Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Obesidade pode ajudar a espalhar a gripe, diz estudo

Além de ser um fator de piora dos sintomas, obesidade pode aumentar o período de transmissão da doença

Por Maria Tereza Santos 15 ago 2018, 10h53

Diversos estudos já demonstraram que a obesidade pode piorar a gravidade da gripe. Isso porque gera inflamações no organismo que abalam a nossa imunidade. O que os cientistas da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, queriam saber é se o peso elevado também teria influência na transmissão do vírus.

Em parceria com a Universidade da Califórnia, também nos Estados Unidos, e o Ministério da Saúde e Instituto de Ciências Sustentáveis da Nicarágua, os experts monitoraram 1 783 habitantes de Manágua (capital do país) durante três temporadas de gripe, entre 2015 e 2017. Do total, 812 participantes eram maiores de idade, sendo que 42% desses estavam acima do peso (341 pessoas).

No período analisado, 87 pessoas foram diagnosticadas com influenza A e 58 com influenza B. A média de duração dos sintomas foi de 10 dias.

Os resultados revelaram que os adultos obesos com dois ou mais indícios de influenza A espalhavam o vírus por 42% mais tempo do que as pessoas com peso considerado adequado. E aqueles com obesidade que apresentaram apenas um ou nenhum sintoma da doença (mas carregavam o vírus mesmo assim) podiam difundi-la durante um período 104% maior.

Em entrevista ao portal da Universidade de Michigan, Aubree Gordon, a líder da investigação, comentou o seguinte: “Certamente é importante encorajar as pessoas a serem vacinadas, particularmente se são obesas ou têm outros fatores de risco”. Não se trata, claro, de estigmatizar ninguém – e sim de dar atenção à imunização contra a gripe.

De qualquer forma, os experts reconhecem que essa é uma pesquisa muito limitada, entre outras coisas pelo número reduzido de voluntários. E vale ressaltar que os cientistas perceberam que o IMC (o índice de massa corporal) alto não influenciou na propagação da influenza B.

Ainda assim, eles acreditam que o resultado está ligado à inflamação causada pela obesidade. Por hora, também reforçam a importância da criação de estratégias de intervenção e prevenção para contornar o excesso de peso – que atinge 1,9 bilhão de pessoas no planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)