Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Sensor mede pressão dentro da cabeça sem furo nem dor

Uso da tecnologia, criada no Brasil, não será restrito a doenças neurológicas

Por Diogo Sponchiato Atualizado em 30 ago 2021, 16h12 - Publicado em 27 ago 2021, 12h05

A vivência e o inconformismo do físico Sérgio Mascarenhas (1928-2021) diante de um distúrbio que elevou sua pressão intracraniana foram o ponto de partida do que pode ser uma revolução na medicina. O professor rompeu um paradigma da neurociência — o de que o crânio é totalmente rígido — e lançou as sementes para a criação de uma tecnologia não invasiva capaz de inferir o volume e a pressão dentro da cabeça.

Antes do sensor, desenvolvido pela startup brain4care, a única forma de acessar esses dados era com um procedimento que fura o crânio. O novo dispositivo consegue flagrar, por meio de ondas específicas, alterações até mais sutis que sinalizam problemas.

“Hoje já visualizamos 20 diferentes aplicações para a tecnologia”, conta Plinio Targa, CEO da Brain4care. Além de desordens neurológicas como hidrocefalia e AVC, o sensor é estudado em contextos como anestesia e doenças cardíacas.

Sinal vital

A tecnologia da brain4care fica de olho no que os cientistas chamam de complacência cerebral, que é influenciada pelo volume e pela pressão dentro do crânio. Alterações ali sugerem desequilíbrios e danos neurológicos.

Doenças diversas, como hidrocefalia, AVC e meningite, interferem nesse marcador, que, a exemplo de temperatura e pressão, pode virar um novo sinal vital do corpo.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Comida para proteger o cérebro

Ação e reação pelo crânio

Dispositivo já é utilizado por clínicas e hospitais brasileiros. Entenda como funciona:

1. Captação: o sensor é posicionado na cabeça do paciente, onde passa a captar ondas que indicam a pressão intracraniana.

2. Relatório: o resultado fica na nuvem e pode ser acessado em tempo real e remotamente pelos profissionais de saúde.

3. Análise: o device atua como uma ferramenta preditiva e diagnóstica, podendo ser usado tanto em clínicas como UTIs.

4. Conduta: a medição da pressão intracraniana auxilia o médico a tomar decisões imediatas para preservar a saúde cerebral do paciente.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade