Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Métodos para aumentar o pênis são contraindicados

Nem cirurgia nem nada: nenhuma técnica de alongamento peniano é comprovadamente eficaz (ou segura), segundo um parecer da Sociedade Brasileira de Urologia

Por Da Redação Atualizado em 8 set 2020, 18h09 - Publicado em 13 mar 2019, 17h32

Sobram promessas na internet de cirurgias ou outros métodos que supostamente alongam ou engrossam o pênis dos homens. Mas não caia nelas! A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) acaba de publicar um parecer sobre o assunto, que é categórico: “Várias técnicas de alongamento e/ou aumento da espessura peniana têm sido descritas, mas nenhuma se mostrou efetiva e segura”.

Pior: esses procedimentos têm potencial para desencadear efeitos colaterais bem desagradáveis. “Eles podem levar a deformidades, disfunção erétil, […] infecções, áreas anestesiadas, encurtamento peniano, entre outros”, afirma Carlos Da Ros, urologista e chefe do departamento de Sexualidade e Reprodução da SBU, em comunicado.

De acordo com o documento, a maioria dos homens que busca esses serviços possui um pênis de tamanho normal. Nesses casos, o interesse pelo aumento peniano envolve a expectativa de ter um melhor desempenho sexual – ou mesmo transtornos de imagem nos quais o paciente enxerga seu órgão como sendo menor do que realmente é.

“A orientação ética e honesta é não operar, e sim tratar o transtorno psicológico/emocional”, alerta a diretriz.

Atualmente, algumas técnicas para aumentar o pênis estão em fase experimental. Acontece que elas só devem ser realizadas em um ambiente controlado, com consentimento do paciente.

  • Ou seja, ele precisa saber que faz parte de uma pesquisa – e obviamente não pode pagar por isso. Isso vai de eventuais “exercícios” a cirurgias, passando pelo uso de dispositivos. E nem precisamos dizer que só um especialista será capaz de identificar se é o caso ou não de recorrer a eventuais estratégias experimentais.

    “A Sociedade Brasileira de Urologia, através do seu Departamento de Medicina Sexual e Reprodução, contraindica esta prática e reforça que não há estudos ou dados científicos que confiram credibilidade, eficácia ou segurança de qualquer técnica de aumento das dimensões penianas”, diz o documento.

    Para acessar o parecer completo da SBU, clique aqui.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade