Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Ficar bem com menos de 8 horas de sono é mito, diz estudo

Falta de sono pode causar dano cognitivo até para quem dorme 6 horas por noite

Por Ana Carolina Leonardi (da Superinteressante) Atualizado em 14 mar 2019, 12h34 - Publicado em 23 abr 2017, 14h30

Você já deve ter ouvido alguém dizer que “fica ótimo” com apenas 4 ou 5 horas de sono. Essa pessoa pode ser até famosa: a revista Forbes publicou o regime de sono de pessoas de sucesso, que sugere exatamente isso. Mas um estudo mostra que o déficit de sono é mais discreto do que você imagina – e dormir 6 horas por noite já é suficiente para causar problemas na sua.

Dez dias dormindo 6 horas, segundo a pesquisa, causa o mesmo efeito na sua cognição do que passar uma noite inteira acordado: diminui reflexos e velocidade de reação e atrapalha até a capacidade de interpretar textos.

O experimento, realizado na Universidade da Califórnia, em Berkeley, começou pedindo que os voluntários dormissem exatamente 8 horas em uma noite. No dia seguinte, fizeram provas escritas e testaram seus reflexos normais. Os participantes também foram colocados em tarefas bem tediosas, para ver quantas vezes eles davam aquela “pescada” de alguns segundos.

  • Depois, os voluntários foram divididos em grupos. O primeiro continuava a dormir 8 horas. O outro, 6 horas. O terceiro, 4 horas. O último grupo tinha que virar a noite por até três dias seguidos – e, a cada dia, eles repetiam os testes.

    O grupo da noite em claro, obviamente, teve os primeiros sinais de problema. O desempenho depois de uma única virada já era o equivalente ao de um bêbado, de tão ruim.

    Continua após a publicidade

    Os outros grupos demoraram, mas chegaram lá: quem dormiu 4 horas tinha um desempenho pior a cada dia. No 3º dia, a perda cognitiva era igual à de uma noite insone. Quem dormiu 6 horas levou 10 dias para chegar no nível “álcool” de cognição atrapalhada.

    O mais curioso é que eles não percebiam o declínio das suas habilidades. Depois da primeira noite, os pesquisadores perguntaram como tinha sido a prova. Os voluntários que dormiram 6 horas disseram ter tido um desempenho “ótimo” – mas os testes de leitura e reflexo diziam o contrário.

    O pior é que os danos aumentavam a cada noite e não deram nem sinal de estabilizar. Ninguém “se acostumou” com a falta de sono, mesmo depois de duas semanas de teste.

    E o domingo?

    Tão comum quanto dormir seis horas durante a semana é dormir mais de 8 horas no fim de semana. Mas essa compensação, segundo os pesquisadores, não funciona – pelo menos não tão rápido. Depois do experimento, eles permitiram que todos os grupos dormissem o quanto quisessem por três dias. A capacidade cognitiva melhorou, mas continuou abaixo do nível inicial.

    A conclusão dos pesquisadores foi, então, de que o fim de semana não basta para readequar o seu sono. Para manter o cérebro e a mente nos trinques, as oitos horas por noite precisam ser um plano a longo prazo.

  • Esse conteúdo foi originalmente publicado no site de Superinteressante.

    Continua após a publicidade
    Publicidade