbrio da flora vaginal. “Isso ajuda a manter a imunidade em dia, o que reflete diretamente sobre ela”, diz o ginecologista e obstetra Alfonso Massaguer, diretor da Clínica Mae, em São Paulo. Alguns cuidados no dia a dia também são imprescindíveis. Mas, mesmo com toda precaução, alguns fatores podem alterar esse ambiente. “O ciclo menstrual, a gravidez, a atividade sexual, o uso de contraceptivos e de antibióticos são exemplos disso”, informa a ginecologista e obstetra Caroline Alexandra Pereira de Souza, da Clínica BMS, em São Paulo. Nesses casos, o próprio organismo em geral se encarrega de restabelecer a harmonia na região. 
 
O desarranjo ainda pode ser provocado por doenças, o que faz com que um auxílio médico seja necessário. “Males que afetam muito a imunidade, como o lúpus e a insuficiência renal, devem estar nessa lista de alerta”, afirma Alfonso Massaguer. “O diabete, que aumenta a quantidade de glicose na circulação, e o estresse, que provoca uma alteração hormonal, também têm essa ação”, acrescenta Carolina Carvalho. E até mesmo tratamentos tópicos podem ameaçar esse equilíbrio. “O uso de cremes vaginais para tratar doenças precisa ser feito com cuidado, porque eles podem atacar a flora saudável”, avisa Eduardo Zlotnik. 
 
Independentemente do que estiver por trás dessa desproporção entre os micróbios benéficos e nocivos na flora vaginal, quando ela ocorre abre-se espaço para o surgimento de problemas. “Ardor, coceira, cheiro forte, vermelhidão e corrimento escuro ou esbranquiçado são sinais de que algo está errado”, explica Caroline Alexandra Pereira de Souza. “Se esse tipo de quadro acontecer com muita frequência, a mulher pode lançar mão de comprimidos de vitamina C para deixar a região mais ácida ou tomar iogurte com lactobacilos, porque a flora vaginal está muito ligada à flora intestinal”, sugere Carolina Carvalho. Marcar consultas frequentes com o ginecologista também é imprescindível. 
 

Os malfeitores 

Candida sp – candidíase 
Esse fungo causa coceira, ardor e corrimento esbranquiçado. Ele se prolifera diante de fatores como a umidade em excesso ou a baixa na imunidade. 
 
Chlamydia trachomatis – clamídia
Trata-se de uma bactéria perigosa que não mostra sintomas em cerca de 70% dos casos, mas pode ser transmitida sexualmente e causar infertilidade, aborto ou parto prematuro. 
 
Streptococcus B 
Ele vive na flora vaginal e gastrointestinal, muitas vezes sem provocar problemas. Só que é um risco para gestantes: se não for devidamente tratado, pode contaminar o bebê durante o parto, provocando até a sua morte. Por isso, um exame para detectá-lo é obrigatório no pré-natal.
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s