Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O sistema de faxina cerebral

Descoberto há uma década, ele pode mudar a compreensão e o combate de doenças neurodegenerativas

Por Diogo Sponchiato 21 jul 2022, 08h48

Nosso cérebro possui um serviço especial de limpeza, conhecido tecnicamente como sistema glinfático.

Decupando o nome, fica mais fácil entender o que ele faz. Glinfático é a junção de “glia”, um grupo de células do sistema nervoso que trabalha para fazer uma faxina no pedaço e resguardar os neurônios, com “linfático”, referência à rede que drena impurezas do organismo e mantém e disponibiliza células de defesa diante de um pedido de socorro.

Esse sistema engenhoso e ainda pouco compreendido do corpo humano protagonizou uma das sessões do Congresso de Cérebro, Comportamento e Emoções, em Gramado.

Na ocasião, o neurologista Manoel Sobreira Neto, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), contou o que já se sabe e o que se especula em torno do sistema glinfático, descrito pela primeira vez há dez anos por Maiken Nedergaard e Jeffrey Iliff, pesquisadores da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos.

A descoberta foi feita em ratos, cujo cérebro é biologicamente semelhante ao nosso, e depois confirmada em humanos — trabalho que, na visão de Sobreira Neto, coloca os dois cientistas como candidatos a um Prêmio Nobel.

O professor da UFC explicou que o sistema glinfático é provavelmente essencial para varrer proteínas cujo acúmulo está por trás de doenças como Parkinson e Alzheimer — e seu desempenho pode modular a apresentação desses quadros.

Existe a perspectiva de que, no futuro, medicamentos possam ser criados para potencializar o trabalho do sistema glinfático e tratar problemas neurodegenerativos, impedindo sua evolução e piora.

Continua após a publicidade

Mais atividade no sono

A ideia de que boas noites de descanso fazem uma faxina mental tem lá sua validade científica, inclusive se pensarmos no sistema glinfático. Pois tudo leva a crer que ele trabalha em dobro quando estamos dormindo.

“O sistema glinfático pode nos ajudar a explicar por que transtornos do sono, como a apneia, aumentam o risco de degeneração do sistema nervoso”, comentou Sobreira Neto em sua exposição no congresso.

Mas há muito a destrinchar nesse terreno: por exemplo, até que ponto há uma relação de causa e efeito ou coexistência entre esses fenômenos?

+ LEIA TAMBÉM: Poluição sonora afeta o cérebro e outras regiões do corpo

Por dentro do sistema

ilustração da glia e do sistema linfático
Ilustração: Veja Saúde/SAÚDE é Vital
ilustração do sistema glinfático
Ilustração: Veja Saúde/SAÚDE é Vital
Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês