Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

O drama do suicídio entre os mais velhos

Levantamentos indicam que ato é mais frequente após a sexta década de vida. Mas dá pra identificar e prevenir

Por André Biernath - Atualizado em 1 set 2020, 12h08 - Publicado em 24 jun 2020, 09h00

Na maioria das vezes, o suicídio não acontece por uma decisão súbita e repentina: ele costuma ser o ponto final de uma longa trajetória, marcada por depressão e outros transtornos que abalam o bem-estar físico e mental. Por mais que ocorra em todas as faixas etárias, a ação de tirar a própria vida parece ser mais comum entre a população mais velha. O Ministério da Saúde calcula que aconteçam cinco suicídios a cada 100 mil brasileiros de qualquer idade.

Entre os idosos, o número sobe para nove — e um estudo da Universidade Federal da Bahia aponta que a situação é mais preocupante em indígenas e afrodescendentes. “Para incentivar as pessoas a procurar ajuda, precisamos falar abertamente e desfazer os tabus”, frisa Adriana Rizzo, do Centro de Valorização da Vida (CVV). Certas atitudes — como você vê no quadro abaixo — minimizam o risco de atos extremados nessa fase. 

Pistas que deduram a ameaça de um suicídio
Ilustrações: Laura Luduvig/SAÚDE é Vital

 

Além da orientação médica, o que mais pode ser feito
Ilustrações: Laura Luduvig/SAÚDE é Vital

 

Continua após a publicidade
Publicidade