Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Sangramento de nidação: o que é e quando ele ocorre

Parte do processo natural de implantação do óvulo no começo da gravidez, o escape de sangue exige atenção em algumas situações

Por Valentina Bressan
28 jun 2024, 14h28

A nidação é uma fase essencial para o sucesso da gravidez. Depois da fertilização pelo espermatozoide – que ocorre nas trompas uterinas –, o óvulo precisa se fixar no útero. É esse processo que recebe o nome de nidação, também chamado de “aninhamento”.

Em geral, a nidação acontece de 10 a 14 dias após a concepção. Para tudo correr bem, é preciso que os níveis de estrogênio e progesterona estejam adequados e o endométrio seja receptivo.

Ou seja, é preciso estar na fase certa do ciclo menstrual. Mas o processo segue tendo percalços naturais mesmo depois disso: cerca de metade dos óvulos fertilizados se implantam mas não crescem, ou param de se desenvolver antes mesmo de a gravidez poder ser detectada.

É só depois da nidação que o teste de gravidez vai dar positivo. Isso porque, após a correta implantação do óvulo no útero, a gonadotrofina coriônica humana – mais conhecida como hCG – começa a subir. É ela que vai tornar a gravidez detectável no teste de sangue ou urina.

+Leia também: Calculadora gestacional: entenda como estimar a idade da gestação

Quais são os sintomas da nidação?

O principal sintoma é o sangramento de nidação. Para quem monitora a temperatura basal do corpo para acompanhar a fertilidade, também é possível notar uma queda na temperatura.

A partir da nidação, podem ocorrer alguns sintomas precoces de gravidez, como dor de cabeça, leves cólicas, náuseas, sensibilidade nos seios, dor na lombar e alterações de humor. Cerca de um terço das grávidas apresentam sangramento de nidação.

Continua após a publicidade

O que é o sangramento de nidação

Quando o assunto é gravidez, sangramentos costumam ser um grande sinal de alerta. No entanto, o sangramento de nidação é um processo fisiológico normal. Ele ocorre de 10 a 14 dias após a concepção.

Ele acontece devido ao rompimento de pequenos vasos sanguíneos no endométrio quando o óvulo fertilizado se implanta. Mas não se preocupe: a gestação ainda pode estar se iniciando mesmo quando não há sangramento. Embora comum, ele não acontece todas as vezes.

Um problema é que o sangramento de nidação pode ser confundido com a menstruação. Isso porque, dependendo da duração do ciclo menstrual e do momento da concepção, ele acontece bem na fase em que a menstruação ocorreria. Daí pode ocorrer um falso negativo de gravidez.

A diferença entre o sangramento de nidação para o da menstruação é que o primeiro costuma ser leve e estanca sozinho.

+ Leia tambémO que é o útero retrovertido? É preciso fazer algum tratamento?

Quando é motivo para se preocupar?

Em condições normais, o sangue que sai como consequência da nidação costuma ser de uma cor rosa leve ou marrom, como ferrugem. Não deve apresentar coágulos, nem ser suficiente para encher um absorvente. O sangramento de nidação dura de algumas horas até três dias.

Continua após a publicidade

Se o sangramento foi vermelho forte, durar mais de três dias e te obrigar a trocar de absorvente, procure um médico. É improvável que seja sangramento de nidação – e aí é preciso investigar corretamente qual a causa para um tratamento rápido.

Uma vez confirmada a gravidez, sangramentos costumam ser motivo de grande preocupação quando ocorrem mais tarde na gestação. Pode ser sinal de aborto espontâneo ou gravidez molar. Se houver náusea e vômito, tontura, dor abdominal, há também risco de gravidez ectópica.

Procure imediatamente o médico responsável caso ocorra qualquer sangramento durante a gestação.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.